Clique e assine por apenas 8,90/mês

Veja os detalhes de BMW X3 e Volvo XC40 em realidade virtual

Volvo XC40 e o BMW X3 mostram como as fábricas criaram soluções diferentes para uma área do carro que é cada vez mais valorizada

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 12 jul 2018, 21h12 - Publicado em 22 jun 2018, 16h31
O novo X3 e o xC40 impressionam por fora e por dentro Leo Sposito/Quatro Rodas

Uma pesquisa feita pela consultoria CSA Research em 2017 revelou que o brasileiro passa quatro anos e 11 meses dentro do carro ao longo de sua vida – mais do que europeus e até chineses.

E o futuro não é bom. Os engarrafamentos vêm aumentando na mesma proporção que o custo de morar perto do trabalho.

Isso significa que é grande a chance de muita gente passar mais tempo vendo um conta-giros e o rádio do seu carro do que descansando em sua casa.

Enquanto os carros autônomos não chegam, os fabricantes vêm buscando diferentes soluções para transformar o interior dos veículos em algo mais próximo da sala de estar.

Isso envolve aumentar (e melhorar) porta-trecos, trabalhar a iluminação interior e até reposicionar itens tão tradicionais como os alto-falantes.

Para mostrar a evolução das cabines automotivas, QUATRO RODAS convocou dois lançamentos do crescente segmento de SUVs.

O Volvo XC40 e o novo BMW X3 têm propostas – e preços – distintos, mas a meta é a mesma: tornar as horas gastas nos deslocamentos das grandes cidades menos desgastantes.

Continua após a publicidade
O BMW X3 tem mais superfícies metálicas no interior Leo Sposito/Quatro Rodas

E, pela primeira vez na história de uma revista, você poderá entrar nessas cabines com a gente. Uma parceria com a empresa NerdMonster permitirá que, por meio da tecnologia de realidade virtual, qualquer um possa se sentir como se estivesse dentro do tecnológico X3 ou do ousado XC40.

Veja abaixo como é o luxuoso interior do X3:

E a ousada cabine do XC40:

Apesar de não termos deixado de lado nossa análise tradicional, nesta matéria especial nos concentramos onde, para muita gente, é mais importante.

A evolução dos materiais e dos equipamentos não apresenta um desafio apenas para as fabricantes generalistas, que precisam deixar seus carros cada vez mais equipados.

O Cuidado com a cabina do Volvo está em detalhes como o multimídia voltado para o condutor e o novo conector USB Leo Sposito/Quatro Rodas

Em um mundo onde até o Renault Kwid tem navegador GPS e câmera de ré, você precisa oferecer muito mais a quem está disposto a pagar R$ 214.950. E olha que o preço sugerido para o Volvo XC40 T5 R-Design nem parece tão alto diante dos R$ 397.950 cobrados pelo novo BMW X3 M40i.

Um ponto interessante é que, apesar do degrau gigantesco de custo, tamanho e potência, a dupla usa de forma inteligente algo tão trivial quanto destrancar o carro: luzes e cores.

Continua após a publicidade

Multicolorido

Há chave presencial nos dois, mas quem se dispor a apertar o botão para destrancar as portas se sentirá bem recepcionado no XC40, que ilumina as quatro maçanetas com uma suave luz branca. Um detalhe charmoso que contrasta com o show da versão topo de linha do X3.

LEDs embutidos nas maçanetas reforçam a sensação de requinte do modelo à noite Leo Sposito/Quatro Rodas

Luzes sob os retrovisores projetam grandes linhas que iluminam o chão por toda a lateral do BMW. Elegante e sem o exagero de modelos que projetam a logomarca do veículo no piso.

Luzes iluminam a lateral quando as portas são destrancadas Leo Sposito/Quatro Rodas

Leds espalhados pela cabine proporcionam uma iluminação indireta à altura de restaurantes de luxo. Ambos possibilitam que o condutor escolha diferentes cores, mas o XC40 tem um charme a mais.

O SUV sueco permite que o interior seja iluminado com tons mais frios ou quentes de acordo com o ar-condicionado: se a temperatura estiver baixa, as luzes podem ficar azuladas para melhorar o conforto visual.

