Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

O que esperar do Purosangue, o primeiro SUV da Ferrari?

Mulas de teste disfarçam bem o visual, mas já é possível traçar projeções com base no que foi informado pela marca

Por João Vitor Ferreira Atualizado em 6 ago 2021, 10h17 - Publicado em 5 ago 2021, 15h40
mula de testes purosangue lateral
Derek Cornelissen/Instagram

Tentando recuperar o tempo perdido, a Ferrari está prometendo muito para seu primeiro SUV. Ou melhor, FUV (veículo utilitário da Ferrari), como a marca prefere que ele seja chamado. Independente da classificação, o Ferrari Purosangue está previsto para o ano que vem e já conseguimos ter uma leve impressão de como será seu design.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

Mulas flagradas em teste ainda têm muitas peças do Maserati Levante, que é um pouco menor que um SUV padrão. ficando próximo dos modelos crossovers (talvez isso explique a nomenclatura própria no SUV Ferrari).

Comparados a outros veículos do segmento, como Lamborghini Urus ou o Bentley Bentayaga, o Purosangue tem linha de teto mais baixa, o que diminui o seu centro de gravidade e, teoricamente, favoreceria a esportividade.

Confirmado pela Ferrari, o SUV terá opção de motorização híbrida plug-in, sendo o primeiro desde o Roma a ter o motor montado na frente. O mais provável é que ele tenha uma configuração semelhante ao do SF90 Stradale, que tem motor V8 4.0 biturbo e transmissão de dupla embreagem, que somados aos motores elétricos dianteiros geram 1.000 cv.

Semelhante, mas não igual. É quase certo que a versão com o V8 será menos potente, para não ofuscar a topo de linha que terá motor V12 e mais de 800 cv. Essa configuração será única, não sendo vista em nenhum rival do segmento e que, possivelmente, não será eletrificada.

“Para ser honesto, eletrificar um V12 significa criar – muito provavelmente – um carro pesado e grande. Portanto, a eletrificação idealmente deve ser combinada com motores menores.”, explica Enrico Galliera, chefe de marketing da Ferrari, em entrevista para a Auto Express.

Por último, ainda existe a possibilidade de versão com motor V6, que assim como a V8, também poderá ser híbrida. A unidade de seis cilindros estreou no 296 GTB que, com seu trem de força híbrido, produz 814 cv. 

O Ferrari Purosangue também pode receber a primeira suspensão ajustável da Ferrari. As molas pneumáticas, escolha mais provável, deixariam o carro mais alto para um off-road leve. Até agora, a marca informou somente que o sistema será inovador, então podemos esperar algo interessante para os próximos meses.

Continua após a publicidade

protoripo purosangue flagrado na rua
Derek Cornelissen/Instagram

Além de uma suspensão mais alta, o que também se espera em um SUV é a tração 4×4. Provavelmente, ela será exclusiva das versões híbridas, com os motores elétricos fornecendo a tração para as rodas traseiras e o motor a combustão sendo montado na parte da frente, como sugere o layout divulgado pela Ferrari.

Já para o V12, uma possível combinação de tração traseira com uma direção nas quatro rodas traria um diferencial que não encontrado nos rivais. Algo semelhante ao sistema de tração da Ferrari FF (2011-2016) e da GTC4 Lusso, superesportivo de quatro lugares da marca que saiu de linha para chegada do utilitário, poderia ser usado.

esquema ferrari purosangue
Layout do Purosangue divulgado em 2018 Divulgação/Ferrari

Como divulgou a Ferrari, o Purosangue terá interior “espaçoso e confortável”, ideal para quatro adultos. Isso sugere que o veículo tenha mais espaço para as pernas e uma altura maior entre a cabeça e o teto. No banco traseiro, os passageiros contarão com um sistema de infoentretenimento próprio, inclusive.

visão traseira prototipo Ferrari purosangue
Derek Cornelissen/Instagram

Já o console e o painel serão menos focados no motorista, se distanciando dos que foram utilizados no 296 GTB e SF90. O mais provável é que o cockpit contenha pacote de instrumentos digitais, display head-up e volante multifuncional de nova geração, igual ao SF90, além de duas telas multimídia — uma no console central e outra acima do porta-luvas– como no Ferrari Roma.

interior Ferrari Roma
A Ferrari Roma conta conta com duas telas multimídia, uma padrão no console central e outra exclusiva para o carona, logo acima do porta-luvas Divulgação/Ferrari

O preço também é um mistério. Seu antecessor custava U$ 263.000 (cerca de R$ 1.300.000 em conversão atual) na sua versão com motor V8 e U$ 303.000 (R$ 1.560.000) com o V12. Essa faixa de preço é um pouco maior do que a de alguns de seus concorrentes diretos, como o Mercedes-Maybach GLS 600 (U$ 161.550), Lamborghini Urus (U$ 207.326) e Aston Martin DBX  (U$ 179.986), todos equipados com motor V8. 

Cotado para o próximo ano, o Ferrari Purosangue será só o primeiro do segmento. Segundo a revista britânica, Car Magazine, a Ferrari já planeja dois SUVs totalmente elétricos para 2024 (codinome F244) e 2026 (codinome F245). A revista também revelou que eles terão nova plataforma, capaz de acomodar até 4 motores elétricos, com potência inicial de 618 cv e bateria com capacidade de 80 kwh.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

Edição de julho
A edição 747 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Quatro Rodas/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

Publicidade