Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fiat mata Grand Siena, Doblò e motor 1.8, e Mobi já parte dos R$ 60.000

Fiat se despede de sucessos do passado e abandona o motor 1.8 E.torQ no Brasil

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 31 dez 2021, 19h53 - Publicado em 31 dez 2021, 19h38

A Fiat aproveitou as últimas horas de 2021 para enxugar sua gama de modelos. Limpou a casa antes da virada e acabou com (quase)| tudo que havia de mais antigo em sua linha de produtos.

Em outras palavras, estão saindo de linha os Fiat Doblò, Grand Siena e o motor 1.8 E.torQ, que estava presente nas versões mais caras de Argo e Cronos, e também na versão de entrada da picape Toro – posição agora assumida pela Toro Endurance 1.3 Turbo, de R$ 133.990.

A Fiat também acabou com algo que ela praticamente inventou: o carro popular. Além da marcante despedida do Fiat Uno, já anunciada com direito a série de despedida, o Fiat Mobi Easy, versão de entrada do subcompacto, que custava pouco menos de R$ 50.000 e não tinha ar-condicionado, também foi retirado do site da fabricante.

Fiat Mobi Trekking
Mobi Trekking parte dos R$ 62.990 Divulgação/Quatro Rodas

Agora seu carro mais barato é o Mobi Like, que custa a partir de… R$ 59.190. Ou R$ 59.940 se for branco ou vermelho, ou R$ 60.790 se a cor escolhida for prata ou cinza. Pelo menos ainda tem ar-condicionado, direção hidráulica e vidros e travas elétricas.

Compartilhe essa matéria via:

Com o fim do Grand Siena, o Mobi também se torna o último Fiat equipado com o motor 1.0 Fire – e que pode ter perdido potência e torque com as mudanças necessárias para o Proconve L7.

20 anos sem mudanças

Fiat Doblò terá ISOFIX e Top Tether para continuar em linha pelo menos até 2021

Sim, o Fiat Doblò ainda estava à venda no Brasil e custava mais caro que um Jeep Renegade 0km: R$ 120.490. Talvez seu maior feito no Brasil tenha sido passar 20 anos sem mudar de geração. Sua única reestilização foi há 12 anos, quando recebeu o visual que acabara de ser descontinuado na Europa (onde há uma segunda geração).

Abre-alas para o Cronos

siena
Grade preta surgiu na linha 2020. Quer faróis de neblina? Nem opcionais são Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

A despedida do Grand Siena era esperada pela idade do projeto. Não parece, mas faz cinco anos que o Fiat Palio saiu de linha e desde então o Grand Siena vinha sendo mantido como uma opção de sedã acessível a ponto de ter passado por simplificação no acabamento interno e de ter recebido o motor 1.0 Fire de 73 cv. O 1.4 Fire de 88 cv também seguiu disponível até o fim, com direito a preparação de fábrica para receber GNV.

siena
O botão de abertura do porta-malas, antes no logotipo, não existe mais Fernando Pires/Quatro Rodas

O encerramento da produção do Grand Siena se tornou ainda mais óbvio quando Quatro Rodas descobriu que a Fiat está prestes de lançar um inédito Cronos 1.0. A nova versão, porém, terá o motor três-cilindros 1.0 Firefly (que também pode ter perdido alguns dos seus 77 cv). Ele será lançado junto com o Cronos 1.3 CVT, substituto dos Cronos Drive 1.8 AT, Precision 1.8 AT e HGT 1.8 AT, nos primeiros meses de 2022.

Despedida à brasileira

Apresentados em 2010, os motores E.torQ são mais antigo do que parecem. Surgiram a partir dos motores da Tritec, empresa formada em 1997 por uma joint-venture entre a Chrysler (que se fundiria com a (que se fundiria com a Daimler no ano seguinte) e a britânica Rover, então subsidiária da BMW.

Fiat Toro Endurance
Fiat Toro Endurance Divulgação/Fiat

Em vez de ser construída nos Estados Unidos ou no Reino Unido, a fábrica da Tritec foi instalada em Campo Largo, no Paraná. Ela iniciou suas operações em 1999 e toda sua produção era destinada ao mercado externo – com direito a exportações para a China, onde seriam usados em carros da Lifan e da Chery.

Agora a fábrica paranaense voltará à sua origem. Ela seguirá em operação produzindo motores para carros destinados a exportação – a Fiat Toro 1.3 Turbo ainda não é exportada.

toro
O motor 1.8 E.TorQ Evo é dotado de coletor de admissão variável VIS Divulgação/Fiat

A transformação dos motores Tritec em E.torQ envolveu alterações significativas que garantiram uma sobrevida de 11 anos no Brasil. Houve um investimento de R$ 250 milhões para transformar o 1.6 Tritec (havia, também, um 1.4 16V de 90 cv) nos 1.6 e 1.8 E.torQ, que posteriormente ainda receberia coletor de admissão variável. Mas, pelo visto, não compensaria atualizar novamente o 1.8 16V SOHC para cumprir as novas regras do Proconve L7.

Essa despedida do motor 1.8 E.torQ no Brasil também será estendida ao Jeep Renegade, que terá o motor 1.3 GSE Turbo de 185 cv em todas as versões (inclusive a 4×4) a partir de fevereiro.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)