Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Honda CR-V 2021 pode evitar acidentes, mas cobra quase R$ 25.000 a mais

SUV reestilizado ganhou tecnologias semiautônomas, mas ao invés de oferecer um sistema híbrido de propulsão continua com o antigo 1.5, custando R$ 264.900

Por Isadora Carvalho Atualizado em 24 jun 2021, 17h54 - Publicado em 24 jun 2021, 13h58
Novo Honda CR-V 2022
Novo Honda CR-V 2021 Divulgação/Honda

Nos jargões do mercado financeiro, existem três maneiras de classificar um investidor: conservador, moderado e arrojado ou agressivo. E esses perfis também podem ser atribuídos aos consumidores de carros.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90. 

É esse primeiro perfil citado (conservador) que forma a maioria dos compradores de Honda no Brasil. Afinal, a marca japonesa tem tradição e custos de manutenção relativamente baixos e previsíveis. Seguindo esta metáfora, a nipônica acaba de lançar a linha 2021 do CR-V. Porém, para concorrer dentro da categoria mais disputada do Brasil, será necessário um pouco mais do que tradição.

O SUV está em sua quinta geração, lançada por aqui em 2018 e que recebe agora a sua última mudança, já que a sexta geração já roda em testes nos EUA e deverá ser lançada por lá em 2022.

Honda CR-V
Divulgação/Honda

O CR-V 2021 chega importado dos Estados Unidos em única versão, a Touring, com as mudanças que já convivem com os americanos há um ano e meio.

Com alguns retoques no visual, mas sem alterações mecânicas, o SUV topo de linha da Honda tem como seu principal trunfo a adoção de um pacote de tecnologias de condução semiautônoma, cada vez mais “popular” entre os SUVs premium.

  • Mas, para ter esse verdadeiro arsenal de dispositivos que auxiliam na condução do dia a dia e podem até evitar acidentes, será necessário desembolsar a bagatela de R$ 264.900 – um aumento exato de R$ 24.910 em relação ao modelo anterior, ou 10%. É preciso levar em consideração que a balança cambial não está a favor da nossa moeda mas, ao compararmos com seus rivais diretos, esse preço elevado salta aos olhos.

    Primeiro vamos falar de tudo o que o SUV ganhou de itens tecnológicos e também de suas alterações estéticas.

    Na dianteira, a linha 2021 ganhou uma nova grade no estilo colmeia e um para-choque redesenhado que dá uma sensação de robustez. Os faróis não tiveram mudança de formato ou desenho interno e continuam equipados com lâmpadas full led. A novidade está nos faróis de neblina, que agora são em led.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Na lateral há um novo friso cromado que atravessa toda a extensão do carro e novas rodas de liga leve de 18”.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Para completar as alterações de design, a faixa cromada que unia as lanternas (agora escurecidas) deu lugar a uma peça cromada com efeito mais escuro. Há também um novo para-choque e novas saídas de escape retangulares – as antigas eram redondas.

    Honda CR-V

    Ao entrar no carro, há novos apliques que imitam madeira no painel das portas, console central e na parte superior do painel dianteiro. Isso traz um ar de sofisticação para a cabine, mas não de modernidade (diga-se).

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    O console central também foi redesenhado e há a presença de bandejas corrediças que permitem acomodar objetos de tamanhos variados ali.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    O teto solar agora é panorâmico e ocupa toda a extensão do teto, trazendo comodidade, claridade e ainda mais requinte para o interior.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Mas vamos falar de tecnologia embarcada, pois é nesse quesito que o SUV mais mudou. A começar pela conectividade.

    O CR-V ganhou carregador de celular sem fio, porém a conexão com Apple CarPlay e Android Auto continua sendo por cabo – o que não faz muito sentido pois, se existe a intenção de abandonar os fios pra carregamento, por que não adotar a mesma lógica para o espelhamento de smartphones? Mas a Honda não é a única a promover esse desencontro, o novo Peugeot 3008 sofre do mesmo mal.

    Continua após a publicidade
    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    A central multimídia é intuitiva, mas de apenas 7 polegadas. Para um modelo premium espera-se uma tela maior. Só não se pode reclamar da quantidade de entradas USB: são duas no console central e mais duas para quem vai atrás.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Os passageiros traseiros continuam usufruindo de um ótimo espaço pra pernas com 266 cm de entre-eixos, e o assoalho é completamente plano garantindo ainda mais conforto. As dimensões continuam as mesmas e o SUV mantém um dos seus principais atributos: ótimo espaço e vida a bordo.

    Honda CR-V
    O porta-malas continua com os generosos 522 litros Divulgação/Honda

    A experiência a bordo é completada por um sistema de som que ganhou um subwoofer para um reforço nos graves, no total são nove auto-falantes.

