Impressões: Peugeot 208 recebe câmbio automático de seis marchas

Nova transmissão dá novo fôlego ao hatch. Design permanece sem alterações

O novo 208 com câmbio de seis marchas não passou por nenhuma mudança no design exterior (Peugeot/Divulgação)

Ter um câmbio automático de quatro marchas no catálogo não é necessariamente ruim – o Toyota Etios está aí para provar isso. Mas, no caso da famigerada caixa AL4 da PSA Group, as críticas estão longe de serem exageradas.

Tanto que a chegada do novo câmbio de seis marchas na linha de compactos da Peugeot e Citroën foi celebrada por boa parte dos entusiastas da marca. Mas será que essa atualização gera tanta comoção? Bem, só testando o novo 208 1.6 automático para descobrir.

De antemão, podemos antecipar: sim, o novo câmbio fez o hatch mudar quase que da água para o vinho. Mas vamos contextualizar o cenário para embasarmos uma declaração tão forte.

Primeiro, olhemos pra concorrência: excetuando-se pelo já citado Etios, todos os rivais diretos do 208 com câmbio automático possuem seis marchas. Chevrolet Onix e o novo Volkswagen Polo já nasceram com essa caixa, enquanto a Hyundai atualizou a transmissão do HB20 junto com a reestilização do hatch. Só o March destoa, já que usa um câmbio continuamente variável (CVT).

Sensor de ré é de série nas versões com motor 1.6. Câmera e sensores frontais, no entanto, são exclusivos das versões Griffe e GT (Divulgação/Divulgação)

Neste cenário fica o 208, cujas versões automáticas sempre foram vinculadas ao motor 1.6 16 EC6. O propulsor já nasceu sem tanquinho de gasolina para partida a frio e pode gerar bons 115 cv (a 5.750 rpm) e 16,1 kgfm (a 4.750 rpm).

Números condizentes com o mercado, mas que era mal aproveitado pelo problemático câmbio de quatro marchas – mesmo com o 208 anterior sendo mais potente, já que regras menos exigentes de emissões permitiam ao conjunto chegar a 118 cv com o conjunto antigo.

Além da última marcha excessivamente curta (que resulta em consumo rodoviário elevado), essa caixa é a principal protagonista de piadas envolvendo a (falta de) confiabilidade mecânica de modelos com origem francesa.

Não é exagero: pesquise no Google por “Peugeot câmbio automático quatro marchas”. O primeiro resultado, ainda que patrocinado, será de uma oficina mecânica.

Principal mudança no interior está no novo sistema multimídia com Android Auto e Apple Carplay (Divulgação/Peugeot)

Mas vamos falar de coisa boa. O novo câmbio de seis marchas, produzido pela Aisin (a mesma empresa que faz caixas para modelos que vão do Etios, passando pelo Renegade e chegando até ao BMW X1), já era usado nos modelos médios da PSA, como o Peugeot 308 e Citroën C4 Picasso.

O que impedia sua adoção nos modelos menores era o espaço diminuto no cofre, que exigiria até a readequação da estrutura onde é fixada a suspensão dianteira, segundo a Peugeot afirmou durante o lançamento do 2008 – outro que não tinha opção de câmbio automático de seis marchas. Sem interesse (e/ou verba) para modificar o projeto, a PSA aguardou a chegada de uma nova versão da caixa, menor e compatível como espaço sob o capô.

Na linha 208 o câmbio automático estreou junto com a linha 2018 da gama. Além da nova caixa, o pacote de mudanças inclui um novo sistema multimídia com tela capacitiva de 7″ e espelhamento para celulares Android e iOS de série em todas as versões. As versões automáticas, no entanto, estão restritas ao 208 Allure (R$ 65.990) e Griffe (R$ 70.490), sempre com motor 1.6.

QUATRO RODAS avaliou a versão Griffe, topo de linha com opção automática. Ela inclui a longa lista de itens de série da versão Allure (airbags laterais, sensor de ré, rodas de liga leve, direção eletroassistida, ar-condicionado digital de duas zonas, trio elétrico, alarme, teto-solar panorâmico fixo, controlador e limitador de velocidade, Isofix e luzes de posição em LED) e adiciona sensor de estacionamento frontal, câmera de ré, sensor de luz e crepuscular, pneus 195/55 R16 e airbags de cortina.

