Clique e assine por apenas 8,90/mês

Segredo: (falta de) força do Ford Territory 1.5 turbo preocupa engenheiros

Fontes relatam que o SUV será vendido no país com propulsor turbo preparado para ser flex. O problema é que ele opera em ciclo Miller

Por Leonardo Felix - Atualizado em 26 nov 2019, 09h04 - Publicado em 26 nov 2019, 07h00
Territory virá da China com motor 1.5 turbo flex de ciclo Miller Divulgação/Ford

A Ford já confirmou que vai lançar no Brasil em 2020 o SUV médio Territory, que virá inicialmente importado da China e, num futuro não muito distante, passará a ser produzido na Argentina.

O projeto é uma resposta rápida, quase uma dose de adrenalina aplicada pela fabricante, a fim de conter a brusca perda de participação e rentabilidade no mercado brasileiro nos últimos anos.

Mas a imposição da matriz sobre a filial sul-americana quanto ao lançamento do modelo, potencializada pela pressão de concessionários, tem causado muitas dores de cabeça internas.

Isso porque, segundo fontes ouvidas por QUATRO RODAS, o Territory parece não estar no patamar que os engenheiros locais gostariam para encarar rivais como Jeep Compass, VW Tiguan, Hyundai Tucson, Caoa Chery Tiggo 7 e afins.

Continua após a publicidade
O SUV disputará a faixa de preço acima dos R$ 120 mil Divulgação/Ford

Um informante apontou há algum tempo que “havia detalhes que estavam deixando os engenheiros preocupados quanto às limitações do modelo”, sem detalhar em que área do projeto teria sido detectado o problema.

Outra fonte pode agora ter desfeito o enigma: “O motor é o mesmo 1.5 turbo a gasolina da China, que aqui transformaram para flex. Os engenheiros que estão fazendo os testes dizem que ele é fraco demais. Estão apavorados”, relatou.

QUATRO RODAS já testou em primeira mão o Territory 1.5 turbo na China. Ele rende 145 cv de potência e 22,9 mkgf de torque, e está acoplado a um câmbio CVT. Tais dados devem aumentar ligeiramente após a preparação para receber etanol.

Já testamos o Territory na China Marcello Oliveira/Quatro Rodas

São números inferiores aos 150 cv e 25,5 mkgf do VW Tiguan 250 TSI, por exemplo, assim como em relação aos 166 cv do Jeep Compass 2.0 flex, embora este último renda apenas 20,5 mkgf de torque.

Continua após a publicidade

A grande questão é que o propulsor do Territory não opera em ciclo Otto, comum em qualquer veículo a combustão. Seu ciclo, na verdade, é o Miller.

Nele, o tempo de acionamento das válvulas de admissão é retardado para que elas se fechem quando o pistão já está voltando em direção ao cabeçote, e não quando chega ao ponto-morto inferior. Já explicamos aqui o conceito.

Com isso, parte da mistura volta ao coletor de admissão e a expansão fica maior que a compressão. Isso contribui para uma maior eficiência energética, mas compromete o desempenho.

Territory flagrado na região norte do país pelo parceiro Autos Segredos Julio Max/Auto Realidade/Internet

Estamos falando de uma espécie de meio termo entre Otto e Atkinson, e cuja sobrealimentação por turbo funciona quase que como uma compensação.

Continua após a publicidade

A Ford da China aplicou tudo isso em um motor baseado na família Orion, da Mitsubishi, lançada no final dos anos 70. É um motor conhecido no Japão pela longevidade.

No caso de um SUV de 1,5 tonelada que custará acima de R$ 100.000, em que economia em consumo não fala tão alto quanto em segmentos inferiores, ganhar a pecha de carro “manco” pode não ser um bom cartão de visitas. Esta é a grande preocupação dos engenheiros.

Por isso mesmo, e também para evitar qualquer falha similar à que ocorreu com o Chevrolet Onix Plus, o time de desenvolvimento da Ford tem rodado com protótipos do Territory em regiões quentes e secas do país, como o estado do Piauí (justamente onde dois Onix Plus pegaram fogo).

A ver se a fabricante conseguirá driblar a questão até a produção regional do utilitário, quando a Ford talvez tenha mais liberdade para aplicar outras configurações ao modelo, como o 2.0 Duratec de 176 cv do EcoSport Storm e do extinto Focus.

Publicidade