Novo Ford EcoSport fica mais próximo de Focus e Fusion

Motor 2.0 com injeção direta, câmbio automático convencional no lugar do Powershift e interior mais refinado são os destaques

Ford EcoSport Titanium 2018

Dianteira concentra principais mudanças no design do EcoSport (Divulgação/Ford)

Nas ruas desde 2012, a segunda geração do Ford EcoSport conseguiu resistir razoavelmente à chegada de vários novos concorrentes. Apesar de Honda HR-V e Jeep Renegade terem assumido o primeiro e segundo lugar dos SUVs compactos, o Eco ainda vende bem – no acumulado de 2017, ele está em quarto lugar, atrás também do Hyundai Creta, mas à frente de Nissan Kicks e Renault Duster.

Para quem já foi líder absoluto, porém, a pretensão precisa ser maior. É aí que entra a renovação do modelo, que agora é global – vendido tanto na Europa como nos Estados Unidos, com mudanças pontuais em cada mercado.

Por fora, as principais mudanças estão concentradas na dianteira. Inspirado por Edge e Escape, tem grade em posição mais alta, nivelada com os faróis maiores e mais elaborados (agora com luzes diurnas de led, mais fortes que a antiga assinatura luminosa). Os faróis de neblina estão em nichos maiores juntos das luzes de seta.

Ford EcoSport Titanium 2018

Setas e luzes de neblina estão posicionados juntos; filete de leds passa a ser luz de rodagem diurna (Divulgação/Ford)

A traseira não tem nada muito diferente: o estepe continua pendurado na tampa (diferente do que ocorre nos mercados europeu e americano), mas o para-choque está mais saliente. Além de absorver melhor os impactos, deixou o EcoSport mais proporcional visualmente.

Ford EcoSport Titanium 2018

Para-choque traseiro está mais saliente (Divulgação/Ford)

A prioridade da Ford era mudar o interior. Na falta de um projeto novo, capaz de aumentar o entre-eixos de 2,52 m (o menor do segmento, diga-se), o EcoSport ganhou habitáculo mais refinado e bem construído, resolvendo em parte as principais críticas ao modelo.

Ford EcoSport Titanium 2018

Painel tem tons contrastantes e parte superior emborrachada (Divulgação/Ford)

O painel com elementos saltados e repletos de botões do antigo sistema de som deu lugar a um design com linhas mais coesas e toque emborrachado na parte superior. A parte inferior é bege para ampliar a sensação de espaço. O volante (que tem revestimento de couro macio em todas as versões) e o quadro de instrumentos com tela colorida de 4,2″ vieram do Focus.

Mas quem se sobressai é a central multimídia tela de 8″, que fica em destaque no painel, bem ao alcance do motorista. A interface é a Sync 3, mesma de Fusion e Focus, com bons comandos de voz e compatível com Android Auto e Apple CarPlay. Ela se comunica com as duas portas USB no console, ambas com 2 amperes – corrente suficiente para recarregar smartphones mais parrudos.

Ford EcoSport Titanium 2018

Sistema Sync 3 resolve a falta de central multimídia no EcoSport (Divulgação/Ford)

As saídas de ar centrais passaram a ser horizontais e ficam logo acima dos comandos do ar-condicionado – novos, com botões entre os dois seletores giratórios. O console central recebeu aplique que imita aço escovado e um porta objetos que, segundo a Ford, é ideal para smartphones.

Os bancos também mudaram. Se os antigos eram curtos, incapazes de sustentar as coxas dos ocupantes, os novos são maiores e com melhor sustentação da coluna. De quebra, o motorista ainda tem ajuste lombar a disposição e trilho mais longo para correr o banco. Mas isso não resolve a falta o espaço para as pernas de quem senta no banco traseiro: pelo contrário, o assento de trás mais longo só deixou isso mais evidente.

