Clique e assine por apenas 5,90/mês

Honda WR-V 2021 muda para se descolar do Fit e se afirmar SUV compacto

O SUV compacto da Honda ganha fôlego na linha 2021 com nova versão de entrada, visual mais moderno e mais equipamentos de segurança

Por Isadora Carvalho - Atualizado em 6 out 2020, 21h55 - Publicado em 7 out 2020, 07h00
O modelo 2021 ganhou novos faróis com projetores em LED Divulgação/Honda

Estar entre os carros com melhor valor de revenda do Brasil é um título que deve ser ostentado por qualquer veículo. A premiação promovida por QUATRO RODAS em parceria com a KBB Brasil destacou os modelos que alcançaram os menores índices de desvalorização. O Honda WR-V foi eleito como o SUV compacto que menos desvaloriza em um ano.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

Com 26% de queda, o preço da opção EX CVT variou de R$ 82.500 a R$ 60.768 em 12 meses. Já no nosso Melhor Compra deste ano o modelo recebeu o terceiro lugar na categoria aventureiros. Bom, não há dúvidas de que o Honda WR-V tem boa reputação e é reconhecidamente uma boa escolha no mercado.

Há uma nova grade frontal, com desenho horizontal e área cromada afilada Divulgação/Honda

Mas, as perguntas que ficam são: Ele conseguiu se descolar da imagem do Fit? Está mais pra um aventureiro ou um SUV compacto?

A resposta para primeira pergunta é positiva, pois mesmo compartilhando a plataforma com o Fit e tendo sido apelidado de Fit anabolizado, muscoloso e aventureiro na ocasião de seu lançamento em 2017, o WR-V ganhou importância entre os SUVs da Honda, representando 22% das vendas entre eles.

A segunda questão pode ser resolvida tecnicamente, já que o modelo é considerado um SUV nas normas do Inmetro graças aos seus ângulos de ataque, saída e altura livre do solo, assim como, a suspensão elevada, capô mais alto e para-choques mais robustos.

Divulgação/Honda

Na linha 2021, o WR-V literalmente ganhou um banho de loja com o visual renovado e equipamentos de conforto e segurança. A outra novidade é a adoção de uma nova versão de entrada, a LX, que chega por R$ 83.400.

Nessa faixa de preço, briga diretamente com o Hyundai Creta Action 1.6 AT, de R$ 81.990, e até com o Volkswagen Nivus Comfortline, que sai por R$ 87.350.

Interior recebeu acabamento em black piano e molduras cromadas Honda/Divulgação

Desde a versão entrada o WR-V vem bem completo com ar-condicionado, direção assistida eletricamente, vidros elétricos nas quatro portas e retrovisores elétricos.

Continua após a publicidade

Há, ainda, câmera de ré, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa e sensor crepuscular. A central multimídia com Android Auto e Apple Car Play está disponível apenas no andar de cima, nas versões EX e EXL, de R$ 90.300 e R$ 94.700, respectivamente.

Divulgação/Honda

Elas tiveram incremento de R$ 2.100 em relação ao modelo anterior, mas ficaram mais completas. A versão EX já somava ar-condicionado digital e central multimídia de 7 polegadas – que funciona bem, mas não tem das interfaces mais intuitivas do mercado – e agora incorporou borboletas para trocas sequenciais, airbags laterais, sensores de estacionamento traseiros e dois tweeters adicionais aos quatro alto-falantes.

Além de todos os itens acima, a versão EXL possui ainda bancos em couro, navegador GPS, retrovisores eletricamente rebatíveis, sensores de estacionamento dianteiros e seis airbags, com a adição dos laterais do tipo cortina.

As lanternas são em led nas versões EX e EXL Divulgação/Honda

Casamento de sucesso

O conjunto motor e câmbio são os mesmos. Trata-se do 1.5 i-VTEC FlexOne que gera 116 cv de potência e torque de 15,3 kgfm a 4.800 rpm, sempre aliado com câmbio CVT.

A transmissão recebeu um ajuste na programação eletrônica pela mudança no perfil de pneus que agora adotam medida 195/60 R16. A intenção foi proporcionar mais fôlego nas arrancadas.

O novo para-choque é 6,7 cm mais comprido com a intenção de conferir um aspecto mais robusto Divulgação/Honda

Na experiência que tivemos com o WR-V na pista da Honda em Sumaré pudemos perceber o SUV mais esperto também nas retomadas e que a ergonomia e conforto ao dirigir são pontos a favor do compacto. Tanto a potência quanto o torque são entregues no giro mais alto do motor tornando-o mais ruidoso ao pisar mais fundo no pedal do acelerador.

Atributos como amortecedores próprios, eixo traseiro mais rígido, o curso maior da suspensão permitem uma condução bem confortável e livre dos solavancos que podem ser provocados pelas ruas esburacadas, cada vez mais presentes em nossas cidades.

Ficha técnica

  • Motor: flex., diant., transv., 4 cil. em linha, 1.497 cm3, 16V, 73 x 89,4 mm, 11,4:1, 116/115 cv a 6.000 rpm, 15,3/15,2 mkgf a 4.800 rpm
  • Câmbio: aut., CVT, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson(diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: disco vent. (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 195/60 R16
  • Dimensões: comp.,400 cm; largura, 173,4 cm; altura, 159,9 cm; entre-eixos, 255,5 cm; tanque, 45,7 l; porta-malas, 363 l

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

 

Continua após a publicidade
Publicidade