Impressões ao dirigir: novo Volkswagen Golf 1.5 TSI

Mudança de estilo é tão sutil que a VW nem fala em "novo" Golf. Mas está mais tecnológico e nunca foi tão conectado. E chega ao Brasil ainda este ano

Friso sob a grade agora se liga aos faróis de leds Friso sob a grade agora se liga aos faróis de leds

Friso sob a grade agora se liga aos faróis de leds (Divulgação/Volkswagen)

Para os fabricantes de automóveis, dependendo da conveniência, qualquer retoque nos para-choques pode ser o suficiente para encaixar o adjetivo “novo” à frente do nome do modelo. As leis do marketing (e do bom senso) dizem que tudo o que tem esse rótulo vende mais.

Mas a próxima geração do Golf, que chegou às lojas da Europa em março e que desembarca no Brasil no segundo semestre, poderá contrapor essa regra. A VW evitou tratar do “novo” Golf como uma “nova geração”. Para a empresa, é um “update”.

Faz sentido, já que as atualizações foram discretas na maioria dos seus itens. À primeira vista, o design sinaliza atualizações. Há uma nova opção de motor (na Europa) e um quadro de instrumentos remodelado. No Brasil, permaneceremos com os já conhecidos 1.0 e 1.4 TSI e 1.6 MSI.

Para-choques redesenhados e lanternas de leds de série Para-choques redesenhados e lanternas de leds de série

Para-choques redesenhados e lanternas de leds de série (Divulgação/Volkswagen)

Historicamente, o Golf sempre teve evoluções conservadoras nas suas mudanças – e não é diferente com o modelo das fotos, a geração 7.1. Começando pela dianteira: agora há uma friso cromado na grade que se liga visualmente aos novos DRLs dentro dos faróis principais.

O radar frontal, antes visível por entre a grade, foi escondido atrás do emblema da VW. Na parte traseira, as lanternas são de led em todas as versões.

Por dentro, as mudanças são mais nítidas. A começar pelo quadro de instrumentos, todo digital. A adoção da tela de TFT permite várias possibilidades de configuração – dá para visualizar informações técnicas do carro ou de entretenimento.

Com exceção das telas digitais, está tudo igual no interior Com exceção das telas digitais, está tudo igual no interior

Com exceção das telas digitais, está tudo igual no interior (Divulgação/Quatro Rodas)

Por padrão, essa tela de 12,3 polegadas exibe o velocímetro e o conta-giros, mas pode alternar para a agenda de contatos do dono, álbuns de músicas e até os perfis de rodagem selecionados pelo motorista.

Entre cinco opções (Clássico, Consumo e Autonomia, Eficiência, Performance e Assistência à Condução e Navega­ção), o motorista pode selecionar as configurações que favorecem a economia de combustível ou a esportividade.

O quadro de instrumentos não tem relógios analógicos: é uma tela configurável de 12,3 polegadas O quadro de instrumentos não tem relógios analógicos: é uma tela configurável de 12,3 polegadas

O quadro de instrumentos não tem relógios analógicos: é uma tela configurável de 12,3 polegadas (Divulgação/Quatro Rodas)

As mãos também falam

No centro do painel, o destaque vai para o monitor touch chamado de Matriz Modular de Infoentretenimento, com três medidas (6,5, 8,0 e 9,2 polegadas).

A maior versão, batizada de Discover Pro (foto à direita), aceita controles por gestos – o Golf é o pioneiro no segmento – e conta com um menu inicial configurável, no qual o usuário pode especificar as suas funções/informações preferidas.

A central multimídia Discover Pro (9,2 polegadas) responde a gestos das mãos A central multimídia Discover Pro (9,2 polegadas) responde a gestos das mãos

A central multimídia Discover Pro (9,2 polegadas) responde a gestos das mãos (Volkswagen/Divulgação)

Se por um lado o aspecto do painel ganhou em modernidade, por outro desagrada o fato de as impressões digitais ficarem bem visíveis mesmo com pouco uso.Mas os grafismos modernos, a complexidade de dados e a possibilidade de realizar comandos por gestos coloca a central do Golf em um patamar superior.

Em alguns mercados, a linha Golf é bem ampla (hatch de três ou cinco portas, Variant, Alltrack e Sportsvan), sem contar o Cabrio, já descontinuado. E os europeus também passarão a conviver com o Golf 1.0 TSI de três cilindros, com variantes de 85 e 110 cv – porém, ambos com turbo e com injeção direta a gasolina.

 (Volkswagen/Quatro Rodas)

Ainda incerto para o mercado brasileiro, o novo 1.5 turbo a gasolina de 150 cv substitui o 1.4 na Europa e ganha desativação de cilindros, combinado ao câmbio automatizado DSG de sete marchas, com duas embreagens a óleo.

O novo motor tem potência e torque idênticos ao anterior, mas é mais elástico e eficiente, com menor consumo. A Volks também prepara por lá o 1.5 Bluemotion, de 130 cv, previsto para o segundo semestre.

Terá motor com taxa de compressão mais alta e ciclo de funcionamento Miller (não Otto), dotado de turbo de geometria variável. Segundo a marca, essa versão poderá rodar 21,7 km com apenas 1 litro de gasolina.

Assim como as gerações anteriores, o Golf 7.1 preserva o louvável equilíbrio entre estabilidade e conforto, com direção precisa e comunicativa e elevado nível de qualidade de construção – uma referência no segmento dos hatches médios.

 (Volkswagen/Divulgação)

O VW Golf tem tradição em disponibilizar equipamentos e tecnologias de segurança pouco comuns na sua classe. A nova linha do hatch médio estreia a direção semiautônoma em situações específicas, como o congestionamento de tráfego a até 60 km/h.

Sem a intervenção do motorista, o carro mantém-se na faixa, acelera e freia sozinho, acompanhando o trânsito. Há também um monitor de pedestres capaz de frear o veículo se o sistema não identificar ação do condutor. Porém, a disponibilidade desses recursos não está confirmada para o Brasil.

 (Volkswagen/Divulgação)

Veredicto

As qualidades do Golf têm sido preservadas ao longo de algumas décadas. O hatch evolui a cada geração e está em dia com as últimas tendências tecnológicas.

Ficha Técnica: VW Golf 1.5 TSI

  • Motor: gas., diant., transv., 4 cil. em linha, 1.498 cm3, 12V, 74,5 x 85,9 mm, 10,5:1, 150 cv a 5.000-6.000 rpm, 25,5 mkgf a 1.500-3.500 rpm
  • Transmissão: manual, 6 marchas (DSG de 7 marchas, opcional), tração dianteira
  • Freios: disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 205/55 R16
  • Dimensões: compr., 425,8 cm; largura, 179 cm; altura, 149,2 cm; entre-eixos, 262 cm; peso, 1.067 kg; tanque, 50 l; porta-malas, 380 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 8,3 s, vel. máx., 216 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Diego Ferreira De Souza

    Simplesmente lindo mas eu prefiro a perua.

  2. Note Empresa

    pena que custa muito!

    Brasil, é um paraíso para montadoras de carros
    Golf tsi
    $ 19.635 vw florida

  3. eduardo Pinheiro

    É uma pena que o segmento dos hachts esteja tão em baixa no Brasil…. adoraria ver esse novo golf (inclusive o ‘R’), o novo 308, o novo i30, o novo Stilo, Megane RS… enfim, todas essas máquinas aqui no nosso país, afinal a Argentina já tem todos eles!!! Qual será o motivo? Tradicionalismo do nosso consumidor???