Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões: novo Honda Accord ganha motor turbo e condução semiautônoma

Com 256 cv de potência e mais equipamentos de série, a nova geração do sedã já está à venda por R$ 198.500

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 28 nov 2018, 18h26 - Publicado em 28 nov 2018, 17h20
Novidade já está à venda no Brasil por R$ 198.500 Divulgação/Honda

O Honda Accord está à venda no Brasil e terá uma difícil missão: atrair a clientela de Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes Classe C – todos abaixo dos R$ 198.500 cobrados pelo novato.

QUATRO RODAS comparou há pouco tempo os dois principais concorrentes, Passat e Camry, que também têm esse mesmo objetivo. E o Volkswagen teve o melhor custo/benefício.

Modelo ficou mais baixo, menor e mais larga que antes Divulgação/Honda

Retornando ao lançamento, essa geração do sedã ganhou 5,5 cm no entre-eixos (com 2,83 m), apesar de 1,4 cm mais curto que antes. Além disso, o porta-malas aumentou 68 litros.

Faróis são totalmente de leds Divulgação/Honda

Isso significa que há bom espaço para todos a bordo. Com banco dianteiro ajustado para mim, de 1,78 m, pude sentar na segunda fileira e manter os joelhos a dois palmos do encosto.

Lanternas mantém formato bumerangue do Civic Divulgação/Honda

O motor também mudou: em vez do antigo V6 3.5, a Honda preferiu o 2.0 turbo com 256 cv de potência e 37,7 mkgf de torque. Ou seja, 24 cv a menos e 3,1 mkgf a mais que o antecessor.

Motor 2.0 turbo utiliza o mesmo bloco do Civic Type-R Divulgação/Honda

O câmbio automático com dez marchas – quatro mais que na última geração – tem trocas por borboletas atrás do volante e comandos por botões no console (ao estilo Uno Dualogic).

Cabine tem superfícies emborrachadas Divulgação/Honda

Só não pense que falta fôlego ao novo Accord. Pelo contrário: pela categoria à qual pertence e à origem norte-americana, o ajuste mais esportivo do modelo surpreende positivamente.

Câmbio automático tem acionamento por botões Divulgação/Honda

Para fazer uma analogia mais próxima à realidade brasileira, comparar o Accord ao Camry seria como colocar Civic e Corolla lado a lado – se você gosta de dirigir, escolherá o primeiro.

Quandro de instrumentos é parcialmente digital: lado esquerdo é configurável Divulgação/Honda

No primeiro contato com a novidade, viajamos de Itu (SP) à capital paulista, um percurso cheio de retas. Infelizmente, isso limitou as provocações à direção e à suspensão mais firmes.

Há opção de troca de marchas por borboletas atrás do volante Divulgação/Honda

Mas os trechos com curvas foram bem aproveitados: há três modos de condução (Eco, Normal e Sport) que alteram peso do volante, vetorização de torque e gerenciamento do motor.

Continua após a publicidade
Banco do motorista tem duas memórias de posição Divulgação/Honda

Na configuração mais agressiva, o Accord incorpora a agilidade de sedã médio. Já a opção mais mansa apela para o conforto. São 1.700 rpm a 120 km/h e há até anulação ativa de ruídos.

Bancos dianteiros têm três níveis de ventilação Divulgação/Honda

A lista de equipamentos recheada, com ajustes elétricos e ventilação nos bancos dianteiros, além de teto solar. Entretanto, falta o ar-condicionado de três zonas (são apenas duas).

Central multimídia tem tela sensível ao toque de oito polegadas Divulgação/Honda

Quem viaja à frente também tem à disposição uma nova central multimídia com tela sensível ao toque de oito polegadas compatível com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto.

Sedã tem oito airbags, incluindo dois para os joelhos Divulgação/Honda

Outra novidade desta geração é o pacote Honda Sensing, que inclui controle de velocidades adaptativo, assistente de permanência em faixa e sistema de frenagem de emergência.

Accord tem Head Up Display e sistemas de condução semiautônoma Divulgação/Honda

É uma boa mudança, considerando que esse será o primeiro modelo da marca com as funções semiautônomas à venda no Brasil. Só que boa parte da concorrência já saiu à frente.

Não há comandos sensíveis ao toque como no Civic Touring Divulgação/Honda

Se o Accord ainda continua inacessível – exceto para os dez compradores previstos a cada mês –, a boa notícia é que essas tecnologias deverão chegar a outros carros futuramente.

Há duas chaves que salvam as preferências de cada condutor Divulgação/Honda

Segundo o fabricante, o principal apelo da novidade será oferecer requinte e itens de série sem as caras revisões e limitada rede de concessionárias das marcas premium no país.

Teto solar é equipamento de série na versão trazida ao Brasil Divulgação/Honda

Considerando as melhorias, e até mesmo o rival Toyota Camry, o sedã da Honda deu um belo salto em evolução. O problema é que ele está ainda mais caro que boa parte dos rivais.

Veredicto

Surpreendentemente bom de dirigir – considerando o público-alvo conservador – e com novos sistemas de segurança, o Accord deu um belo salto evolutivo em relação ao antecessor.

Só que ele está mais caro (o antecessor custava R$ 162.500), até mesmo em relação aos sedãs premium. Nesse caso, nem mesmo revisões mais baratas servem de argumento a favor.

Ficha técnica – Honda Accord Touring

  • Preço: R$ 198.500
  • Motor: gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros, turbo, 16V, 1.998 cm3; 86 x 85,9 mm, 9,8:1, 256 cv a 6.500 rpm, 37,7 mkgf a 1.500 rpm
  • Câmbio: automático, 10 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteira)/multibraço (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira) / disco sólido (traseira)
  • Direção: elétrica, diâmetro de giro 12 m
  • Rodas e pneus: liga leve, 235/45 R18
  • Dimensões: comprimento, 488,9 cm; largura 186,2 cm; altura, 146,0 cm; entre-eixos, 283,0 cm; peso, 1.589 kg; tanque, 56 l; porta-malas, 574 l
Continua após a publicidade
Publicidade