Como, em 17 anos, os SUVs sufocaram as peruas até a morte no Brasil

Com nascimento do EcoSport em 2003 e o "boom" do segmento, nos anos 2010, mercado das station wagons definhou até acabar de vez com o fim da Weekend

O Palio mudou, mas perua Weekend não conseguiu seguir as mudanças. Por isso, tornou-se independente

O Palio mudou, mas perua Weekend não conseguiu seguir as mudanças. Por isso, tornou-se independente (Divulgação/Quatro Rodas)

A Fiat Weekend saiu de linha na última segunda-feira (27) e as peruas populares deixaram de vez o mercado.

A station wagon da marca italiana parou de ser fabricada por conta da nova legislação que obriga todos os veículo saírem de série com encosto de cabeça e cinto três pontos para todos os ocupantes da segunda fila, e suporte Isofix para ancoragem de cadeirinha infantil.

Em outubro do ano passado, QUATRO RODAS já havia adiantado que o modelo estaria com os dias contados e que isso poderia dar fim ao segmento no Brasil – já que a Weekend era a única que ainda estava à venda depois da Volkswagen SpaceFox ser aposentada.

As peruas sempre estiveram em nosso mercado desde a Volkswagen Variant na década de 1970, tiveram seus tempos de glória nos anos 80. No início do século XXI, modelos compactos como VW Parati e Fiat Palio Weekend ainda tinham vendas expressivas.

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Naquela época, ainda não existia uma ameaça por parte dos SUV – afinal, eles ainda não tinham uma procura tão alta pela população. Porém, o jogo acabou virando no início da última década e custou caro às peruas. (Veja no gráfico abaixo).

Além de serem teoricamente tão espaçosos como as peruas, os SUVs oferecem uma posição mais alta para a condução e dão mais status ao proprietário.

Além disso, com a procura maior pelos utilitários, a renovação para adequação das SW não aconteceu. Resultado: extinção das peruas generalistas.

Peruas x SUV

Em 2003, o Ford EcoSport chegou ao mercado e deu os primeiros sinais de que o segmento tinha potencial para explodir. Foram 27.177 emplacamentos do veículo da Ford, que renderam praticamente sozinhos 2,01% de participação de mercado naquele ano aos SUVs compactos.

Mas a forte concorrência de Palio Weekend e Parati, com 22.322 e 12.295 unidades vendidas, respectivamente, manteve a categoria das peruas compactoas à frente, somando 2,58% do total de vendas do ano.

Três anos depois, a Parati perdia força e, então, a Volkswagen lançou a sucessora SpaceFox. Isso fez com que as peruas registrassem seu maior percentual de participação de mercado: 4,09%.

 (Divulgação/Volkswagen)

Foram 66.261 unidades vendidas, divididas entre: Palio Weekend (22.049), Parati (18.665), Peugeot 206 SW (13.644) e SpaceFox (10.903). Enquanto isso, o EcoSport caminhava sozinha e registrava 43.589 vendas, com uma fatia de 2,69% entre os novos.

Em 2009, as station wagons nacionais chegaram ao seu mais alto número de vendas: 91.625 unidades. Palio Weekend continuava na liderança com 43.244, seguida por: SpaceFox (31.908), Peugeot 207 SW (8.303) e Parati (8.170).

EcoSport

 (divulgação/Ford)

A participação no mercado era menor (3,43%), mas seguia acima do que os SUVs pequenos, ainda com poucos representantes, eram capazes de alcançar, 1,79% – graças a EcoSport, que emplacava mais de 40 mil unidades novamente.

Porém, a vantagem das peruas não durou muito tempo.

Em 2012, com a chegada do Renault Duster, o segmento virou o jogo e registrou o dobro de emplacamentos das peruas. O segmento somou 100.286 vendas (2,93% do mercado) contra 52.864 (1,54% do mercado) das SWs.

Ano a ano, o abismo se ampliava entre as vendas dos segmentos e suas participações no mercado. Isso aconteceu principalmente porque diversos modelos de SUVs foram lançados no Brasil a partir de 2014.

 (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Dessa forma, o jogo acabou virando e a categoria garantiu 5,52% do mercado em 2015, contra 0,53% das peruas – que passaram a definhar.

A Palio Weekend virou Fiat Weekend, porém, a mudança de nome não foi suficiente e, junto com SpaceFox e SpaceCross, não passaram das 20.000 unidades comercializadas.

Caminho oposto ao que viveram os SUVs. A chegada de Honda HR-V e Jeep Renegade garantiu um “boom” de vendas para a categoria, que registrou 183.859 emplacamentos.

Os números já eram altos naquela época, mas não tanto quanto foram em 2019. No ano passado, os utilitários compactos tiveram impacto significante no mercado, com uma fatia de cerca de 20% do total das vendas.

Foram 490.737 unidades vendidas da categoria, 100 vezes mais do que as modestas 4.945 unidades de peruas compactas – que tiveram apenas 0,2% do mercado.

 (Christian Castanho/Foto/Quatro Rodas)

A maior busca por esses modelos fez com que os investimentos das marcas se concentrassem na produção de novos SUVs.

A prova disso é que, no início de nossa pesquisa, contávamos praticamente com as vendas do EcoSport e, no último ano, 17 automóveis contribuíram para a somatória de vendas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s