Detalhe em led no painel Leo Sposito/Quatro Rodas

O X3 mostra o cuidado com seus olhos em outro ponto. A iluminação dos botões de aúdio e do ar-condicionado muda conforme o horário. Branca e clara de dia, alaranjada e mais escura de noite.

Os próprios comandos são um pequeno requinte, pois, apesar de serem físicos, são sensíveis ao toque. Ou seja, para saber qual rádio ou função está memorizada na posição 1, basta tocar no comando.

O XC40 repetiu muitos recursos dos XC90, mas nem todos são exatamente práticos – caso da alavanca de câmbio, pouco intuitiva e com modo de trocas sequenciais para a esquerda e direita, em desuso na indústria.

Continua após a publicidade
Interior do Volvo XC40 Divulgação/Volvo

Mas o ótimo sistema multimídia Sensus compensa essa deficiência. Ele é tão prático que até o menos versado nas tecnologias entenderá o funcionamento simples do equipamento, diretamente inspirado nos tablets. A maior inovação do sistema de som do XC40, porém, não está visível.

A Volvo optou por tirar os alto-falantes inferiores das portas dianteiras para criar um gigantesco porta-trecos. Os equipamentos agora estão posicionados dentro do painel e reverberam o som através de pequenas saídas de ar nas laterais do console.

Os macios bancos de couro têm ajuste elétrico e memória para o motorista Leo Sposito/Quatro Rodas

A BMW não ousou tanto no X3, mas ouviu a voz do povo. O sistema multimídia finalmente ganhou tela sensível ao toque – apesar da versão vendida no Brasil não ter o controle por gestos presente no Série 7.

Os matérias mais escuros da cabine do X40 não reduziram a sensação e espaço Leo Sposito/Quatro Rodas

A dupla repete a tendência da digitalização de tudo o que for possível e substituiu o tradicional quadro de instrumentos por uma grande tela customizável. Mas é interessante ver como, ainda assim, o conservadorismo se faz presente.

XC40 manteve o tradicional velocímetro circular Leo Sposito/Quatro Rodas

Enquanto modelos acessíveis como o VW Virtus permitem a inclusão do mapa do GPS por toda a tela, XC40 e X3 conservam sempre à vista o tradicional velocímetro circular. No caso do BMW, até as bordas arredondadas do cluster foram mantidas, simulando um painel convencional.

Velocímetro BMW X3 simulando um painel convencional Leo Sposito/Quatro Rodas

Por outro lado, os alemães parecem ter reinventado a câmera de ré. A versão M40i usa quatro câmeras para fornecer uma visão de 360 graus do carro, mostrando inclusive uma versão virtual do X3 na tela central. E, para oferecer a melhor visão possível, as câmeras frontais e traseira são capazes de virar junto do volante.

O porta-malas de 460L e tampa elétrica na versão R-Design Leo Sposito/Quatro Rodas

As duas marcas também tiveram cuidado especial com quem senta atrás. O controle do ar-condicionado traseiro do X3 permite ajustar temperatura e até escolher entre os difusores centrais ou sob os bancos.

Continua após a publicidade
O estepe reduz o volume do porta-malas em 100L Leo Sposito/Quatro Rodas

O XC40 não tem esse tipo de requinte, mas a saída USB do tipo C é ainda mais ousada. Ela trabalha com uma corrente elétrica mais alta, o que faz do XC40 um dos poucos carros do Brasil capazes de carregar um notebook só com um cabo USB.

O problema é que hoje essa saída, menor, é pouco usada em equipamentos eletrônicos e não é compatível com o USB comum.

Falta de ventilação e massagem nos bancos traseiros Leo Sposito/Quatro Rodas
Cabine boa para quatro adultos Leo Sposito/Quatro Rodas

Fôlego de esportivo

Falta a esses dois SUVs alguns mimos muito úteis nos intermináveis engarrafamentos, como bancos com massagem e ventilação. Mas os sistemas de condução semiautônoma da dupla se mostraram evoluídos a ponto de tornar o anda e para mais confortável, pois ambos são capazes de seguir o carro à frente sem grandes dificuldades.