    CR-V é um bom copiloto

    O sistema Sensing, como é batizado o conjunto de tecnologias semiautônomas, é, sem dúvidas, a principal mudança da linha 2021 e também a responsável por um aumento tão expressivo no preço. Ele funciona por meio de uma câmera no para-brisas e também um radar localizado na grade frontal. Neste conjunto estão piloto automático adaptativo com ajuste da velocidade, frenagem autônoma de emergência (que funciona em velocidade entre 72 km/h a 145 km/h) e assistente de mudança de faixa com correção de trajetória.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Uma outra tecnologia chamada LaneWatch não faz parte do pacote Sensing, mas equipa o SUV e se mostrou ser realmente útil nos deslocamentos urbanos. Sempre que o condutor aciona a seta para direita a imagem do trânsito ao lado aparece na central multimídia.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Em avenidas de trânsito rápido nas quais há a presença de um volume considerável de motos, essa tecnologia traz conforto e segurança para as mudanças de faixa. Falando ainda de conforto na condução, o modelo é equipado com head up display, que projeta informações em uma tela de acrílico que é revelada ao ligar o botão de partida. Além da velocidade, é possível visualizar o conta-giros e orientações do GPS.

    Mesmo motor 1.5 turbo

    O trem de força continua o mesmo com o conjunto do motor 1.5 turbo a gasolina combinado com o câmbio CVT. O propulsor rende 190 cv de potência e 24,5 kgfm de torque. A novidade fica pela adoção do sistema start-stop que, segundo a Honda, trouxe melhorias para o consumo de combustível.

    Não pudemos levar o novo CR-V pra pista para comprovar se ele ficou mais econômico, mas segundo a Honda o modelo agora consome 11 km/l na cidade e 12,3 km/l na estrada. Nos nossos números de teste aferidos com o modelo anterior fez 10,5 km/l no ciclo urbano e 13,2 km/l no rodoviário.

    Devido a tecnologias embarcadas, o CR-V ficou mais pesado: são 1.629 kg contra 1.607 kg do anterior, mas isso não afetou o seu bom desempenho.

    As acelerações e as retomadas são eficientes, e motor e câmbio trabalham bem juntos. Mesmo em subidas mais inclinadas o conjunto vence com tranquilidade, porém o ruído do motor invade a cabine nesta condição pelo tipo de funcionamento do câmbio de relações contínuas, o que mostra que ou há um ruído excessivo do motor ou mesmo alguma falha no isolamento acústico.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    A posição de dirigir é elevada e a direção é leve, porém a condução é um pouco anestesiada devido a suspensão privilegiar o conforto e a direção não ser tão comunicativa. No modo Sport essa sensação muda e é até possível se divertir um pouco atrás do volante.

    A suspensão é independente nas quatro rodas e cumpre muito bem o seu papel aliada à amortecedores que filtram bem as imperfeições do piso. A característica de ser independente permite que a carroceria fique mais estável e balance menos ao passar por asfaltos mal conservados.

    PREÇO

    É importante frisar que o CR-V 2021 é bem completo e, entre os itens, de série traz seis airbags, freio de estacionamento elétrico, partida por botão, ar-condicionado digital com duas zonas e monitoramento de pressão dos pneus, entre outros. Porém a sua vasta lista de equipamento de série não é suficiente para justificar o seu preço de R$ 264.900.

    Honda CR-V
    Divulgação/Honda

    Isso porque rivais como Volkswagen Tiguan R-line, que também traz recursos semiautônomos, conta com motor 2.0 turbo de 220 cv (mais potente) e também um bom conteúdo de segurança e tecnologia custa R$ 236.090 – mais de R$ 28.000 de diferença. Vale também citar outro concorrente que acaba de ser lançado, o Peugeot 3008 2022, que parte de R$ 229.000 e, mesmo contando com motor 1.6 turbo de 165 cv, menos potente, conta com os mesmos sistemas de auxílio à condução.

    A dúvida que fica é o que motivou a Honda a não disponibilizar uma versão híbrida do SUV (que já é vendida no mercado americano). Essa versão poderia justificar o alto preço e ganhar vantagem frente aos rivais. Nos resta esperar pela nova geração que deve chegar mais sustentável e com preço competitivo.

    Ficha técnica – Honda CR-V Toring 2021

    Motor: gas., diant., transv., 4 cil., 16V, turbo, injeção direta, 1.498 cm3; 190 cv a 5.600 rpm, 24,5 mkgf a 2000 rpm
    Câmbio: automático, CVT, tração integral
    Suspensão: McPherson(dianteira) / multilink (traseira)
    Freios: discos ventilado (dianteira) e sólido (traseira)
    Direção: elétrica
    Rodas e pneus: liga leve, 235/60 R18
    Dimensões: comprimento, 463,1 cm; largura, 185,5 cm; altura, 168,9 cm; entre-eixos, 266 cm; peso, 1.629 kg; tanque, 57 l

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

    QUATRO RODAS de junho já está nas bancas!

    Continua após a publicidade
    Publicidade