Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Elétricos, Volkswagen ID.1 e ID.2 podem acabar com o Polo na Europa

Um deles será um compacto urbano, o outro um hatch compacto elétrico e ambos serão baseados na plataforma modular MEB

Por Isadora Carvalho Atualizado em 30 nov 2020, 17h57 - Publicado em 30 nov 2020, 17h56
O ID.1 e ID.2 terão a mesma plataforma do ID.3
Divulgação/Volkswagen

A Volkswagen pretende lançar um novo carro elétrico com preço abaixo dos 20.000 euros (R$ 127.686) em 2023. Você deve estar pensando, e com razão, que esse é um plano ousado. Porém, o caminho da eletrificação parece uma rota sem volta e a marca alemã mostra seu empenho com o lançamento dos elétricos ID.3 e ID.4, e a compra da JAC Motors

O CEO da Volkswagen, Ralf Brandstätter, disse em entrevista que a marca alemã trabalha em conceitos para segmentos menores e que essas categorias de entrada são muito importantes.

O “carro elétrico do povo” também será baseado na plataforma MEB, a mesma do ID.3 e ID.4. E é dela que deve derivar tanto um veículo urbano, que deverá ser batizado de ID.1 com preço estimado em 20.000 euros, quanto um hatch com autonomia maior, a ser chamado de ID.2 e comercializado por a partir de 25.000 euros.

Black Friday na Quatro Rodas! Clique aqui e assine por apenas R$ 7,90

O compacto deve ter tamanho e autonomia menores que o ID.3
Divulgação/Volkswagen

Espera-se que os dois novos modelos elétricos cheguem ao mercado até 2023 e que sejam antecipados por um conceito previamente. Eles serão peça-chave para que a Volkswagen alcance a marca de 500.000 carros elétricos vendidos anualmente até 2025. 

Continua após a publicidade

Este tem sido um grande objetivo para a VW, que ao oferecer um carro elétrico tão acessível ajudará muito os seus objetivos de vendas de longo prazo e também atingir as metas de emissões de poluentes.

  • Por outro lado, essa estratégia pode por fim a um dos nomes mais antigos da marca. Se o ID.1 seria algo como um substituto do e-Up!, o ID.2 colocaria em xeque a continuidade do Polo, pelo menos na Europa.

    O movimento certamente começará pelo fim das versões esportivas, pois os motores mais potentes também emitem mais e é muito mais fácil alcançar um melhor desempenho com motores elétricos. E o carro elétrico já começa a ganhar incentivos importantes na Europa, seja pela liberdade de circulação ou de impostos. E a tendência é que a produção em larga escala torne os elétricos cada vez mais baratos.

    Algumas marcas encontrarão formas de manter seus nomes mais fortes e antigos. É o caso da Peugeot, que vende o novo 208 com motores a combustão e elétrico. Mas a Volkswagen caminha para abrir mão do nome Polo, que já tem 45 anos de história, pouco a pouco. 

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa 739

    Continua após a publicidade
    Publicidade