Segredo: novo Ford Fiesta e EcoSport 4×4 chegam até dezembro

Mustang e Ka reestilizado estreiam em 2018, mas novo Focus não está confirmado

Camuflagem revela que as principais mudanças do Fiesta estão na frente (Cíntia Lós/Quatro Rodas)

O fim de ano será agitado para a Ford. Duas novidades serão incorporadas ao portfólio da marca até dezembro.

O primeiro será o Fiesta reestilizado. Assim, a alegria de ter aqui um Fiesta igual ao comercializado na Europa termina para os brasileiros. A versão europeia chegou este ano à sétima geração, enquanto permaneceremos com a sexta – agora reestilizada pela segunda vez.

As mudanças no “nosso” serão discretas, na forma e no conteúdo (o câmbio Powershift segue no catálogo).

Esse Fiesta deve permanecer entre nós até 2021, quando será substituído por um modelo novo e maior, para encarar os rivais que também cresceram: VW Polo e Fiat Argo.

Versão 4×4 do EcoSport será chamada de AWD (Ricardo Franco/Quatro Rodas)

Antes do fim do ano também estreia a versão 4×4 do novo EcoSport, flagrada pelo leitor Ricardo Franco. O modelo virá com pneus 205/50 R17 e um emblema AWD (All Wheel Drive) nas laterais, precisamente nas portas. Já o estepe continua do lado de fora, assim como nas versões 4×2.

Mustang GT na posição 3x4 de frente

Novo Mustang ganhou faróis recortados na porção inferior (Divulgação/Ford)

A pré-venda do Mustang será iniciada em 2017, mas o pony car desembarca oficialmente no país apenas no começo do ano que vem.

Juntamente com ela começa a campanha de lançamento do esportivo.

2018 terá Ka reestilizado, mas Focus ainda não está confirmado

Mudanças ocorrem, nos para-choques, no faróis e nas lanternas

Mudanças ocorrem, nos para-choques, no faróis e nas lanternas (Du Oliveira/Quatro Rodas)

No segundo semestre de 2018 será a vez do novo Ka. Além do novo design, o compacto terá uma versão 1.5 com câmbio automático de seis marchas e central multimídia SYNC 3 – que estreou no EcoSport e possivelmente equipará o Fiesta.

Na traseira, as alterações devem se concentrar no design próprio do para-choque e das lanternas

Na traseira, lanternas e para-choque devem ter design próprio (Du Oliveira/Quatro Rodas)

A má notícia envolve o futuro da nova geração do Focus (abaixo). O hatch não vem mais para o Brasil e o futuro desse modelo só não é mais incerto por aqui porque suas vendas são boas na Argentina.

Nova geração do Focus pode não ser vendida no Brasil (Du Oliveira/Quatro Rodas)

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Gabriel Medeiros

    Ford desistindo dos brasileiros… Agora ao invés de modelos Europeus, vamos ter carros e motores indianos, e só se salvam os SUVs… Em 2021 ela trás Argo feito especialmente pra gente! rsrs

  2. E assim vai a industria automotiva brasileira…ao invés de paridade com os modelos da Europa e EUA vamos ter que pagar mais por carroças desenvolvidas para o terceiro mundo.

  3. Bruno Adler, somos terceiro mundo, infelizmente. Em um país onde preferimos rodas de liga ao invés de air bag, onde escolhemos o carro mais bonito ao invés do que tem melhor qualidade, onde foi preciso que o governo intervisse e obrigasse air bag e abs, pois ninguém exigia, onde carro com zero estrelas em crash test vende mais que pão quente, onde carros com plástico preto nos paralamas ou adesivos nas portas e aerofólio são vendidos por R$15.000,00 a mais, você acha que alguém vai dar valor para o nosso mercado. Compramos qualquer coisa com 4 rodas e não reclamaremos da qualidade, então para que trazer o que há de melhor?