Clique e assine por apenas 6,90/mês

Honda Civic turbo pode ganhar câmbio de dupla embreagem

Transmissão promete mais desempenho e economia de combustível ao Civic; mudanças estruturais também estão previstas

Por Guilherme Fontana - Atualizado em 19 jun 2017, 11h43 - Publicado em 14 jun 2017, 17h02
Civic turbo pode dar adeus ao câmbio CVT até 2020 Divulgação/Divulgação

A Honda pode ter uma boa notícia para quem não dispensa uma tocada mais esportiva. As versões com motor 1.5 turbo de 173 cv (como a Touring vendida no Brasil) deverão abandonar o atual câmbio CVT em favor de uma transmissão automatizada de dupla embreagem.

O novo conjunto mecânico ainda não está confirmado pela marca, mas tem chances de chegar ao mercado japonês até 2020.

Uma unidade de testes do Civic modificado foi apresentada no Japão, durante o Honda Meeting 2017, que revelou as diretrizes da marca para os próximos anos.

Mula de testes foi apresentada no Honda Meeting, no Japão Divulgação/Divulgação

De acordo com o site japonês Car Watch, a transmissão de oito marchas é a mesma do Acura CDX (o equivalente de luxo do nosso HR-V), uma DCT automatizada de dupla embreagem banhada a óleo. Ela busca dar mais esportividade ao sedã por alterar a relação com o motor, explorando melhor as faixas de potência e torque.

Continua após a publicidade

Ainda segundo a publicação, o câmbio promete ter o mesmo peso de um automático de cinco marchas e melhorar em até 15% a entrega de torque e em 8% o consumo de combustível em relação ao CVT – que prioriza o conforto por seu funcionamento linear, com trocas de marchas simuladas.

Câmbio de dupla embreagem de oito marchas é banhada a óleo Divulgação/Divulgação

Mais do que a transmissão, o Civic apresentado no Japão também passou por alterações estruturais, com um sub-chassi 57% mais resistente à rolagem em curvas e 25% mais rígido em torções. Suspensão, freios e direção também receberam mudanças, bem como a aerodinâmica, com coeficiente 14% menor.

Aparentemente, o câmbio CVT parece estar caindo em desuso em algumas marcas. A Audi já descontinuou o seu, e até mesmo a Toyota promete substituí-lo por um automático convencional de oito marchas.

Publicidade