Clique e assine por apenas 8,90/mês

Em um ano, Ford perde fábrica, seis modelos, todos os caminhões e 43 lojas

Em crise global que parece ainda mais acentuada no Brasil, marca americana perde espaço e aposta em futuros lançamentos para se reerguer nos próximos anos

Por Leonardo Felix - Atualizado em 27 jun 2020, 15h33 - Publicado em 4 Maio 2020, 07h00

A Ford não vive um momento fácil no mundo: é uma das marcas generalistas com mais dificuldade em gerar lucro por unidade vendida e, por isso, vem abandonando os segmentos de carros de passeio para apostar pesado em SUVs, picapes e utilitários.

Mas sua situação parece ainda mais complicada no Brasil. Por aqui, nos últimos 15 meses, a fabricante de origem americana vem acumulando uma série de notícias negativas em nosso mercado.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

A mais recente delas foi a morte do Fusion, modelo que já foi o sedã grande mais vendido do país e responsável por ser o carro que conferia status à marca do oval azul.

Continua após a publicidade

Mas esta foi apenas a ponta do iceberg. Além dele, em junho do ano passado a companhia encerrou de uma só vez a produção do Fiesta em São Bernardo do Campo (SP) e a importação da família Focus (hatch e sedã), que vinha da Argentina.

Sedã grande Fusion é a mais recente baixa da operação da Ford no Brasil Divulgação/Ford

Em janeiro de 2019, já havia finalizado as vendas do Fiesta Sedan, trazido do México. E, em maio, deixara de oferecer a configuração flex da picape Ranger. No total, são seis produtos a menos no país.

Ou seja: num período de pouco mais de um ano, a Ford enxugou pela metade sua gama de carros novos, ficando apenas com outros seis modelos: Ka, Ka Sedan, EcoSport, Ranger diesel, Mustang e Edge.

Família Ka responde, atualmente, por 3/4 de todas as vendas da Ford no Brasil Christian Castanho/Quatro Rodas

E olha que, no caso do suvão Edge, a opção foi cancelar a vinda de qualquer versão de caráter civil, deixando em linha apenas a esportiva ST, que tem índices inexpressivos de emplacamentos (menos de 100 exemplares no primeiro trimestre de 2020).

Tanto que ele sequer aparece nos rankings do ano da Fenabrave, a associação nacional dos concessionários. Entre os demais, apenas os membros da família Ka constam entre os 20 primeiro, sendo responsáveis por 74% de todas as vendas. Confira:

Continua após a publicidade
Modelo Unidades vendidas (1º tri 2020)
Ka 22.620
Ka Sedan 9.827
EcoSport 6.727
Ranger diesel 4.513
Mustang 125
Edge ST No máximo 92

 

E se a família Ka responde por praticamente três em cada quatro Ford vendidos atualmente no Brasil, há quem diga que nem hatch nem sedã dão lucro à empresa, o que torna o cenário ainda mais complicado.

Ao mesmo tempo, uma das apostas mais recentes da operação, o EcoSport sem estepe, jamais chegou perto de embalar nas vendas.

Grande aposta da Ford em 2019, Ka Titanium runflat passou longe de empolgar o consumidor Divulgação/Ford

Mas o mais impressionante talvez tenha sido a decisão de fechar fábrica do ABC Paulista, deixandio mais de 3.000 funcionários sem emprego.

Como consequência, a Ford Caminhões, divisão de utilitários pesados da marca que operava no Brasil desde 1957, foi descontinuada. De uma só vez, todos os modelos das famílias Cargo e Série F deixaram o mercado.

Continua após a publicidade
Em 2019, Ford também abandonou integralmente a produção e o mercado de caminhões Divulgação/Ford

Um reflexo do momento vivido pela marca no país é que a Ford foi a única das consideradas “quatro grandes” do setor automotivo nacional a registrar queda nas vendas em 2019.

Enquanto Chevrolet, Fiat e Volkswagen cresceram, respectivamente, 9,54%, 12,4% e 12,56%, todas com saldo de emplacamentos positivo em mais de 40.000 veículos com relação a 2018, a Ford baixou de 226.437 para 218.426 unidades vendidas, queda de 3,53%.

Resultado: a Ford viu sua rede concessionária cair de 365 para 322 pontos, um recuo de 43 revendas ou 11,8%, e perdeu o posto de quarta marca automotiva mais popular do país para a Renault.

Esperanças de retomada

Empresa deposita grandes esperanças na terceira geração do EcoSport João Kleber Amaral/Quatro Rodas

As esperanças de volta aos bons dias passam por uma série de produtos, quase todos SUVs e picapes, que serão lançados no Brasil nos próximos anos e devem repopular sua linha de produtos novos.

Ainda este ano será lançado o Territory, importado da China e com um peculiar motor 1.5 turbo flex de ciclo Miller. Em 2021 devem chegar o Bronco Sport, substituto direto do Fusion em faixa de preço, e o Escape híbrido, que ocupará o lugar do Fusion Hybrid.

Continua após a publicidade
Territory será o primeiro da leva de novos produtos a chegar, ainda este ano Divulgação/Ford

Em 2022 o país deve receber o projeto Courier, picape compacta-média criada para brigar diretamente com a Fiat Toro.

Entre os nacionais, a marca apostará pesado na nova geração do EcoSport (projeto BX755), já desvelada em primeira mão por QUATRO RODAS e que deve ganhar vida no final de 2021.

Picape compacta-média Courier vem em 2022 Projeção/MotorTrend/Reprodução

Além disso, há dois SUVs de porte médio no radar, os projetos BX784 (convencional) e BX785 (caimento estilo cupê), que serão lançados em 2022. Os três serão produzidos em Camaçari (BA).

Já o Ka não deve ganhar nova geração. Em vez disso, a Ford deve apostar em estratégia similar áquela aplicada pela Hyundai no HB20: uma reestilização profunda de hatch e sedã, incluindo pequenas mudanças estruturais e nas dimensões.

Mas isso deve ficar só para 2023 (com chances de que o compacto recebe mudanças pequenas nesse ínterim).

Continua após a publicidade

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Publicidade