Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Líder de vendas em 2020, Chevrolet confirma carros inéditos para o Brasil

Após mudar estratégia no Brasil e congelar investimentos, GM ressuscita aporte e terá novos carros até 2024

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 5 jan 2021, 13h05 - Publicado em 5 jan 2021, 13h01
Chevrolet Onix
Divulgação/Chevrolet

Além de paralisar a produção e as vendas de automóveis no Brasil, a pandemia da covid-19 também fez com que muitos fabricantes congelassem seus planos de investimento. A General Motors estava entre elas, mas já afirmou que os investimentos planejados antes da pandemia estão sendo retomados.

A decisão foi comunicada após a Chevrolet ser, pelo quinto ano consecutivo, a marca que mais vendeu automóveis no Brasil. Em 2020, foram 338.549 unidades de automóveis e comerciais leves emplacadas, 17,35% do mercado brasileiro.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 6,90

Os aportes somam R$ 10 bilhões apenas no Estado de São Paulo e foram anunciados no início de 2019, com efeito entre 2020 e 2024. A fabricante não informou se esse prazo de investimento será prorrogado. 

De acordo com a fabricante, esse montante é estratégico para o desenvolvimento e a produção de veículos inéditos, além da ampliação da oferta de equipamentos, como o OnStar e o Wi-Fi nativo – que tiveram sua aplicação reduzida na família Onix em 2020.

Continua após a publicidade
  • Nova Montana
    Picape compacta-média da GM terá visual inspirado no conceito FNR-X Du Oliveira/Quatro Rodas

    Entre esses carros inéditos com produção prevista para as fábricas da marca em São Paulo estavam o novo Tracker e a reestilização de S10 e TrailBlazer, lançados em 2020. Mas ainda resta o misterioso Projeto Twins: seria uma picape para substituir a Montana, possivelmente com cabine dupla e quatro portas para rivalizar com a Fiat Toro, além de um crossover de sete lugares que substituiria o Spin, ambos derivados da mesma variação da plataforma GEM, a mesma de Onix e Tracker.

    Impactos na estratégia da marca

    O novo coronavírus também fez com que a Chevrolet mudasse sua estratégia para o Brasil. A marca deixou de lado as vendas para frotistas e locadoras, focando seus esforços nas vendas para pessoas físicas. Os esforços nesse sentido foram notáveis, mas também houve mudanças na linha de produtos.

    Joy
    Divulgação/Chevrolet

    Ainda no primeiro semestre de 2020 a Chevrolet decidiu que não produziria tanto as versões mais baratas de seus carros. Os Onix Joy, hatch e sedã, perderam a versão básica e passaram a vender cada vez menos. O Onix de nova geração, por sua vez, perdeu equipamentos em suas versões básicas e intermediárias na linha 2021.

  • O Chevrolet Tracker, por sua vez, teve mudanças na linha apenas seis meses depois do lançamento. Em resumo, a fabricante enxugou a gama de versões com motor 1.2 turbo, agora restrito à versão topo de linha Premier. E mesmo esta também ganhou opção de motor 1.0 turbo. O modelo também não tem mais versão dedicada ao público PcD.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa Quatro Rodas 740

    Continua após a publicidade
    Publicidade