VW explica como o novo Polo quer se tornar o compacto mais seguro

Sexta geração do Polo terá mesma estrutura do europeu e quatro airbags de série

Maquete em clay tem tamanho real do Polo

Maquete em clay tem tamanho real do Polo (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

A apresentação do Volkswagen Polo em partes continua. Depois de nos proporcionar um test-drive, revelar equipamentos e anunciar o início da produção, mostrou detalhes de segurança e ainda as diferenças de design entre o carro nacional. Tudo isso sem mostrar o Polo por completo

Explico: o que a Volks apresentou aos jornalistas foi uma maquete em tamanho real feita de argila sintética (cuja matéria prima principal é enxofre), além de desenhos que retratam fielmente o carro. Mas o Polo de verdade, feito de lata, plástico e borracha (não necessariamente nesta ordem) só será revelado no lançamento, dentro de um mês.

Mas as vendas terão início apenas em novembro.

Por este ângulo o Polo brasileiro é igual ao europeu

Por este ângulo o Polo brasileiro é igual ao europeu (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

A forma mais fácil de reconhecer o novo Polo fabricado em São Bernardo do Campo (SP) é olhando para o para-choque dianteiro. Por aqui a peça terá área preta sem pintura acima da tomada de ar central, que se encontra com vincos que nascem nos faróis. Visualmente, parece que o carro ganha uma boca. A tomada de ar, porém, não aumenta.

Frente do Polo nacional tem uma “boca” no centro do para-choque

Frente do Polo nacional tem uma “boca” no centro do para-choque (Divulgação/Volkswagen)

Desenho (sketch) ajuda a ter ideia do design definitivo do Polo

Desenho (sketch) ajuda a ter ideia do design definitivo do Polo (Divulgação/Volkswagen)

As alterações são puramente estéticas. Diz a Volks que é para dar ar mais esportivo, algo que teria sido pedido pelos clientes brasileiros em pesquisas preliminares.

Lanternas do Polo nacional não terão leds

Lanternas do Polo nacional não terão leds (Divulgação/Volkswagen)

Já havíamos falado que nosso Polo terá conjunto óptico diferente, com faróis de duas parábolas sem leds diurnos e lanternas também sem leds. Agora, sabe-se que luzes diurnas de leds estão ao lado dos faróis de neblina e estarão disponíveis a partir da versão intermediária.

Painel da versão Highline: parte superior preta, inferior clara e quadro de instrumentos digital

Painel da versão Highline: parte superior preta, inferior clara e quadro de instrumentos digital (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Por dentro, nada de plásticos da cor da carroceria como no Polo europeu. O interior muda de acordo com a versão. Na de entrada, sem nome, o painel tom de cinza claro. Na seguinte, Comfortline, os plásticos escurecem um pouco e na topo de linha, Highline, a parte superior do painel é preta e a inferior, cinza claro.

A forração dos bancos também muda de acordo com a versão e couro sintético será opcional na mais cara.

O mais seguro?

A Volkswagen também mostrou unidades do Polo brasileiro submetidos a testes de colisão em seu próprio laboratório. Mas não esconde que está patrocinando os testes do Latin NCAP. Em outras palavras, fornecerá carros (que serão escolhidos pelo Latin NCAP sob regras predefinidas) para a realização dos testes oficiais.

Imagem mostra a distribuição dos tipos de aço no monobloco do Polo

Imagem mostra a distribuição dos tipos de aço no monobloco do Polo (Divulgação/Volkswagen)

Na verdade, este era o ensejo para falar mais da estrutura do Polo. Como no Up! e no Golf, há aços de ultra-alta resistência e conformados a quente em pontos chave do monobloco. No Polo, os conformados a quente (roxos no infográfico acima), que são mais caros e exigem ferramental próprio, respontem por 18,5% dos aços.

Os aços de ultra-resistência, em vermelho, são usados até mesmo na estrutura dos bancos. Soldas dos bancos e de partes da carroceria são a laser, o que torna a montagem mais precisa e resistente.

Segundo a VW, a disposição dos aços é rigorosamente igual à do modelo europeu – uma leve cutucada em outras montadoras que trazem para o Brasil modelos com estrutura simplificada em relação aos equivalentes do hemisfério norte.

Este seria o efeito da colisão do Polo a 64 km/h contra um obstáculo deformável, que simula outro veículo

Este seria o efeito da colisão do Polo a 64 km/h contra um obstáculo deformável, que simula outro veículo (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Estado do Polo após impacto lateral a 50 km/h, em teste feito nas instalações da VW

Estado do Polo após impacto lateral a 50 km/h, em teste feito nas instalações da VW (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

Ainda falando de segurança, o Volkswagen Polo terá de série airbags frontais e laterais (totalizando quatro) sistema Isofix e controle de tração (M-ABS). Versões com motor 1.0 TSI terão controle de estabilidade (ESC) – opcional nos com motores 1.0 MPI e 1.6 16V MSI, aspirados – e freios a disco nas quatro rodas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Alexandre Magri de Oliveira

    Acho necessário esse preocupação com a segurança, não tenho visto isso em todas montadoras, nota 10 para a vw nesse aspecto. Agora o problema para o brasileiro tem sido preço.. vamos ver no que vai dar.