Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O mistério da Ferrari V12 de R$ 4 milhões ‘teletransportada’ de 1974

Encontrada por acaso, Ferrari 330 GT é uma das únicas de seu tipo e chama atenção pelo passado desconhecido

Por Eduardo Passos Atualizado em 28 jul 2021, 19h03 - Publicado em 28 jul 2021, 18h44
1967 Ferrari 330 GT V12 encontrada na Austrália
Raridade e origem curiosa fizeram com que a própria Ferrari viesse examinar a 330 GT V12 2+2 de 1967 encontrada na Austrália Supercar Advocates/Reprodução

Em meados de 2020 o caçador de carros Lee Khouri recebeu uma ligação curta mas animadora: “é uma Ferrari antiga”, dizia o morador do subúrbio de Sydney, Austrália, após encontrar um esportivo guardado há muito tempo na garagem de um parente recém-falecido.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90.

Se garimpar uma Ferrari antiga já é um dia ganho para colecionadores, o que Khouri encontrou, entretanto, foi suficiente para que a própria fabricante fosse à Oceania conferir a descoberta, que ainda segue parcialmente sigilosa.

O objeto em si é uma Ferrari 330 GT V12 2+2, com configuração clássica do motor 4.0 que levava o cupê aos 224 km/h, indo de 0 a 100 km/h em apenas 7,2 s. Desempenho da máquina era tão bom que deixou concorrentes como o Aston Martin DB4 para trás, sendo vencida apenas pelo Lamborghini 350 GT construído por ex-funcionários do Cavallino Rampante.

Ao todo, cerca de 1.099 unidades do carro aclamado por gerações foram produzidas, mas apenas 36 tinham volante à direita, o que eleva ainda mais o valor histórico do achado. Não obstante, o exemplar em questão é apenas um dos cinco RHD fabricados com teto solar.

Passado esquecido

Descobrir pérolas automotivas é um trabalho árduo mas frutífero. Volta e meia surgem coleções raríssimas envolvidas em execução de bens ou que seguiam guardadas por um falecido proprietário, como a 330 GT. Mas o contexto de sua existência ainda gera mistério.

Continua após a publicidade
1967 Ferrari 330 GT V12 encontrada na Austrália
Retrovisor do motorista era item opcional. Não havia opção de instalá-lo no outro lado Supercar Advocate/Reprodução

Fabricado em 1967, o exemplar tem número de chassi 9471 — a primeira 330 GT Série II a ser construída —, tendo logo sido entregue a um cidadão inglês que revendeu-a a um piloto conterrâneo. Em seguida a Ferrari atravessou o mundo e chegou ao australiano anônimo, que realizou a importação em 1974.

  • Este pode ser, inclusive, o ano que o modelo entrou em uma máquina do tempo, de modo a ressurgir 46 anos depois, como se congelada. A Ferrari nunca foi registrada na Austrália e ainda tem placas britânicas. Também há manuais, notas fiscais e ordens de serviço originais, preservadas no porta-luvas mas já desgastados pelo tempo. Outros itens intocados incluem, no porta-malas, macaco, bolsa de ferramentas e uma marreta utilizada para soltar as rodas.

    Projeto inacabado

    1967 Ferrari 330 GT V12 Ice Blue RHD
    Essa Ferrari 330 GT com volante à direita e pintura original em azul Ice Blue serve de projeção do futuro visual do tesouro Dutton Garage/Reprodução

    O grau de originalidade do carro, com cerca de 33.000 km rodados, surpreende, mas são seus defeitos que ajudam a elucidar seu passado. Graças à preservação dos documentos sabe-se que a pintura original em azul Ice Blue foi substituída pelo vermelho, assim como as rodas de magnésio — originais mas repintadas — e a textura dos bancos.

    1967 Ferrari 330 GT V12 encontrada na Austrália (2)
    Tampa de válvulas retornará ao preto original do V12 4.0 Supercar Advocate/Reprodução

    Esses detalhes sugerem que o último dono pretendia modificar o esportivo antes de registrá-lo, mas por algum motivo ainda desconhecido abriu mão da heresia e nunca mais encostou no carro. Desde sua descoberta a Ferrari 330 GT V12 2+2 vem sendo minuciosamente examinada pela fabricante italiana, que tende a homologá-la como peça de coleção e, provavelmente, oferecer novos detalhes de sua origem.

    Documentos originais ajudam na restauração
    Documentos originais ajudam na restauração Supercar Advocate/Reprodução

    Enquanto um colecionador antenado já adquiriu o tesouro e começou a restauração, que envolve um trato na mecânica desgastada com o tempo e reversão de partes inautênticas. Os trabalhos têm acompanhamento oficial e, terminados, devem elevar o valor do cupê a cerca de R$ 4 milhões.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

    Edição de julho
    A edição 747 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Quatro Rodas/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade