Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Segredo: (falta de) força do Ford Territory 1.5 turbo preocupa engenheiros

Fontes relatam que o SUV será vendido no país com propulsor turbo preparado para ser flex. O problema é que ele opera em ciclo Miller

Por Leonardo Felix
Atualizado em 26 nov 2019, 09h04 - Publicado em 26 nov 2019, 07h00
Territory virá da China com motor 1.5 turbo flex de ciclo Miller (Divulgação/Ford)

A Ford já confirmou que vai lançar no Brasil em 2020 o SUV médio Territory, que virá inicialmente importado da China e, num futuro não muito distante, passará a ser produzido na Argentina.

O projeto é uma resposta rápida, quase uma dose de adrenalina aplicada pela fabricante, a fim de conter a brusca perda de participação e rentabilidade no mercado brasileiro nos últimos anos.

Mas a imposição da matriz sobre a filial sul-americana quanto ao lançamento do modelo, potencializada pela pressão de concessionários, tem causado muitas dores de cabeça internas.

Continua após a publicidade

Isso porque, segundo fontes ouvidas por QUATRO RODAS, o Territory parece não estar no patamar que os engenheiros locais gostariam para encarar rivais como Jeep Compass, VW Tiguan, Hyundai Tucson, Caoa Chery Tiggo 7 e afins.

O SUV disputará a faixa de preço acima dos R$ 120 mil (Divulgação/Ford)

Um informante apontou há algum tempo que “havia detalhes que estavam deixando os engenheiros preocupados quanto às limitações do modelo”, sem detalhar em que área do projeto teria sido detectado o problema.

Continua após a publicidade

Outra fonte pode agora ter desfeito o enigma: “O motor é o mesmo 1.5 turbo a gasolina da China, que aqui transformaram para flex. Os engenheiros que estão fazendo os testes dizem que ele é fraco demais. Estão apavorados”, relatou.

QUATRO RODAS já testou em primeira mão o Territory 1.5 turbo na China. Ele rende 145 cv de potência e 22,9 mkgf de torque, e está acoplado a um câmbio CVT. Tais dados devem aumentar ligeiramente após a preparação para receber etanol.

Já testamos o Territory na China (Marcello Oliveira/Quatro Rodas)

São números inferiores aos 150 cv e 25,5 mkgf do VW Tiguan 250 TSI, por exemplo, assim como em relação aos 166 cv do Jeep Compass 2.0 flex, embora este último renda apenas 20,5 mkgf de torque.

A grande questão é que o propulsor do Territory não opera em ciclo Otto, comum em qualquer veículo a combustão. Seu ciclo, na verdade, é o Miller.

Nele, o tempo de acionamento das válvulas de admissão é retardado para que elas se fechem quando o pistão já está voltando em direção ao cabeçote, e não quando chega ao ponto-morto inferior. Já explicamos aqui o conceito.

Continua após a publicidade

Com isso, parte da mistura volta ao coletor de admissão e a expansão fica maior que a compressão. Isso contribui para uma maior eficiência energética, mas compromete o desempenho.

Territory flagrado na região norte do país pelo parceiro Autos Segredos (Julio Max/Auto Realidade/Internet)

Estamos falando de uma espécie de meio termo entre Otto e Atkinson, e cuja sobrealimentação por turbo funciona quase que como uma compensação.

Continua após a publicidade

A Ford da China aplicou tudo isso em um motor baseado na família Orion, da Mitsubishi, lançada no final dos anos 70. É um motor conhecido no Japão pela longevidade.

No caso de um SUV de 1,5 tonelada que custará acima de R$ 100.000, em que economia em consumo não fala tão alto quanto em segmentos inferiores, ganhar a pecha de carro “manco” pode não ser um bom cartão de visitas. Esta é a grande preocupação dos engenheiros.

Por isso mesmo, e também para evitar qualquer falha similar à que ocorreu com o Chevrolet Onix Plus, o time de desenvolvimento da Ford tem rodado com protótipos do Territory em regiões quentes e secas do país, como o estado do Piauí (justamente onde dois Onix Plus pegaram fogo).

Continua após a publicidade

A ver se a fabricante conseguirá driblar a questão até a produção regional do utilitário, quando a Ford talvez tenha mais liberdade para aplicar outras configurações ao modelo, como o 2.0 Duratec de 176 cv do EcoSport Storm e do extinto Focus.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.