Novo câmbio de seis marchas pode ser identificado pela manopla com desenho exclusivo (Divulgação/Peugeot)

A ficha técnica pouco muda em relação ao antigo câmbio de quatro marchas. Por ser mais moderna e compacta, o 208 Griffe AT6 é só 2 kg mais pesado que seu antecessor, batendo nos 1.183 kg. Isso fez com que ele acelerasse de 0 a 100 km/h em 12,5 s e cumprisse a retomada de 60 a 100 km/h em 6,9 s. Mas o número que mais empolga é o de consumo: 11,3 km/l na cidade e 14,7 km/l na estrada.

Além de gastar menos, o 208 ficou mais esperto. Mesmo com o modo Sport desligado, ele responde rápido ao acelerador, e avança as marchas rapidamente tão logo o(a) motorista alivie o pé direito. A forma com a nova caixa se adapta rapidamente ao estilo de condução é tão bom que o modo Eco nem parece ser tão necessário.

O trem de força renovado caiu como uma luva no conjunto do 208, que foi feito muito mais de olho na dirigibilidade do que seu irmão C3. Ainda que ao custo de uma suspensão levemente dura, o hatch responde prontamente aos movimentos de seu volante de pequeno diâmetro, e empolga a ponto de ser necessário reforçar a crítica da ausência de controle de estabilidade.

Essencial para uma condução segura, especialmente em pisos escorregadios, o equipamento só está disponível no modelo topo de linha 208 GT – que, por enquanto, continua apenas com câmbio manual.

Não dá para ganhar todas. Mas só de, finalmente, deixar um dos poucos vestígios de seu passado ruim para trás, a Peugeot pode sonhar em ganhar mais uma fatia do segmento de compactos com seu novo 208.

Veredicto

O novo câmbio automático deu novo vigor ao 208 1.6. A perda de potência por conta das novas regras de emissões e consumo mal passou desapercebida, e o conjunto aproveita melhor a boa dinâmica do hatch. O pacote de equipamentos é bom para essa faixa de preço, mas o ESC poderia ser disponibilizado ao menos na versão Griffe.

Teste (com gasolina)

Aceleração de 0 a 100 km/h: 12,5 s
Aceleração de 0 a 1.000 m: 34,1 s – 154,5 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h: 5,6 s (em D)
Retomada de 60 a 100 km/h: 7,0 s (em D)
Retomada de 80 a 120 km/h: 9,1 s (em D)
Frenagens de 60/80/120 km/h a 0: 18,2/30,2/72,2 m
Consumo urbano: 11,3 km/l
Consumo rodoviário: 14,7 km/l

Ficha técnica – Peugeot 208 1.6 Griffe Automático

  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros, 1.587 cm3, 16V, 82,0 x 78,5 mm, 12,5:1, 115 cv a 5.750 rpm (G) / 118 cv a 5.750 rpm (E), 16,1 mkgf a 4.750 rpm (G/E)
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson(dianteiro), eixo de torção (traseiro)
  • Freios: disco ventilado (dianteiro), tambor (traseiro)
  • Direção: elétrica, 11,2 m (diâmetro de giro)
  • Rodas e pneus: 195/55 R16
  • Dimensões: comprimento, 397,5 cm; largura, 170,2 cm; altura, 147,2 cm; entre-eixos, 254,1 cm; peso, 1.183 kg; tanque, 55 litros; porta-malas, 285 litros
  • Preço: R$ 70.490
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. eduardo Pinheiro

    Uma empresa conceituada Alemã (Dreka) realizou amplo estudo avaliando 1000 unidades de cada modelo dos carros mais vendidos em Portugal. Fizeram avaliações do 0 ao 50.000 km e do 50.001 ao 100.000 km, com o intuito de verificar os principais problemas. Dividiram em problemas simples e graves. O 208 se saiu muito bem nesse teste (a exemplo do ‘irmao’ 2008), tendo, por exemplo, se mostrado mais confiável que o Polo e o Corsa Europeu – segue link abaixo. OU seja, esse carro é muito bom e não é por menos que há mais de meia década é o mais vendido da Europa e na ARgentina é o que mais vende em seu segmento.

    https://www.motor24.pt/area-de-servico/as-avarias-comuns-dos-carros-vendidos-portugal/

  2. eduardo Pinheiro

    *está entre os mais vendidos da Europa há mais de meia década…

  3. eduardo Pinheiro

    ** Ah, e uma coisa muito curiosa nesse estudo é que o pior avaliado foi o toyota Yaris!!! Será que em Portugal eles não compram toyota por achar que dá muito problema??? rss