Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões: novo Audi Q3 é quase tão legal de dirigir quanto um sedã

Andamos na segunda geração do SUV premium, que chega ao Brasil no começo de 2020 com nova carroceria, mas mantendo o motor 1.4 TFSI

Por Paulo Campo Grande - Atualizado em 21 nov 2019, 08h00 - Publicado em 21 nov 2019, 07h00
No Brasil, Audi Q3 troca a carroceria, mas não o motor Divulgação/Audi

A Audi fez uma avant-première nacional da segunda geração do Q3, que começa a ser vendido em fevereiro de 2020 no Brasil, custando entre R$ 179.990 e R$ 226.990 na versão de topo Black com todos os opcionais.

Clique aqui para ver a lista completa de preços e versões.

Para isso, a empresa trouxe quatro unidades do modelo da Alemanha, em configurações específicas para aquele mercado, e organizou um test-drive na Chapada dos Guimarães (MT).

Q3 enfim passa a usar base MQB Divulgação/Audi

Além das diferenças de conteúdo – a versão alemã tem, por exemplo, sistema de leitura de placas e dispositivo de alerta de pontos cegos, que não estarão disponíveis no Brasil –, as unidades estão equipadas com motor 1.5 turbo a gasolina de 150 cv e câmbio automático de sete marchas.

Continua após a publicidade

Já o nosso Q3 terá motor 1.4 turbo flex, também com 150 cv e 25,5 mkgf, e câmbio automático de seis marchas.

Motor 1.5 TFSI não virá ao Brasil Divulgação/Audi

Apesar dos dados idênticos de potência e torque, não dá dizer como será o desempenho da nossa versão, dinamicamente em razão das diferenças de câmbio, principalmente. No 1.5 turbo europeu, o escalonamento com uma marcha a mais permite um melhor aproveitamento da força gerada.

Visual é inspirado no grandalhão Q8 Divulgação/Audi

Ao menos é possível comentar o comportamento do carro nas ruas e estradas, porque as calibrações de suspensão e de direção não mudarão.

O novo Q3 ficou mais gostoso de dirigir. Em relação ao antecessor, sua direção está mais leve, sem perder a precisão, o comportamento macio, a boa interação dos pneus com o piso ou a boa capacidade de segurar as oscilações laterais nas curvas.

Continua após a publicidade
Q3 inclui luzes de seta fluidas nas lanternas Divulgação/Audi

Outra mudança importante, embora discreta, foi o reposicionamento do banco em relação ao painel e aos pedais. O ponto H ficou mais baixo, o que deu ao Q3 uma pegada mais de automóvel do que de SUV, embora as suspensões continuem elevadas.

A Audi fez o movimento já verificado em rivais como BMW X2, Volvo XC40 e Lexus UX.

Posição de dirigir está mais baixa. Bancos usam alcantara na versão de topo Divulgação/Audi

Em dimensões, o Q3 cresceu: 9,7 cm no comprimento, chegando a 4,48 metros no total; 2,5 cm na largura (1,86 m); 0,2 cm na altura (1,58 m); 7,7 cm na distância entre-eixos (2,68 m).

Q3 está mais comprido Divulgação/Audi

Numericamente parece pouco, mas foram esses ajustes que possibilitaram reorganizar o espaço interno do carro.

Continua após a publicidade

Nos bancos da frente não se nota ganho substancial, mas atrás os ocupantes viajam com mais conforto e o porta-malas cresceu de 460 litros para 530 litros, com os bancos na posição normal.

Porta-malas teve volume aumentado em 70 litros Divulgação/Audi

Em relação ao acabamento, os bancos são revestidos em couro sintético ou couro e camurça (alcantara) sintéticos, dependendo da versão.

O painel tem materiais plásticos de diferentes texturas e qualidade superior, perceptível ao olhar e ao toque. E há frisos metalizados no painel, ao redor dos instrumentos e nas portas.

Painel tem elementos à altura de um SUV premium, e outros nem tanto Divulgação/Audi

Incomoda reconhecer linhas de estilo, como a que circunda o painel de instrumentos e a central multimídia, que lembram os VW. Como faz parte do Grupo VW, é normal que a Audi use componentes compartilhados, mas essa proximidade poderia ser evitada.

Continua após a publicidade

Como resumo da ópera podemos dizer que o que era bom ficou melhor no caso do Q3, que é o SUV da Audi mais vendido no Brasil, com 25.000 unidades comercializadas desde 2013, quando começou a ser importado.

Espaço na fileira traseira está mais generoso Divulgação/Audi

A partir de 2016, sua produção foi nacionalizada. A nova geração também será importada, da Hungria, único país a produzir o SUV no mundo.

Durante a apresentação do Q3, o presidente da empresa no Brasil, Johannes Roscheck declarou que gostaria de produzir a nova geração no país, em São José dos Pinhais (PR).

Câmbio da especificação 1.4 TFSI brasileira terá seis marchas, e não sete Divulgação/Audi

Entretanto, segundo ela, essa é uma decisão que depende de definições das regras estabelecidas pelo programa Rota 2030 para a indústria automobilística.

Continua após a publicidade

Caso o novo Q3 não seja nacionalizado, a Audi ficará sem nenhum carro produzido localmente após a troca de geração do A3 Sedan, que, conforme antecipado exclusivamente por QUATRO RODAS, passará a novamente ser importado.

 

Ficha técnica – Audi Q3 2021 (pacote Brasil)

  • Preço: R$ 179.990 a R$ 226.990
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, turbo, injeção direta, 1.395 cm³; 16V, 74,5 x 80 mm, 10,5:1, 150 cv a 5.000 rpm, 25,5 mkgf a 1.500 rpm
  • Câmbio: automático, seis marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteiro), independente multibraço (traseiro)
  • Freios: disco ventilado (dianteiro), disco sólido (traseiro)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 215/65 R17 a 235/50 R19
  • Dimensões: comp., 448,5 cm; larg. 185,6 cm; alt., 158,5 cm; entre-eixos, 255,1 cm; peso, n/d; tanque, 60 l; porta-malas, 530 l
Publicidade