Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

VW Jetta pode ganhar versão elétrica – e independente da linha ID

Ainda sem versão elétrica, muitos clientes e amantes do modelo ficam com receio de que o Jetta possa mudar de nome e visual para entrar na linha ID

Por Pedro Henrique Oliveira Atualizado em 24 ago 2021, 12h56 - Publicado em 24 ago 2021, 03h03
Novo Jetta (azul) e Jetta GLi (vermelho) vistos 3/4 por trás
Durante o anúncio do facelift do Jetta 2022, a empresa revelou planos de eletrificação do sedã Divulgação/Volkswagen

A Volkswagen até garantiu um novo motor e um novo câmbio para o novo Jetta 2022. A expectativa é de que o novo sedã chegue às concessionárias norte-americanas no último quarto de 2021. Mas os engenheiros da fabricante alemã trabalham em uma atualização mecânica ainda maior para o sedã médio. 

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

Enquanto ainda não se sabe se o novo motor 1.5 TSI de 160 cv e o câmbio automático de oito marchas chegarão ao Brasil, a VW já está com a cabeça na eletrificação do sedã. 

VW Jetta GLi 2022 vermelho visto 3/4 de frente
A VW anunciou novidades para o Jetta 2022 e afirmou que pode manter nomes clássicos, como Golf e do próprio sedã, para futuros modelos elétricos Divulgação/Volkswagen

No evento de revelação do facelift, a Volkswagen respondeu um questionamento do site CarScoops sobre o seu futuro elétrico e sobre quais serão os nomes dos modelos que ainda aparecerão no mercado. 

Na resposta, a empresa deixou claro que “nomes convencionais não foram descartados para os futuros veículos elétricos e que eles são, definitivamente, uma opção”. Isso indica que esses novos modelos poderiam viver em harmonia com a família ID, dedicada aos elétricos da marca. 

VW Jetta 2022 azul visto por trás frente
O sedã conta com um número expressivo de vendas globalmente, então não é nenhum absurdo pensar em uma versão elétrica do modelo para os próximos anos Divulgação/Volkswagen

Essa declaração mostra que a fabricante fez uma correção no seu plano de produção e comercialização de elétricos. A princípio, a marca havia dito que utilizaria apenas a divisão ID para os seus modelos movidos exclusivamente a eletricidade, mas, aparentemente, a estratégia é diferente agora. 

Um fato observado pela fabricante, pelo menos no mercado norte-americano, é que muitos clientes preferem designs mais conservadores, como o do Jetta, no lugar de desenhos mais modernos, como os do ID.3 e ID.4

Continua após a publicidade

Volkswagen ID.4 azul visto 3/4 de frente
O ID.4 faz parte da linha ID, desenvolvida pela VW para abrigar modelos elétricos que contam com design mais ousado Divulgação/Volkswagen

Isso não necessariamente significa que os compradores são contrários às motorizações elétricas, mas sim que preferem um design em detrimento de outro. Eventualmente, todos serão forçados a comprar carros dependentes de bateria por conta das regulamentações internacionais de limite de emissão de poluentes. 

Volkswagen ID.3 azul visto 3/4 de frente
Volkswagen ID.3 é o primeiro carro da família de elétricos da Volkswagen e tem plataforma MEB Divulgação/Volkswagen

Com foco na pauta ambiental, a VW pretende ter 70% das suas vendas anuais concentradas no ramo de elétricos até 2030, mas esse patamar não será atingido apenas com os modelos ID. Naturalmente, a marca começará a oferecer os modelos mais clássicos, como o Jetta, em versões elétricas. 

Apesar da gama de modelos ID já ter um planejamento de lançamentos, como o da “Kombi elétrica” ID Buzz, ainda existe uma grande demanda por carros elétricos de outros segmentos da empresa, como o de sedãs. 

VW Jetta 2022 azul visto 3/4 de frente
Para alcançar o patamar de 70% das vendas concentradas no ramo de veículos elétricos, a VW precisa atingir o público que gosta de designs mais conservadores, como é caso do visual do Jetta Divulgação/Volkswagen

Portanto, não há como descartar a presença de um Jetta elétrico nos próximos anos. O mistério é como ele será feito e qual será o seu visual. A VW já vendeu unidades elétricas do Golf onde apenas substituiu o motor a combustão por um elétrico. Além disso, os modelos ID utilizam a plataforma MEB EV, dedicada apenas para elétricos, o que excluiria a possibilidade de um Jetta atual ser inserido nessa arquitetura. 

Dito isso, o futuro do sedã ainda é uma incógnita. A Volkswagen tem um leque de oportunidades para desenvolver uma versão elétrica do Jetta. Uma vertente é seguir o que a Porsche faz com o Macan e desenhar o mesmo veículo em plataformas diferentes: um elétrico e outro a combustão. 

Motor TSi do novo Jetta 2022
Uma das opções é dar continuidade ao Jetta a combustão e montar uma versão totalmente nova e elétrica com a plataforma utilizada na linha ID. Divulgação/Volkswagen

Outro lado pode ser simplesmente levar o conceito visual do modelo à plataforma de elétricos já existente e torná-lo algo diferente do modelo a combustão. Fato é que a empresa alemã não vai matar o seu sedã e, com foco na redução das emissões de poluentes, deve trazer em breve uma versão elétrica do clássico Jetta.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

Quatro Rodas

Capa quatro rodas 748 agosto 2021
Capa quatro rodas 748 agosto 2021 A edição 748 de QUATRO RODAS já está nas bancas!
Clique e Assine
Continua após a publicidade

Publicidade