Clique e assine por apenas 8,90/mês

Teste: Golf Variant é o bastião da resistência aos SUVs

Representante de um segmento quase extinto, a perua ficou mais simples, mas mostra que ainda tem atrativos frente à moda dos utilitários

Por Guilherme Fontana - Atualizado em 27 dez 2017, 17h49 - Publicado em 27 jan 2017, 14h33
Faróis são sempre halógenos - xenônio não está disponível nem como opcional
Faróis são sempre halógenos – xenônio não está disponível nem como opcional Christian Castanho

O risco de extinção das peruas no Brasil não é mais novidade — assim como os hatches médios, elas foram deixadas de lado pelo mercado e pelas montadoras com a chegada dos SUVs.

Mas ainda há quem aposte nelas por aqui: a Volkswagen, além de tentar não desistir da SpaceFox, oferecendo o modelo em apenas uma versão após a chegada do novo Polo, ainda conta com a Golf Variant ao país.

Apresentada em 2014 no Salão de São Paulo, chegou no início do ano seguinte e já passou por sua primeira mudança, ficando mais simples – a exemplo da nacionalização feita com o próprio Golf em 2015 – e cara.

Testamos a configuração Comfortline, a mais em conta que agora parte de R$ 97.020 — como a avaliada, com pintura metálica e todos os opcionais, ela custa R$ 114.913.

Anteriormente, o modelo oferecia uma opção ainda mais barata com câmbio manual, que deixou de existir com a remodelação da gama. Já a versão topo de linha, Highline, sai por R$ 107.980 básica, mas pode chegar a R$ 145.883 com todos os pacotes e pintura perolizada.

Continua após a publicidade

No visual, nada mudou. A perua continua com aparência sóbria e traços bem definidos. A dianteira é a mesma do Golf, enquanto a traseira também herda as linhas gerais do hatch, mas dispensa os leds das lanternas.

Por dentro, a versão mais barata tem uma cabine mais simples, mas o acabamento continua caprichado, com materiais de boa qualidade com toque macio e montagem precisa.

Os bancos são sempre em tecido, mas fora a questão da facilidade de limpeza, isso não chega a ser um problema. Além do bom aspecto visual, são mais confortáveis do que os de couro da configuração Highline.

Interior da versão Comfortline é mais simples, mas de boa qualidade
Interior da versão Comfortline é mais simples, mas de boa qualidade Christian Castanho

A lista de equipamentos de série, por outro lado, é grande. Ar-condicionado (manual), sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, alerta de perda de pressão dos pneus, bloqueio eletrônico do diferencial, faróis e lanterna de neblina, rodas aro 16, sistema start-stop, luzes DRL (halógenas) vidros elétricos com função “one touch”, controles de estabilidade e tração, além de sete airbags.

A central multimídia tem tela sensível ao toque com 6,5 polegadas, exibição dos dados dos sensores de proximidade, bluetooth, USB e App-Connect com plataformas MirrorLink, Android Auto e Apple CarPlay.

Continua após a publicidade

O pacote Elegance adiciona piloto automático, limitador de velocidade, retrovisor interno eletrocrômico, retrovisores externos aquecíveis, rodas de 17 polegadas, sensor de chuva, faróis automáticos e volante multifuncional por R$ 6.066. Já o Exclusive, de R$ 10.261, tem os itens do Elegance acrescidos de GPS.

O teto solar panorâmico elétrico, vendido independente de qualquer pacote, custa R$ 6.200. É curioso o fato de que bancos de couro, leds e faróis de xenônio não estarem disponíveis nem como opcionais para a versão Comfortline.

No dia a dia, o Golf Variant une o melhor das peruas e dos hatches. Como um típico carro familiar, há espaço de sobra para todos os ocupantes e para as bagagens: são 605 litros de porta-malas – um Honda HR-V oferece 431 litros. Com os bancos rebatidos, a capacidade pode chegar a 1.620 litros.

Com 605 litros, porta-malas é maior que o de qualquer SUV compacto
Com 605 litros, porta-malas é maior que o de qualquer SUV compacto Christian Castanho

Dos hatches, ele herda a dirigibilidade e o centro de gravidade baixo, que resultam em uma condução confortável, porém esportiva quando necessário. A impressão é de que estamos a bordo do Golf convencional, sem os 30,7 cm extras na traseira – única diferença entre as dimensões externas dos modelos.

É na dinâmica que aparecem as principais novidades da perua, que passou pelas mesmas alterações do Golf nacional – embora ela continue sendo produzida no México. O motor 1.4 TSI (turbo de injeção direta) agora é flex e passa a entregar 150 cv e 25,5 mkgf independentemente do combustível utilizado (etanol ou gasolina).