Os matérias mais escuros da cabine do X40 não reduziram a sensação e espaço Leo Sposito/Quatro Rodas
Os macios bancos de couro têm ajuste elétrico e memória para o motorista Leo Sposito/Quatro Rodas

Volvo e BMW tratam bem seus ocupantes nos engarrafamentos dos dias de semana, e são ainda melhores aos sábados e domingos. O 2.0 com turbo e compressor do XC40 gera 252 cv, suficientes para ir de 0 a 100 km/h em 7,5 s.

Motor com seis cilindros 24v, turbo, 360cv Leo Sposito/Quatro Rodas

A força é dosada por um câmbio automático convencional de oito marchas, que permitiu um consumo de moderados 8,7 km/l no ciclo urbano e 12,3 km/l no rodoviário.

Compará-lo ao X3, porém, seria injustificável. A versão M40i (que é R$ 83.000 mais cara que o XC40) é a mais potente, equivalente à linha S da Audi e 43 da Mercedes.

Câmbio automático convencional de oito marchas Leo Sposito/Quatro Rodas

Seu 3.0 seis cilindros turbo alcança 360 cv e 51 mkgf, que, como no Volvo, são levados às quatro rodas por uma transmissão de oito marchas. No nosso teste, o X3 fez o 0 a 100 km/h em ótimos 4,9 s, índice inferior a muito esportivo.

Continua após a publicidade

A versão M40i tem um desempenho tão impressionante que quase dá para esquecer a utilidade do modo Eco e do contador de tempo que registra o período em que o motor ficou desligado para poupar combustível.

Só que a tendência é que passaremos boa parte daqueles quatro anos atrás do volante indo em baixa velocidade até o semáforo mais próximo.

Nesse cenário pouco animador, nada melhor do que um carro que seja quase tão confortável quanto a sua casa.

E a boa notícia é que essas aconchegantes cabines vão ficar cada vez mais próximas da sua garagem.

Teste 

BMW X3 Volvo XC40
Aceleração de 0 a 100 km/h 4.9 s 7,5 s
Aceleração de 0 a 1000 m 24,1 s- 218,2 km/h 28,4s- 184,4 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h 2,2 s 3,5 s
Retomada de 60 a 100 km/h 2,7 s 4,2 s
Retomada de 80 a 120 km/h 3,3 s 5 s
Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0 16,7/27,2/62m 15,7/26,9/62,5 m
Consumo urbano 7,8 km/l 8,7 km/l
Consumo rodoviário 11,2 km/l 12,3 km/l

Ficha Técnica

BMW X3 M40i Volvo XC40 T5
Motor gasolina, diant., long., seis cilindros em linha, 2.998 cm3, 24V, turbo, 360 cv a 5.500  rpm, 51 mkgf  a 1.520 rpm gas., diant., trans., quatro cilindros em linha, 1.969 cm3, 16V, turbo e compressor, 252 cv a 5.500 rpm, 35,7 mkgf a 1.500 rpm
Câmbio automático, 8 marchas,  tração integral automático,  8 marchas,  tração integral
Suspensão McPherson (diant.), multibraço (tras.) McPherson (diant.)  e multibraço (tras.)
Freios discos  vent. (diant. e tras.) disco  vent. (diant.) e disco sólido (tras.)
Direção elétrica, diâm. de giro 12,1 m elétrica, diâm. de giro 11,4 m
Rodas e pneus

 245/40
R21 (diant.), 275/35 R21 (tras.)

245/45 R20
Dimensões compr., 471,6 cm; larg., 189,7 cm; alt.,  167,6 cm; entre- -eixos, 286,4 cm; peso, 1.930 kg;  tanque, 65 l; porta-malas, 450 l compr., 442,5 cm; largura, 186,3 cm; alt.,  165,2 cm; entre- -eixos, 270,2 cm; peso, 1.733 kg;  tanque, 54 l; porta-malas, 460 l
Preço R$ 397,950 R$ 214,950

 

Publicidade