Clique e assine por apenas 8,90/mês

Longa Duração: bateram no Prius! Pior que os danos, só o serviço da Toyota

Após se envolver em acidente de trânsito, nosso híbrido foi para o reparo numa concessionária. Esperávamos a excelência de sempre, mas...

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 27 nov 2019, 12h09 - Publicado em 25 abr 2019, 07h00
Dianteira foi pouco afetada: a grade precisou ser trocada Fernando Pires/Quatro Rodas

Tudo corria como planejado: Péricles Malheiros, o editor de Longa Duração, já se preparava para sair de São Paulo rumo a Brasília (DF) com o Prius. Até que…

“Na noite anterior ao dia da viagem, saí para comprar um remédio. Na volta para casa, fiquei numa faixa da avenida em que os carros à frente estavam parados, enquanto as laterais passaram a andar normalmente. Quando olhei no retrovisor, vi um Honda WR-V se aproximando e me preparei para a pancada. Mas foram duas. Do WR-V no Prius e do Prius na Ford Ranger que estava à frente”, conta Péricles.

Um WR-V lançou o nosso Prius contra a traseira de uma Ranger Fernando Pires/Quatro Rodas

Dos males, o menor. De pronto, o rapaz que causou o acidente assumiu a culpa e se prontificou a arcar com o prejuízo.

Ainda que com a dianteira e a traseira atingidas, o Prius rodou normalmente até a garagem da Editora Abril, e ficou guardado por dez dias, até que voltou a circular em visita a concessionárias Toyota, onde foram feitos alguns orçamentos prévios.

E eles nos assustaram. O da paulistana Sun North, concessionária na qual acabamos realizando o reparo, foi fechado em assustadores R$ 20.277. A enorme lista de peças, com 37 itens a serem trocados, foi a que mais pesou: R$ 15.817.

Como a tampa traseira foi trocada, fomos a uma oficina credenciada ao Detran para emissão de um laudo de conformidade Fernando Pires/Quatro Rodas

De mão de obra, foram outros R$ 4.460, referentes a 44,6 horas de trabalho, sendo R$ 1.250 de funilaria (12,5 horas), R$ 2.100 de pintura (21 horas), R$ 310 de elétrica (3,1 horas) e R$ 800 de tapeçaria (8 horas).

Além de enorme, a lista de peças assusta pelo valor de alguns componentes. A tampa do porta-malas, por exemplo, custou R$ 2.148, enquanto a lanterna traseira direita saiu por R$ 1.246.

Após o conserto, as partes reparadas ficaram muito desalinhadas Fernando Pires/Quatro Rodas

A capa plástica do para-choque e o vidro inferior, ambos da traseira, também surpreenderam por conta do preço elevado: respectivamente, R$ 1.001 e R$ 1.249.

Mas nem os preços das peças tão altos decepcionaram tanto quanto a qualidade dos serviços prestados pela concessionária Sun North.

“Quando cheguei à garagem da Editora Abril e vi o Prius reparado, de longe, notei o capô desalinhado. Depois, já ao lado do carro, notei que todas as partes trocadas estavam com espaçamentos irregulares”, diz Péricles.

Como foi instalado errado, na horizontal, ele simplesmente saía do limite da carroceria, após varrer o aerofólio Fernando Pires/Quatro Rodas

“Na dianteira, os faróis estão saltados em relação aos para-lamas. Atrás, o aerofólio está mal colado, dando a impressão de que pode se desprender. A tampa está desalinhada, com uma gigantesca diferença em relação à carroceria entre os lados direito e esquerdo. Não é preciso ser especialista para encontrar as falhas”, completa o editor.

O mal reparo feito pela Sun North cria um intervalo na boa fama da rede Toyota. E tem mais: o limpador traseiro, mal ajustado, chegava a sair da área da tampa.

Continua após a publicidade

“Em vez de colocarem o braço na posição de descanso original, na vertical, instalaram na horizontal. Uma vez acionado, ele se move em direção oposta à do vidro, deslizando sobre o aerofólio”, diz Péricles.

Parece inacreditável, não é mesmo? Pois o GIF abaixo mostra como o componente ficou:

Péricles Malheiros/Quatro Rodas

Para completar, a Sun North devolveu o Prius com a pequena faixa de vidro traseiro sem película solar nem polimento completo da carroceria para igualar visualmente as superfícies pintadas.

Por telefone, sem nos identificarmos como QUATRO RODAS, questionamos a consultora responsável pelo atendimento se não deveríamos ter sido avisados de tais pontos.

“A seguradora não autoriza o polimento das partes em que não houve reparo. Para isso, é preciso pagar R$ 400. Quanto à película, posso fazer um orçamento”, respondeu a técnica, ainda sem entender que não queríamos brinde, mas só o carro em ordem, como qualquer consumidor.

Na traseira, dano maior no vidro inferior e para-choque Fernando Pires/Quatro Rodas

Depois descobrimos que teríamos de fazer nova lacração da placa traseira, por causa da troca da tampa do porta-malas, que também não foi avisada.

Como o Prius ficou pronto às vésperas do fechamento, retornaremos à Sun North para verificação dos problemas de alinhamento das peças e contaremos o desfecho na próxima edição.

Toyota Prius – 50.893 km

Ficha técnica

  • Versão: 1.8 16V híbrido
  • Motor: 4 cil., diant., transv., 1.798 cm3, 16V, 98 cv a 5.200 rpm, 14,5 mkgf a 3.600 rpm/ elétr., 72 cv, 16,6 mkgf/potência combinada, 123 cv
  • Câmbio: aut., CVT

Consumo

  • No mês: 16,3 km/l com 53,6% de rodagem na cidade
  • Desde fev/18: 16,9 km/l com 31% de rodagem na cidade
  • Combustível: gasolina, eletr.

Gasto no mês

  • Combustível: R$ 744

Seguro

  • R$ 6.941

Revisões

  • Até 60.000 km: R$ 3.875
Continua após a publicidade
Publicidade