Clique e assine por apenas 5,90/mês

Impressões: Golf GTI nacional fica mais caro, mas mantém qualidades do importado

Uma má e uma boa notícia sobre o esportivo brasileiro: ele ficou mais caro, mas permaneceu com o desempenho exemplar do motor 2.0 TSI com câmbio DSG

Por Guilherme Fontana - Atualizado em 23 nov 2016, 20h33 - Publicado em 5 fev 2016, 18h22
VW Golf GTI 1
Apesar de agora ser brasileiro, o hatch tem o mesmo (elevado) padrão de qualidade do antigo GTI

Pense no Golf GTI como um parque de diversões: ambos conseguem divertir, mas sempre com muita segurança. No entanto, todo bom parque de diversões cobra caro por isso. E isso também acontece com o GTI. Agora nacional (feito em São José dos Pinhais ao lado do Audi A3 Sedan), o modelo não sai por menos de R$ 117.690. Com todos os opcionais sai por R$ 169.700.

Assim como o preço, a oferta de opcionais também aumentou. Além dos bancos em couro, o pacote Sport (que custa R$ 5.100) traz novas rodas de 18 polegadas com acabamento diamantado (das imagens), enquanto o pacote Exclusive (R$ 15.710) inclui sistema de entretenimento Discover Media, partida do motor por botão, seletor de modos de condução, faróis com leds e bixenônio direcionais com ajustes automáticos, sistema de monitoramento frontal, piloto automático adaptativo e frenagem de emergência. Por último, o kit Premium (R$ 26.930) adiciona o sistema de áudio da grife Fender (com direito a amplificadores de dez canais, 400 watts de potência, subwoofers e tweeters instalados nas colunas dianteiras e traseiras), central multimídia Discover Pro com tela de oito polegadas, GPS, entradas auxiliar, USB e SD Card e App Connect com plataformas Android Auto, Mirror Link e Apple CarPlay, além do sistema Park Assist com câmera de ré e sensor de fadiga. O teto solar elétrico é vendido sozinho por R$ 4.270. Os dois últimos pacotes (Exclusive e Premium) e o teto solar, aliás, equipavam a unidade avaliada por QUATRO RODAS.

Continua após a publicidade
vw-golf-gti-4
Motor 2.0 de 220 cv bebe apenas gasolina; o câmbio é o eficiente DSG

Com isso, entre os principais equipamentos de série, estão ar-condicionado digital de duas zonas, luzes de neblina, sensores de estacionamento dianteiros e traseiro, piloto automático, limitador de velocidade, função Start-Stop, controles de estabilidade e tração, sete airbags, lanternas com leds, volante multifuncional com aletas para trocas de marchas, espelhos retrovisores externos aquecidos e com rebatimento elétrico, bloqueio eletrônico do diferencial, assistente de partida em subida e freio de estacionamento mecânico (no modelo importado o equipamento tinha acionamento elétrico).

Fora as novas rodas opcionais (de série permanecem as de 17 polegadas), nenhum detalhe diferencia o GTI nacional do modelo importado. A dianteira tem para-choque e grade exclusivos, além dos característicos logo GTI e o friso vermelho que invade os faróis – estes com leds e xenônio. Atrás, a VW deixa de lado o nome Golf para reafirmar sua posição e tem apenas a sigla GTI no lado esquerdo da tampa do porta-malas, pouco acima da saída de escape dupla. Por dentro, os bancos de tecido xadrez dão personalidade ao modelo (marca registrada da versão GTI na Europa) e o acabamento segue o padrão das unidades antigas, com apliques em aço escovado, preto brilhante e pontos de leds espalhados pela cabine. 

VW Golf GTI (interior)
Bancos com tecido xadrez: charme de série do GTI

No dia-a-dia, a convivência com o modelo pode ser tranquila, apesar de instigante. A direção elétrica progressiva é direta, como manda a esportividade. O trabalho da suspensão (que ainda é a sofisticada multilink na traseira, diferentemente das demais versões do Golf nacional, que adotaram o eixo de torção) é exemplar. Mesmo com a vocação esportiva do modelo, enfrenta o asfalto ruim das cidades sem grandes trancos. Assim também segue o consumo de 10,8 km/l em circuito urbano, nada mal para um modelo de alto desempenho. Mas cuidado com o marcador de combustível: ele pode te enganar. Durante alguns dias com o modelo, o nível de combustível apontado pelo marcador sempre subia misteriosamente após algumas horas com o carro parado. Durante a noite, os faróis bi-xenônio opcionais direcionam o facho de luz seguindo o movimento do volante. Uma segunda luz, de tom amarelado, acende para o lado da curva também com o movimento do volante ou simplesmente com o acionamento da seta.

vw-golf-gti-7
Volante com base achatada tem boa pegada e é exclusivo do GTI

Agora, mais do que apenas o modo convencional (Drive), o motorista tem à disposição outras três modalidades (no pacote opcional Exclusive): Sport, Eco e Individual, cada um com ajustes específicos de motor, câmbio e direção. Enquanto o Eco privilegia a economia de combustível, trabalhando sempre em marchas mais altas e rotações mais baixas, além de deixar as respostas do acelerador mais lentas, o Sport faz justamente o contrário. O modo esportivo faz com que o motor permaneça em rotações mais altas – como exemplo, a terceira marcha só entra a aproximadamente 60 km/h. Com isso, o ronco do motor fica mais encorpado e os sonoros estouros do escapamento ficam mais evidentes. O modo Individual, por sua vez, permite que o motorista monte seus próprios parâmetros.

Mas vamos aos números. O Golf GTI manteve o melhor do antigo importado. Além da suspensão multilink, ficou também o motor 2.0 TSI a gasolina de 220 cv de potência e 35,7 mkgf de torque e o câmbio DSG de seis marchas. Com isso, o esportivo vai de 0 a 100 km/h em 6,5 segundos antes de chegar aos 237 km/h de velocidade máxima prometidos pela marca. O conjunto oferece acelerações vigorosas, com direito a constantes cantadas de pneus.

VW Golf GTI
Detalhes vermelhos e para-choque mais esportivo identificam o modelo

Veredicto:

O Golf GTI é do tipo que, mesmo em um rápido contato, justifica toda a sua fama e prestígio. O bom desempenho aliado à boa convivência com o modelo o tornam uma das opções mais interessantes em sua faixa de preço para quem não abre mão de conforto, tecnologia e, novamente, bom desempenho. Mas não deixa de ser caro.

Ficha Técnica – VW Golf GTI
Motor gasolina, dianteiro, 4 cilindros
Cilindrada 1.984 cm³
Potência 220 cv a 4500 rpm
Torque 35,7 mkgf a 1500 rpm
Câmbio automático DSG, 6 marchas
Dimensões 427 cm (comprimento); 145 cm (altura); 202 cm (largura); 263 cm (entre-eixos)
Peso 1.368 kg
Peso/Potência 6,21 kg/cv
Peso/Torque 38,31 kg/mkgf
Porta-malas 338 litros
Tanque 51 litros
Suspensão dianteira independente, tipo McPherson
Suspensão traseira independente, multilink
Freios discos nas quatro rodas
Direção elétrica
Pneus 225/45 R17 (opcional 225/40 R18)
Equipamentos ar-condicionado digital de duas zonas, controles de estabilidade e tração, sete airbags, bloqueio eletrônico do diferencial, assistente de partida em rampas e rodas de liga leve aro 17
Continua após a publicidade
Publicidade