Clique e assine por apenas 5,90/mês

Nova geração da Volkswagen Golf Variant é perua sem medo dos SUVs

A novidade é para o mercado europeu, onde o segmento das peruas ainda é forte

Por Joaquim Oliveira - Atualizado em 8 set 2020, 20h54 - Publicado em 8 set 2020, 19h00
Nova Variant é a versão perua do Golf da oitava geração Divulgação/Volkswagen

Ao contrário do Brasil, onde o número de fãs de peruas é cada vez menor (assim como a oferta de modelos), na Europa, esse é um segmento ainda forte, que resiste bravamente à onda dos SUVs que tomou todos os mercados. 

Por isso, as fábricas continuam renovando sua oferta, como é o caso de VW que apresentou hoje, na Alemanha, a nova Golf Variant, versão station do hatchback Golf de oitava geração.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Uma das principais razões para comprar uma perua deve-se à necessidade de espaço e funcionalidade adicionais para bagagens e, neste particular, a nova geração Golf Variant tem dois trunfos importantes.

A perua cresceu 35 cm no comprimento, em relação a sua antecessora Divulgação/Volkswagen

A perua cresceu impressionantes 35 cm em comprimento (que passa a ser de 4,63 metros) e também 6,6 cm na distância entre-eixos face à antecessora. Altura e largura são semelhantes nas duas carrocerias.

A principal vantagem é que o espaço para pernas é agora mais generoso, principalmente na segunda fila de bancos, onde passou de 90 para 94 cm. 

O porta-malas aumentou pouco. Passou de 605 para 611 litros.

A capacidade do porta-malas aumentou apenas 6 litros Divulgação/Volkswagen

O compartimento de bagagem tem ganchos para fixar bolsas, anéis de fixação e iluminação. No lado direito, há duas tomadas: de 12V e 230V. 

E, não falta também, o sistema de abertura automática, daqueles que o  motorista precisa passar o pé abaixo do para-choque traseiro.  

Continua após a publicidade

O painel de bordo é em tudo similar ao do novo Golf de 5 portas, o que quer dizer que é num ambiente muito digitalizado e conectado como é cada vez comum, na Europa.

O painel, com formato horizontal, é digital e conectado Divulgação/Volkswagen

O mesmo se pode dizer relativamente aos equipamentos de assistência à condução, como leitor de placas, alerta de ponto cego, frenagem de emergência e piloto automático adaptativo, entre outros.

No que diz respeito à motorização, a perua terá as mesmas opções do hatchback Golf, entre elas as duas movidas a gasolina, derivadas do motor 1.5 TSI (130 e 150 cv) e duas versões diesel do motor 2.0 TDI (115 e 150 cv) e também uma híbrida GTE, do tipo plug-in, neste primeiro momento de lançamento.

A fábrica ainda não divulgou os preços, mas espera-se que a perua custe cerca de 1.500 euros (arredondando, R$ 9.000) a mais que o Golf em versões correspondentes. 

Haverá versão híbrida e também aventureira AllTrack (foto) Divulgação/Volkswagen

Tal como no Golf VII (desde 2015) existirá em vários mercados internacionais uma versão com “ares” de SUV e também algumas competências, chamada Alltrack.

Dispõe de tração às quatro rodas de série, altura ao solo mais elevada e retoques estéticos provenientes do mundo das trilhas, principalmente visíveis nos para-choques, proteções de plástico na zona inferior da carroçaria e detalhes no interior.

A chance da Golf Variant vir para o Brasil é zero. A geração anterior foi comercializada no país entre 2015 e 2109. Mas, agora, com volume de vendas baixo e com o euro cotado a mais de R$ 6,00, não tem condições. 

Por esses mesmos motivos, a VW encerrou a importação do sedã Passat para o país, no mês passado.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade