Clique e assine com até 75% de desconto

Teste: novo Kia Cerato tem visual de Stinger, tamanho de Civic e 167 cv

Com nova geração, o sedã médio corrige erros do passado para enfrentar em igualdade os rivais. Será que consegue?

Por Gabriel Aguiar Atualizado em 2 out 2019, 13h48 - Publicado em 24 set 2019, 09h07
Faróis dianteiros têm projetores e luzes diurnas de led integradas Christian Castanho/Quatro Rodas

Sabe aqueles filmes da Sessão da Tarde, quando alguém decide aparecer de surpresa na festa de casamento com roupas de ir à praia ou algo parecido? Era quase isso que acontecia com o Cerato…

Não faltava boa intenção para brigar com Civic e Corolla, só que ele era importado da Coreia do Sul até pouco tempo atrás – baita desvantagem na disputa por preços –, pequeno e só tinha 128 cv. Mas tudo mudou e você já não será chamado de louco pelos vizinhos se cogitar essa compra.

Ele está 2 cm mais largo nesta geração Christian Castanho/Quatro Rodas

E antes que o fã-clube peça minha cabeça à QUATRO RODAS: não digo que o sedã era ruim. Ele só estava em clara desigualdade quando comparado aos rivais. Mas lembra que falei do porte?

Com a nova geração, o tamanho do Kia é exatamente igual ao do Honda – o comprimento aumentou 8 cm. Já o motor 2.0 16V flex tem 167 cv, ou seja, 12 cv a mais que o “japonês”. E ainda mantém a nacionalidade mexicana, o que facilita a vinda ao Brasil e baixa o preço.

Luzes traseiras ficam expostas a batidas leves no para-choque Christian Castanho/Quatro Rodas

Na topo de linha, de R$ 104.990, a lista de equipamentos é bem recheada, com ar-condicionado bizona, seis airbags (frontais, laterais e cortina), bancos dianteiros com aquecimento, acendimento automático dos faróis, partida por botão, seletor de modos de condução e central multimídia com tela de 8 polegadas, Android Auto e Apple CarPlay. Haverá uma opção de entrada, por R$ 94.990, mas os itens de série ainda não estão definidos.

Acabamento do painel é macio ao toque, mas não há freio de estacionamento elétrico Christian Castanho/Quatro Rodas

Confesso que minha primeira impressão foi surpreendentemente boa. Tudo bem que nosso contato ficou restrito à pista de testes em Limeira (SP), já que ele foi cedido com exclusividade antes do lançamento no país.

Bancos têm revestimento de couro, mas a marca não revelou se estarão disponíveis na versão de entrada Christian Castanho/Quatro Rodas

E é inegável a evolução em relação ao modelo anterior. O estilo é inspirado no esportivo Stinger, principalmente na dianteira. Já o contorno dos vidros laterais lembram o Subaru Legacy. Mas a única ressalva absoluta são as luzes de seta e ré, que ficam bem expostas nos cantos do para-choque.

Espaço traseiro é bom para pernas e cabeça. Há saídas de ventilação para trás Christian Castanho/Quatro Rodas

Se por fora é bem provável que o Cerato te agrade, por dentro ele tem grandes chances de repetir a boa sensação. O estreante tem painel emborrachado e portas dianteiras revestidas com materiais macios.

E há detalhes práticos para o dia a dia: porta-objetos à frente da alavanca de câmbio parecem perfeitos para receber celular e carteira, o túnel central quase não rouba espaço do quinto passageiro e há saídas de ventilação atrás. Só faltam portas USB na segunda fileira.

Computador de bordo não mostra autonomia ou consumo de combustível Christian Castanho/Quatro Rodas

Como já expliquei antes, o sedã não foi testado em situações reais. Só que, no pouco tempo que tive, fiquei impressionado com o bom comportamento da suspensão.

Continua após a publicidade
Central multimídia permite conexão com Android Auto e Apple CarPlay Christian Castanho/Quatro Rodas

Se o ajuste mais firme controla a carroceria nas curvas, os pneus de perfil alto poupam quem está a bordo de algumas imperfeições no piso. A direção também tem pitada mais esportiva e aponta com rapidez.

Ar-condicionado digital tem duas zonas de temperatura Christian Castanho/Quatro Rodas

Mas as acelerações não correspondem à altura: foram 10,5 s de zero a 100 km/h contra 10,8 s do Civic, por exemplo. Essa sensação se deve às trocas lentas do câmbio automático, mesmo com modo Sport acionado. Aliás, é importante dizer que o consumo urbano é pior que o dos rivais.

Porta-malas tem bons 520 litros de capacidade declarada Christian Castanho/Quatro Rodas

Tudo bem. Ele é apenas mediano no desempenho e talvez frustre um pouco quem espera algo mais esportivo – como sugere o visual agressivo e a dinâmica bem acertada –, só que, pela primeira vez, o Cerato surge como opção viável entre os sedãs médios.

Motor 2.0 16V flex é igual àquele usado pelo Sportage Christian Castanho/Quatro Rodas

Ele é mais barato que os líderes do segmento, chega bem equipado e tem cinco anos de garantia. A rede tem apenas 78 concessionárias contra 219 da Honda. Mas a meta de 350 unidades mensais é bem realista.

Veredicto

Bonito, equipado e trazido do México, o sedã finalmente está à altura dos rivais.

  • Teste

    Aceleração
    0 a 100 km/h: 10,5 s
    0 a 1.000 m:
    31,2 s – 174,3 km/h

    Velocidade máxima
    n/d

    Retomada
    D 40 a 80 km/h: 4,6 s
    D 60 a 100 km/h: 5,5 s
    D 80 a 120 km/h: 6,9 s

    Frenagens
    60/80/120 km/h – 0 m: 14,2/25,8/57,7 m

    Consumo
    Urbano: 10 km/l
    Rodoviário: 16,3 km/l

    Ficha técnica

    Preço: R$ 104.990
    Motor: flex, diant. trans., 4 cil., 1.999 cm3, 81 x 97 mm, 16V, 167/157 cv a 6.200 rpm, 20,6/19,2 mkgf a 4.700 rpm
    Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
    Suspensão: McPherson (diant.)/eixo de torção (tras.)
    Freios: disco ventilado (diant.)/sólido (tras.)
    Direção: elétrica
    Rodas e pneus: liga leve, 205/60 R16
    Dimensões: comprimento, 464,0 cm; largura, 180,0 cm; altura, 144,0 cm; entre-eixos, 270 cm; vão livre 13,5 cm; peso, 1.283 kg; porta-malas, 520 l; tanque, 50 l

    Continua após a publicidade
    Publicidade