Efeito Kwid? Fiat reduz em quase R$ 4 mil o valor do Mobi Like

Preço da versão intermediária do subcompacto foi de R$ 39.780 para R$ 35.990

Fiat Mobi Like 1.0 Preço da versão intermediária caiu de R$ 39.780 para R$ 35.990

Preço da versão intermediária caiu de R$ 39.780 para R$ 35.990 (divulgação/Fiat)

A expectativa gerada em torno do Renault Kwid já começa a repercutir na concorrência. A Fiat está anunciando em alguns meios de comunicação (como as rádios e seu próprio website) um preço promocional de R$ 35.990 para o Mobi.

O desconto de R$ 3.790 foi aplicado na versão intermediária Like 1.0 Flex (abaixo há a Easy, de R$ 34.210), cujo preço de tabela é de R$ 39.780.

Apesar da redução, o valor ainda é R$ 1.000 mais caro do que o pedido pelo Kwid Zen – a Renault oferece também uma versão mais acessível, a Life, por R$ 29.990, mas sem direção com assistência nem ar-condicionado.

A lista de itens de série dos dois compactos é parelha, embora o modelo da Renault supere o Mobi por trazer direção elétrica (hidráulica no Mobi), Isofix, quatro airbags (dois frontais e dois laterais), sendo este último item uma primazia do Kwid na categoria.

O representante da Fiat, em contrapartida, oferece de série coluna de direção com regulagem de altura, banco traseiro bipartido e conta-giros no painel – itens indisponíveis no Kwid Zen.

Fiat Mobi Like 1.0 Central multimídia e comandos no volante são opcionais na versão Like

Central multimídia e comandos no volante são opcionais na versão Like (divulgação/Fiat)

O Mobi Like é vendido apenas com o motor Fire 1.0 EVO, que entrega 75/73 cv. Já o Kwid sai de fábrica em todas as configurações com uma versão simplificada do motor 1.0 SCe utilizado no Sandero, entregando 70 cv/66 cv. A diferença de potência é compensada pela diferença de peso (946 kg no Mob e 786 kg no Kwid).

A grande procura pelo Kwid fez a Renault aumentar o ritmo de produção na planta de São José dos Pinhais (PR). Assim, a marca espera reduzir o número de desistências de quem reservou o Kwid durante a pré-venda e diminuir o tempo de espera pelo carro pela metade.

Atualmente, quem paga o sinal de R$ 1.000 precisa aguardar, pelo menos, 60 dias para retirar seu veículo na concessionária.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Minkap

    Acho que o numero de desistências não é pela fila e sim pela decepção ao verem o carro pessoalmente.

  2. Junior Magalhaes

    O brasileiro é tratado como otário mesmo, independente do cenário, gostaria de saber quais opcionais foram tirado para reduzir o preço, pois pelo que entendi não houve mudança nesse quesito, agora só pq chegou um concorrente ele abaixam o preço, então quer dizer que desde o início eles tinham condições de fazer um preço mais acessível, é lamentável que o consumidor ainda tenha que ser explorado de tudo que é lado para tentar conseguir algo para seu bem estar.

  3. Esse Mobi Like por 25 mil estaria no nível do kwid life.

  4. Fui numa concessionária e consegui ver ele lá no fundo do pátio, escondidinho. Achei fraquinho mesmo. Motor de 3 cilindros, parece de brinquedo, acabamento bem tosco. Carrinho pra ser vendido nomáximo por 25 pratas e olha lá. Já viajei com um Mobi e achei bem melhor acabado. Outra categoria de carro. Infelizmente, no Brasil, só vem essas tranqueiras comercializadas no terceiro mundo (índia).

  5. Mais uma prova o quão faz bem a concorrência e, principalmente, como os brasileiros pagam tão caro por um carro!

  6. Os consumidores que adquiriram o carro com preço maior irão receber a diferença de volta ou uma nariz de palhaço de brinde?

  7. Quando o brasileiro aprender o valor do boicote, esse tipo de coisa diminuirá bastante.
    Devem é deixar esse carro (Mobi) chegar ao preço de 20.000 e ainda assim comprar o concorrente, que é para empresas como essas, respeitarem mais o consumidor como um todo, ao invés culpar os impostos (desculpa já irritante e mentirosa) e não empurrar essas criações mequetrefes vendidas como se fossem o suprassumo da qualidade, como o Argo por exemplo.

  8. WALTER ANDRADE CARNEIRO

    Que eu saiba qualquer MOBI com direção assistida é do tipo “elétrica” e não mais “hidráulica” como no primeiro lançamento. Assim sendo o preço promocional do MOBI frente ao KWID pode ser considerado muito bom, apesar de ainda estar caro para o tipo do carro, bonito design mas muito apertado por dentro. Com um pouco mais dá para comprar o fabuloso ONIX da Chevrolet.