Impressões: Ford EcoSport sem estepe oficializa gambiarra de clientes

Por R$ 103.890, versão substitui pneu reserva por compostos run flat e kit de reparo, mas exige cuidado do motorista ao volante

A placa subiu para compensar a ausência do estepe

A placa subiu para compensar a ausência do estepe (Divulgação/Ford)

Não faltam críticas ao estepe pendurado no porta-malas. Ele facilita o roubo da roda, deixa o composto exposto à intempéries (e vandalismo), gera maior ruído e transforma uma pequena encosta de baliza em um capô amassado ou grade de radiador quebrada.

Muitos consumidores do Ford EcoSport concordavam com isso ou queriam abrir mão do pneu exposto por conta do estilo. Isso fez com que muitos removessem o estepe por conta própria, e até mesmo concessionários faziam a adaptação.

Fora a traseira, o EcoSport sem estepe tem o mesmo visual das outras versões 1.5

Fora a traseira, o EcoSport sem estepe tem o mesmo visual das outras versões 1.5 (Divulgação/Ford)

Mesmo assim, levou quase 16 anos para que a Ford finalmente aposentasse o pneu pendurado na traseira. E, mesmo assim, foi só em uma versão.

O EcoSport Titanium 1.5 não ganhou nenhum nome específico que identifique as novidades pneumáticas.

O modelo entra no lugar do antigo 2.0 Titanium e adota as mesmas diferenças visuais dos EcoSport europeu e norte-americano, que já haviam aberto mão do estepe pendurado.

A maçaneta do porta-malas continua embutida na lanterna direita

A maçaneta do porta-malas continua embutida na lanterna direita (Divulgação/Ford)

Seu preço, de R$ 103.890, só não supera o do Storm 2.0 com tração integral.

A mudança fez com que a placa subisse do para-choque traseiro para a tampa do porta-malas, o que exigiu uma estamparia completamente diferente para a peça.

Apesar disso, a estrutura básica do conjunto foi mantida, incluindo a abertura lateral. Isso exige que o carro precise de pelo menos um metro de folga na traseira para que o porta-malas possa ser acessado.

Além da lei

A abertura lateral da tampa exige espaço extra para acessar o porta-malas

A abertura lateral da tampa exige espaço extra para acessar o porta-malas (Divulgação/Ford)

A legislação brasileira exige que, para abrir mão do estepe, um carro deva ter pneus capazes de rodarem murchos ou um kit de reparação.

A Ford resolveu fazer as duas coisas e colocou, junto aos quatro Michelin Primacy HP ZP, um conjunto de reparação composto por um compressor elétrico e um fluido selante que é injetado dentro do pneu.

O kit de reparo inclui um compressor elétrico e um fluido selante que é injetado no pneu furado

O kit de reparo inclui um compressor elétrico e um fluido selante que é injetado no pneu furado (Divulgação/Ford)

Além disso a marca colocou um sistema ativo de monitoramento da pressão em cada uma das rodas. Essa solução é mais cara, porém mais eficiente do que a variação passiva usada em outros modelos, como o Polo TSI.

O recurso é obrigatório para carros com run flat em regiões como Europa e Estados Unidos.

Isso porque a mudança no comportamento do carro quando o pneu fura é bem diferente do que em um carro convencional — e QUATRO RODAS pôde comprovar isso de perto.

Eletrônica compulsória

Modelo é o único com trocas manuais no volante

Modelo é o único com trocas manuais no volante (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na ocasião do lançamento do EcoSport sem estepe a Ford permitiu que os jornalistas dirigissem os veículos em duas condições distintas: com um dos pneus com baixa pressão e com um dos pneus furado, sempre no eixo traseiro.

Em ambas as situações o computador de bordo alertou para a baixa pressão em um dos compostos, mas um motorista mais desligado talvez não percebesse isso mesmo a olho nu.

Como as laterais dos pneus são reforçadas, a roda não encosta no chão quando não há ar para sustentá-la. Quem faz o apoio passa a ser a própria estrutura interna da borracha, que se deforma mais conforme a roda gira.

As rodas de 17″ são projetadas para manter o pneu preso ao aro mesmo quando murcho

As rodas de 17″ são projetadas para manter o pneu preso ao aro mesmo quando murcho (Divulgação/Ford)

Essa deformação gera calor, e é esse aumento de temperatura que limita a rodagem do pneu a 80 km/h, por até 80 km.

Em diferentes velocidades a maior diferença é o aumento do ruído, mais perceptível com os vidros abertos.

Curvas de raio longo são feitas com nenhuma dificuldade, e o carro anda praticamente em linha reta, como se não houvesse nada de errado.

Versão sem estepe faz parte da linha 2020 do EcoSport

Versão sem estepe faz parte da linha 2020 do EcoSport (Divulgação/Ford)

A situação onde o comportamento é mais distinto, porém, é a mais perigosa. Em mudanças bruscas de direção o carro sai violentamente de traseira, e a manutenção do controle só é possível por conta da intervenção do controle de estabilidade.

Felizmente o ESC é de série no EcoSport, mas isso não altera a prudência do motorista, que deve ser redobrada ao conduzir o carro com pneu furado.

Com os quatro pneus cheios a versão run flat é como qualquer outra. Ainda que tenham havido, as mudanças de suspensão e direção para compensar a troca dos compostos e a distribuição de peso são discretas e quase imperceptíveis.

Mais leve, só que não

Segundo a Ford, a retirada do suporte do estepe, roda e pneu deixou o EcoSport 13 kg mais leve, mesmo considerando que os pneus run flat são mais pesados.

No entanto, o modelo atualmente é oferecido somente na versão Titanium, que é uma das mais equipadas da linha. Isso impossibilita a comparação com seu antecessor, que tinha motor 2.0.

Com isso a única comparação viável é a Freestyle 1.5 Automática, que acaba sendo 13 kg mais leve que a versão sem estepe.

Mas as probabilidades do EcoSport “perder o pneuzinho” em outras versões no futuro são grandes. A Ford não confirma a possibilidade, mas também não nega….

Demorou para o Eco perder o estepe, mas agora o que antes era adaptação pode virar regra em breve.

Ficha técnica – Ford EcoSport Titanium 1.5

  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros, 1.497 cm³, 16V, 84 x 90 mm, 12,0:1, 130 cv (G) / 137 (E) a 6.500 rpm, 15,6 mkgf (G) / 16,2 mkgf (E) a 4.500 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteiros
  • Suspensão: McPherson (dianteiro), eixo de torção(traseiro)
  • Freios: disco ventilado (dianteiro), tambor (traseiro)
  • Direção: elétrica, 10,6 m (diâmetro de giro)
  • Rodas e pneus: 205/50 R17 run flat
  • Dimensões: comprimento, 409,6cm; largura, 176,5 cm; altura, 169,3 cm; entre-eixos, 251,9 cm; peso, 1.310 kg; tanque, 52 litros; porta-malas, 356 litros
  • Preço: R$ 103.890
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Leonardo Reis Bass

    104 Mil num Eco??? …. PQP. Uns 60mil estaria bem pago. Preços no Brasil cada dia mais fora da casinha.