Continua após a publicidade

A transmissão Tiptronic de seis marchas assume o lugar da DSG de sete, enquanto a suspensão traseira adota eixo de torção no lugar do conjunto multilink. Assim como o hatch, o carro continua a ser referência em dirigibilidade, porém as mudanças são uma clara simplificação, prejudicando a estabilidade em curvas com asfalto irregular.

O câmbio Tiptronic com conversor de torque tem funcionamento mais ríspido em comparação com o DSG, com trocas mais lentas e menos suaves em acelerações e reduções.

Mesmo com 10 cv a mais debaixo do capô, o desempenho da perua é afetado pela transmissão menos moderna, mas não decepciona. Sempre com gasolina, a Golf Variant flex levou 9,5 segundos atingir os 100 km/h e fez a retomada de 60 a 100 km/h em 5,3 – na versão a gasolina, eram 9,3 e 4,9 segundos, respectivamente.

Os números de consumo variaram. A configuração anterior registrou 11,7 e 14,8 em ciclos urbano e rodoviário, respectivamente. A atual fez os mesmos percursos registrando 11,6 e 15,6 km/l. Ou seja, pior na cidade, melhor na estrada.

Apesar de maior e mais pesada, comportamento ao volante é idêntico ao do hatch
Apesar de maior e mais pesada, comportamento ao volante é idêntico ao do hatch Christian Castanho

Uma vantagem pouco alardeada das peruas, sedãs e hatches médios em relação aos SUVs são os custos de manutenção. Não precisamos ir tão longe: da mesma marca e com conjunto mecânico semelhante, elegemos o Tiguan 1.4 TSI (tabelado em R$ 125.990, bem próximo dos R$ 122.109 da Golf Variant com opcionais avaliada aqui) para uma breve comparação.

Continua após a publicidade

A diferença começa já no seguro, tradicionalmente mais alto para utilitários esportivos. Os valores mais em conta em uma cotação online – tendo como perfil um proprietário de 35 anos, casado, único motorista, com garagem em casa e no emprego – foram de R$ 2.039 para a Golf Variant e assustadores R$ 4.826 para o Tiguan.

Os pneus também pesam no bolso. Em uma média de três cotações, os 235/55 R17 do SUV saem por R$ 635 cada, contra R$ 423 dos 205/55 R16 da perua. Em contrapartida, as seis revisões até 60.000 km custam, juntas, R$ 3.430 para o Golf e R$ 3.212 para o Tiguan, quase um empate.

Veredito

Para quem não faz questão da posição de dirigir elevada e do curso de suspensão maior dos SUVs, a superioridade da Golf Variant em relação aos SUVs que habitam a mesma faixa de preço é grande: na perua, há tanto ou até mais espaço, a mecânica é mais afiada, a manutenção mais em conta e a lista de equipamentos, mesmo na configuração base, tem bom conteúdo.

E se na buraqueira do asfalto brasileiro ela cobra seu preço em conforto, na estrada não tem para ninguém: viajar com a Variant é garantia de satisfação ao volante, com ótimo desempenho, consumo comedido e muita estabilidade em curvas.

Ficha Técnica – VW Golf Variant 1.4 TSI Comfortline

Preço: R$ 97.020 (R$114.913 com todos os opcionais)
Motor: flex, diant., transv., 4 cil., 1.395 cc, 16V, turbo, injeção direta, 150 cv a 4.500 rpm, 25,5 mkgf a 1.500 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão: McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
Freios: discos ventil. (diant) e sólidos (tras.)
Rodas e pneus: liga leve, 205/55 R16 (série) e 225/45 R17 (unidade de teste)
Dimensões: comprimento, 456,2 cm; largura, 202,7 cm; altura, 146,8; entre-eixos, 263,5 cm; peso, 1.327 kg; porta-malas, 605 l; tanque de combustível, 50 l

Teste de Pista (com gasolina)

ACELERAÇÃO
0 a 100 km/h: 9,5 s
0 a 1000 m: 30,6 s / 172,7 km/h
VELOCIDADE MÁXIMA; 206 km/h (dado de fábrica)
RETOMADAS
De 40 a 80 km/h: 4,1 s
De 60 a 100 km/h: 5,3 s
De 80 a 120 km/h: 6,5 s
CONSUMO (URBANO/RODOVIÁRIO): 11,6/15,6 km/l
FRENAGENS (60/80/120 a 0 km/h): 15/24,5/58 m
Publicidade