Ford EcoSport Titanium 2018

Novos bancos são maiores e revestidos de couro legítimo na versão Titanium (Divulgação/Ford)

O porta-malas ficou um pouco menor: passou dos 362 l para 356 l. Foi em prol da versatilidade: agora seu assoalho funciona como um alçapão que pode ser posicionado em três niveis, criando um compartimento de até 52 l quando na posição mais alta. Assim, o porta-malas ficará plano quando os bancos traseiros estiverem rebatidos.

Nosso primeiro contato com o Ford EcoSport 2018 foi com a versão Titanium. Ela se mantém como versão topo de linha e única com motor 2.0. Mas motor e transmissão são diferentes dos utilizads no antigo Eco.

Ford EcoSport Titanium 2018

Quadro de instrumentos e volante são os mesmos do Focus, mas no Eco há borboletas atrás do volante (Divulgação/Ford)

Do Focus veio o motor 2.0 Duratec DirectFlex. A vantagem está na injeção direta, que eleva a potência de 147 para 176 cv a 6.500 rpm e o torque de 19,7 para 22,5 mkgf a 4.500 rpm.

O Fusion contribuiu com o câmbio 6F25, um automático de seis marchas que também permitiu que as trocas sequenciais agora sejam feitas em borboletas atrás do volante e não mais em botões na alavanca. Este câmbio substitui o Powershift, de dupla embreagem e também com seis marchas, que ganhou má fama devido a defeitos em seus primeiros anos.

Ford EcoSport Titanium 2018

Câmbio é o mesmo automático de seis marchas 6F25 do Fusion (Divulgação/Ford)

O casamento do novo conjunto mecânico é bom. O Eco embala como se estivesse mais leve (embora a realidade seja uma engorda de 59 kg, para 1.359 kg) e as marchas seguintes são convocadas sem trancos ou desacelerações. Mas por vezes o kickdown é feito para marchas muito baixas, o que passa a impressão de aspereza do motor.

Versões mais acessíveis, como as SE e Freestyle receberão o novo motor 1.5 de três cilindros criado especificamente para mercados emergentes, que entrega 137 cv e 16,2 mkgf. Ele estará disponível tanto com câmbio manual de cinco marchas, como com o novo automático de seis. De acordo com a Ford, o novo três cilindros estará em 80% dos EcoSport vendidos.

Ford EcoSport Titanium 2018

Com níveis reguláveis, porta-malas pode ficar plano quando a segunda fileira é rebatida (Divulgação/Ford)

Por enquanto, a Ford divulgou apenas os itens de série do EcoSport Titanium, que recebeu bons reforços. A lista inclui sete airbags, faróis de xenônio, central Sync 3, câmera de ré, sensor de estacionamento, espelho fotocrômico, faróis com acendimento automático, sensor de chuva, partida sem chave, sensores de pontos cegos, alerta de tráfego cruzado, monitor de pressão dos pneus e até o teto solar, inédito por aqui (mas que já estava disponível lá fora).

Ford EcoSport Titanium 2018

Inédito no Eco brasileiro, teto solar é item de série na versão Titanium (Divulgação/Ford)

A Ford diz que só divulgará os preços na segunda metade de julho. A promessa é posicionamento agressivo frente aos SUVs compactos. O Titanium mira em concorrentes com preços entre os R$ 93 mil e R$ 99 mil. No mínimo, precisará manter os preços entre os atuais R$ 94.700.

Leia mais sobre o novo Ford EcoSport na edição de julho de QUATRO RODAS, nas bancas a partir dessa semana!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Eduardo Sabedotti Breda

    Interessante mudança. Mas o estepe na traseira é o fim. Definitivamente, jamais fará parte da minha lista de interesses.

  2. Ricardo Viduanni

    O carro ficou muito melhor em quase tudo, mas o principal que seria melhorar o conforto nas pernas dos ocupantes banco traseiro, permaneceu igual ou um pouco menor, dessa forma acho que a FORD não vai recuperar a posição perdida, pois o carro ficou muito bonito !