Clique e assine por apenas 6,90/mês

Teste: BMW X2, o ponto fora da curva

A nova versão foge dos padrões dos SUVs não só no visual mas também em outras características, como a posição de dirigir

Por Henrique Rodriguez - 27 jun 2018, 18h05
X2 tem linha de cintura alta e área envidraçada pequena Christian Castanho/Quatro Rodas

indústria está cheia de histórias de marcas que criaram modelos fora dos padrões e se deram bem. O exemplo mais recente é o da Land Rover, com o Evoque. Mas há a Mercedes com o CLS. E, mais próximo de nós, a Ford com o EcoSport.

Agora, a BMW (que já fez o X6) propõe o X2, que começou a ser vendido no Brasil em maio. 

O X2 é por definição um SUV cupê. Mas não perca seu tempo tentando enquadrar em uma determinada categoria um veículo que foi feito para fugir dos padrões. O X2 tem características que o diferenciam até mesmo desse grupo de SUVs cupês (por si só uma excentricidade).

Teto solar elétrico é exclusivo da versão MSport Christian Castanho/Quatro Rodas

Uma delas é o caimento da tampa traseira mais acentuado do que o de um SUV cupê.

Continua após a publicidade

A outra é a posição de dirigir. No X2, o motorista viaja 2 centímetros mais baixo do que em um SUV como o X1.

Essa mudança altera completamente a forma como o motorista se relaciona com o carro (painel, pedais e instrumentos) e com o ambiente externo (perde-se aquela sensação de superioridade e domínio da estrada).  

Versão traz banco de couro e faixa de alumínio no painel Christian Castanho/Quatro Rodas

Visualmente, o X2 é um pouco exagerado. Por fora, a carroceria acomoda cantos vivos e contornos arredondados, superfícies planas e vincos bem marcados. Por dentro, há mistura excessiva de cores, materiais, texturas (principalmente à noite, quando a cabine – painel e luz ambiente – fica iluminada).

Mas, no dia a dia, ele é um carro gostoso de dirigir e que acomoda cinco pessoas com conforto. Quem viaja no banco detrás encontra bom espaço para pernas e cabeça. No porta-malas cabem 370 litros.

Continua após a publicidade
Capacidade do porta-malas vai de 370 a 1.255 litros (com o banco traseiro rebatido) Christian Castanho/Quatro Rodas

O X2 chega em duas versões, SDrive 20i (R$ 211.950) e SDrive 20i MSport (R$ 246.950). As duas trazem o mesmo conjunto mecânico, com motor 2.0 de 192 cv, câmbio automatizado de sete marchas e tração dianteira. A mais cara mostrada aqui se diferencia pela lista de equipamentos de série mais extensa.

Entre os itens de estilo e acabamento, há bancos esportivos revestidos de couro e apliques de alumínio, por dentro, e detalhes cinza (para-choques,  caixas de rodas e saias) e o spoiler traseiro, por fora. A versão MSport traz equipamentos exclusivos como teto solar, head-up display e sistema de navegação Plus.

Sistema de ar-condicionado tem saídas na pare traseira da cabine Christian Castanho/Quatro Rodas

Nas duas configurações, não faltam dispositivos obrigatórios em um BMW como a central multimídia I-Drive, o dispositivo de conectividade ConnectedDrive (com monitoramento e serviços diversos: notícias, concierge e aplicativos) e Drive Experience, que permite selecionar os modos de condução Eco Pro, Comfort e Sport, com mudanças nas respostas de acelerador, direção,  transmissão e som do motor.

Central compatível com sistema Apple CarPlay tem sistemas ConnectedDrive Christian Castanho/Quatro Rodas

Em nosso teste, buscamos o melhor programa para cada situação: nas provas de desempenho, optamos pelo modo Sport, mas nas medições de consumo usamos o modo Eco Pro. O X2 andou bem e apresentou um consumo baixo.

Continua após a publicidade

Nas acelerações de 0 a 100 km/h, ele fez o tempo de 7,7 segundos e nos ensaios de consumo ficou com as médias de 11,8 km/l na cidade e 15,9 km/l na estrada.

Motor 2.0 de 4 cilindros gera 192 cv Christian Castanho/Quatro Rodas

O X2 pode ser uma boa opção para quem procura um carro diferente de todos que já teve. O único inconveniente (para os mais discretos, ao menos) é o fato de o motorista tornar-se alvo de olhares por onde passa, principalmente se o SUV for na cor amarela (Galvanic Gold), como a da unidade das fotos. 

Coluna traseira ostenta um emblema da marca Christian Castanho/Quatro Rodas

Veredicto

Além de ser gostoso de dirigir, ser bem equipado e ter bom desempenho, ainda desfila seu estilo incomum pelas ruas

Continua após a publicidade

Teste de pista

  • Aceleração de 0 a 100 km/h: 7.7s
  • Aceleração de 0 a 1.000 m: 28,5s- 188,7km/h
  • Velocidade máxima: 227km/h
  • Retomada de 40 a 80 km/h: 3s
  • Retomada de 60 a 100 km/h: 3,9s
  • Retomada de 80 a 120 km/h: 4,9s
  • Frenagens de 60/80/120 km/h a 0 m: 15,3/26,4/60,8m
  • Consumo urbano:11,8 km/l
  • Consumo rodoviário: 15,9km/l

Ficha técnica – BMW X2

  • Preços:  R$21.950 a R$246.950
  • Motor:  gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.998 cm³, 16V, 94,6 x 82,0 mm, 11:1, 192 cv a 5.000-6.000 rpm, 28,6 mkgf a 1.350-4.600 rpm
  • Câmbio:  automatizado, 7 marchar, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteiro) e Multilink (traseiro)
  • Freios: disco ventilado nas quarto rodas
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: aço, 225/45 R19
  • Dimensões: comprimento, 436 cm; largura, 182,4 cm; altura, 152,6 cm; entre-eixos, 276 cm; peso, 1.535 kg; tanque, 51 l; porta-malas, 470 l
Publicidade