Clique e assine por apenas 8,90/mês

VW Golf R, o esportivo de 310 cv que não temos no Brasil

Para poucos felizardos, tem o mesmo motor 2.0 TSI do GTI, mas mais potente. Por aqui, não custaria menos de R$ 230.000

Por Vitor Matsubara - 6 out 2017, 19h03
Motor 2.0 TSI é o mesmo do Golf GTI, mas com 90 cv a mais Volkswagen/Divulgação

Dirigir um Golf GTI é um poderoso antídoto contra a abstinência de diversão. Mas existe uma receita ainda mais eficiente para eliminar o tédio ao volante. Procure por Golf R e você não se arrependerá.

A versão mais potente da história do hatch roda na Europa desde 2009 e trouxe uma importante novidade com a reestilização realizada na linha Golf (cujo lançamento no Brasil está previsto para 2018): um aumento de 10 cv em relação ao seu antecessor. Agora são 310 cv extraídos do mesmo motor 2.0 TSI aplicado no GTI.

O Golf R roda na Europa desde 2009 e está em sua segunda geração Volkswagen/Divulgação

Não é difícil identificar um Golf R. Só ele tem para-choques com tomadas de ar maiores e quatro saídas de escapamento na traseira. Mesmo assim, o visual é mais discreto do que o GTI, principalmente por dentro.

O famoso revestimento xadrez dos bancos foi trocado por um acabamento em couro preto com um discreto logotipo R bordado no encosto. Pequenos detalhes o diferenciam dos outros Golf, como a plaqueta colada na base do volante e as costuras brancas na coifa do câmbio.

Continua após a publicidade
Posição de dirigir é impecável, como em todo Golf Volkswagen/Divulgação

Até na hora de despertar, o hatch não faz questão de chamar atenção. Apenas um ronco grave ecoa após pressionar o botão de partida, bem diferente do som espalhafatoso dos modelos da AMG. Dos cinco modos de condução (Normal, Eco, Comfort, Race e Individual), seleciono o primeiro deles e parto para a estrada.

Bancos esportivos têm abas laterais que apoiam bem o corpo nas curvas Volkswagen/Divulgação

Diferentemente de outros esportivos, o Golf R não te incita a andar rápido. Ele tolera uma condução tranquila, mas jamais negará fogo quando solicitado. Foi o que percebi quando provoquei o hatch, cutucando o acelerador. Prontamente fui surpreendido por uma arrancada vigorosa, fazendo-o atingir rapidamente o limite de 130 km/h da estrada que liga Paris a Le Mans, trecho no qual avaliamos o R.

Quem gosta de chamar atenção não vai gostar do Golf R: discrição é seu ponto forte Volkswagen/Divulgação

Bem escalonado, o câmbio manual de seis marchas tem engates curtos e precisos, do jeito que todo bom esportivo precisa ter – o mesmo ocorre com a caixa de dupla embreagem DSG, que faz as trocas com agilidade de causar inveja aos melhores pilotos. E nem é preciso fazer reduções para o Golf ganhar velocidade: é só acelerar para o hatch sair rapidamente dos 110 km/h para os 200 km/h, mesmo em sexta marcha.

Apesar das quatro saídas de escape, o Golf R não é espalhafatoso como outros rivais Volkswagen/Divulgação

Fazer curvas também não é problema para o esportivo. Seja qual for o modo de condução, a suspensão tem uma calibragem próxima do ideal, sem sacrificar o conforto dos ocupantes em pisos irregulares e nem prejudicar a dirigibilidade.

Continua após a publicidade
Cliente pode optar entre cinco tipos de roda de 19 polegadas Volkswagen/Divulgação

A tração integral permanente também assegura uma condução sem sustos mesmo no modo Race, quando a direção torna-se mais pesada, a suspensão enrijece e a resposta do acelerador fica ainda mais arisca. Tudo embalado por um ronco grave invadindo a cabine o tempo todo – pena que se trata de um som eletrônico, saído dos alto-falantes do veículo.

FIM DOS BOTÕES

Aproveito a parada de descanso para observar as novidades do Golf. A principal delas é o painel 100% digital. Bem parecido com o Virtual Cockpit da Audi, ele exibe as principais funções do computador de bordo e dos recursos de assistência ao motorista, incluindo estações de rádio e dados do GPS.

Painel digital é uma das novidades do Golf reestilizado – que chegará ao Brasil em 2018 Volkswagen/Divulgação

Falta só uma função para reduzir os mostradores e destacar a tela multimídia. A central Discover Pro ficou mais bonita sem botões físicos, mas o novo design dificultou sua operação com o carro em movimento, inclusive em tarefas simples como regular o volume do som. Felizmente, este e outros comandos estão bem agrupados ao redor do volante multifuncional.

Central multimídia tem reconhecimento por gestos e melhor usabilidade Volkswagen/Divulgação

Partindo de 40.675 euros com caixa manual, o Golf R custa exatamente o mesmo que um Ford Focus RS – o câmbio DSG acrescenta 2.000 euros ao valor final. Trata-se de um valor salgado mesmo para os padrões da Alemanha, onde um abismo de 10.700 euros o separa do GTI.

Continua após a publicidade
Indicado para uso em pista, o modo Race deixa a direção mais pesada e a suspensão mais dura Volkswagen/Divulgação

Recheado de opcionais (como alerta de pontos cegos, assistente de permanência em faixas, teto solar elétrico, sistema de som Dynaudio, partida do motor por botão e sistema de escapamento de titânio), a conta salta para quase 60.000 euros.

Novos faróis são uma das poucas novidades visuais do Golf Volkswagen/Divulgação
Com 310 cv, a versão R é a mais potente de toda a história da linha Golf Volkswagen/Divulgação

Se fosse importado para o Brasil, o Golf R não sairia por menos de R$ 230.000 – atualmente um Golf GTI custa R$ 132.250 sem opcionais. Seria caro demais para um Golf, mas algumas coisas não têm preço. Ser dono de um Golf de 310 cv é uma delas.

Publicidade