Clique e assine por apenas 8,90/mês

Ford EcoSport perde o estepe para se alinhar a rivais, mas fica mais caro

Configuração inédita no Brasil estreia em versão única, Titanium, com pneus run flat, motor 1.5 e câmbio automático: R$ 103.890

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 30 jan 2019, 17h08 - Publicado em 30 jan 2019, 10h48
Versão sem estepe faz parte da linha 2020 do EcoSport Divulgação/Ford

Após anos de recusas a Ford finalmente lançou no Brasil o EcoSport sem o estepe pendurado na tampa do porta-malas.

Conforme antecipado por QUATRO RODAS, a configuração chega às lojas em fevereiro e será oferecida, por enquanto, em versão única de acabamento: Titanium 1.5 de até 137 cv com câmbio automático tradicional (com conversor de torque) de seis marchas.

Frente do EcoSport Titanium 1.5 sem estepe é a mesma das demais versões Divulgação/Ford

O preço de R$ 103.890 supera bastante os R$ 96.990 do antigo EcoSport 2.0 Titanium e fica abaixo apenas dos R$ 108.390 cobrados pelo aventureiro EcoSport Storm. Este segue como topo de linha e passará a ser a única configuração do SUV equipada com motor 2.0.

Internamente o EcoSport Titanium 1.5 não muda Divulgação/Ford

Voltando a falar do EcoSport 1.5 Titanium sem estepe: ele é visualmente idêntico às versões equivalentes já vendidas na Europa e Estados Unidos.

Continua após a publicidade

O pacote de equipamentos se equipara ao da antiga versão Titanium 2.0, com destaque para chave presencial, controle de estabilidade, ar-condicionado digital de uma zona, sensor e câmera de ré, sete airbags e teto-solar.

Retirada do estepe deixou o carro 17,3 cm mais curto Divulgação/Ford

Apesar da remoção de suporte, pneu extra e roda, a inclusão de mais equipamentos e o peso maior dos compostos run flat deixaram o modelo 13 kg mais pesado (em relação ao FreeStyle 1.5 A/T) e 17,3 cm mais curto.

No lugar do estepe a Ford incluiu um kit de reparo para furos e trocou os pneus 205/50 R17 por modelos run flat com a mesma medida.

O kit de reparo inclui um compressor elétrico e um fluido selante que é injetado no pneu furado Divulgação/Ford

O pneu usado no EcoSport é um Michelin Primacy HP ZP, capaz de rodar por até 80 km a até 80 km/h. Com o kit de reparo a durabilidade aumenta para 200 km, sem alteração na velocidade máxima.

Continua após a publicidade

O conjunto inclui também o monitoramento ativo de pressão dos pneus, essencial (e obrigatório em muitos países) em carros com compostos run flat.

Isso porque, apesar da haver uma mudança de comportamento do carro quando o pneu fura, ela pode não ser perceptível a qualquer motorista.

A retirada também permitiu a realocação do nicho traseiro de placa do para-choque para a tampa do porta-malas.

Entretanto, a abertura da do bagageiro continua a ocorrer lateralmente, uma peculiaridade do EcoSport em relação a outros SUVs e que exige um bom espaço livre na traseira para acessar o compartimento.

Continua após a publicidade

Desde o lançamento do EcoSport, em 2003, o SUV manteve o quinto pneu aparente em todas as versões no Brasil, mesmo quando todos os seus rivais já abriam mão do recurso.

Uma curiosidade é que o EcoSport é, atualmente, o único modelo da Ford no Brasil com pneus run flat. Segundo a marca, nem os premium Fusion, Edge e Mustang contam com tal recurso.

A fabricante afirma que o custo do novo pneu é R$ 899, cerca de 36% a mais que um equivalente sem o recurso run flat.

A Michelin também afirma que o composto pode ser reparado, desde que o furo não tenha atingido a banda lateral do pneu.

Continua após a publicidade

Os pneus run flat também demandam uma roda exclusiva e o monitoramento de pressão, o que limita a adoção da novidade em outras versões do EcoSport.

Publicidade