Clique e assine por apenas 8,90/mês

Azera x Fusion x Cadenza x Passat: o embate dos sedãs executivos

O novo Fusion enfrenta Azera, Cadenza e Passat, formando um cardápio com receitas sofisticadas e temperos originais

Por Péricles Malheiros | foto: Christian Castanho - Atualizado em 27 jun 2018, 14h55 - Publicado em 11 dez 2012, 16h30
VW Passat 2.0 TSi
Espaço, potência e equipamentos? É com eles mesmo Christian Castanho/Quatro Rodas

É chegada a hora do tira-teima: o confronto direto do novo Fusion com os rivais que enfrentará na vida real. Só tem peso-pesado.

O coreano Hyundai Azera V6 3.0 é o líder do segmento. Tem até um irmão gêmeo, o Kia Cadenza, igualmente estiloso, mas ainda mais forte, com um V6 3.5. O Passat, de visual mais discreto, aposta na sobriedade e na boa (e justificada) fama da engenharia automotive alemã.

No motor, o Volkswagen saiu antes com a estratégia que agora a Ford repete: abandonou o V6 em prol da frugalidade do quatro-cilindros 2.0 turbo de alta eficiência. Entre opções mais ou menos calóricas, mas todas elas requintadas e com visual apetitoso, é hora de ver qual tem a receita mais harmoniosa e a que mais agrada ao paladar dos mais exigentes gourmets.

4° Volkswagen Passat 2.0 TSi

O Passat é um dos que mais sofreram com a evolução dos coreanos. Diante do design arrojado, o ex-líder do segmento se apequenou. Literalmente. Com 4,77 metros de comprimento, ele é o menor dos quatro sedãs aqui alinhados – Cadenza, Azera e Fusion medem, respectivamente, 4,97, 4,91 e 4,87 metros.

VW Passat 2.0 TSi
O Passat é o único que tem o escape oculto Christian Castanho/Quatro Rodas

Nunca é demais lembrar que este é um segmento no qual o porte é, assim como o design e o efeito novidade, muito valorizado. Mas é preciso fazer justiça. Mesmo menor (inclusive no entre-eixos), o Passat tem basicamente o mesmo espaço na cabine e ganha no porta-malas, com bons 485 litros.

VW Passat 2.0 TSi
O VW tem câmbio automatizado de duas embreagens Christian Castanho/Quatro Rodas

O que foi dito na edição de março, quando fizemos este mesmo comparativo – claro, sem o Fusion -, se repete. O problema do Passat está no preço, que foi agravado com a chegada do modelo da Ford, que estabeleceu um novo patamar de equipamentos no segmento.

VW Passat 2.0 TSi
Passat tem o menor entre-eixos entre todos Christian Castanho/Quatro Rodas

Deixar um Passat tão equipado quanto o Fusion pede a compra de todos os seus opcionais (muitos oferecidos dentro de pacotes). Isso significa investir 33 344 reais em itens como teto solar elétrico e sistema de assistência de manobra. Ou seja, o preço do Passat (112.677 reais) sai de um empate técnico com o do Fusion (112.990 reais) e supera de longe o do Cadenza (129.900 reais) e até o do Azera completo (130.000 reais), chegando a 146.021 reais.

VW Passat 2.0 TSi
Mas tamanho não é tudo: o Passat oferece uma das cabines mais espaçosas Christian Castanho/Quatro Rodas

Se o Fusion chegou dando as cartas em termos de equipamento, na pista quem manda é o Passat. O Volks superou os rivais em aceleração, retomada e frenagem. Dando um show de eficiência, ainda foi o melhor na medição de consumo urbano e o vice-líder no rodoviário. Mais que números convincentes, o Passat tem ótima dinâmica, em especial para quem aprecia uma tocada mais esportiva. A suspensão tem acerto rígido e o motor 2.0 turbo acorda rápido e bem disposto assim que o acelerador é pressionado. Combina com ela o câmbio automatizado de dupla embreagem DSG, disparado o que proporciona as trocas mais rápidas do comparativo.

DIREÇÃO, FREIO 
E SUSPENSÃO

O Passat ainda é o carro que mais bem conversa com o piloto. A direção é imediata e a suspensão, firme e confiável.

★★★★☆

MOTOR E CÂMBIO

O câmbio automatizado com dupla embreagem é muito superior às caixas automáticas dos rivais: silencioso, bem escalonado e extremamente rápido.

★★★★★

CARROCERIA

Além de aparentar ser um projeto bem mais antigo, a carroceria três-volumes do Passat segue na contramão
da moda dos sedãs que a cada dia têm mais reforçado o estilo cupê quatro portas.

★★★☆

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

VIDA A BORDO

Um Passat básico, sem bancos elétricos, teto solar e câmera traseira parece pertencer a uma categoria inferior.

★★★☆

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

SEGURANÇA

A versão básica tem os mesmos dispositivos dos coreanos completos.

★★★★

SEU BOLSO

A menos que o comprador esteja disposto a pagar caro pela dirigibilidade, o Passat tem a pior relação custo-benefício.

★★★☆

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

3° Kia Cadenza

Kia Cadenza
Kia tem linhas mais suaves que o irmão da Hyundai Christian Castanho/Quatro Rodas

No comparativo de março, o Cadenza saiu vencedor, mas agora foi ultrapassado pelo Azera. Não chega a ser uma queda de performance, foi o Azera que se provou mais confiável aos olhos do consumidor. Segundo a Fenabrave, de janeiro a setembro, foram registrados 3 401 Azera, enquanto a Kia só emplacou 358 unidades.

Kia Cadenza
Painel do Kia muda com chegada da linha 2014 Christian Castanho/Quatro Rodas

Essa timidez o coloca bem atrás nas vendas inclusive do Passat, com 1 123 emplacamentos no período. Termômetro da confiança do consumidor, a imagem de marca da Kia sentiu os efeitos do aumento do IPI. A Hyundai sofreria do mesmo mal, mas o fato é que atualmente ela parece muito mais sólida que a Kia, com direito a revisões com preço fixo e fábrica no Brasil.

Kia Cadenza
Ao compartilhar a base do Azera, o Cadenza tem o mesmo espaço interno Christian Castanho/Quatro Rodas

“Uma mudança nos equipamentos que decoram o console central está prevista para ocorrer no primeiro semestre de 2013, provavelmente com a chegada do ano-modelo 2014”, diz uma fonte ligada ao importador. “O modelo ganhará tela multimídia entre as saídas centrais de ventilação, comandos do ar e do rádio reestilizados e um relógio analógico.

Por fora, terá o para-choque dianteiro redesenhado.” As alterações por vir, ainda que pequenas, também levaram o Cadenza a engatar a ré no comparativo.

Kia Cadenza
Christian Castanho/Quatro Rodas

O motorzão V6 3.5 do Kia é silencioso: das quatro situações em que é analisado o nível de ruído na cabine (em ponto morto, rotação máxima e a 80 e 120 km/h), só não foi o mais silencioso em uma – ficou em segundo em rotação máxima, com 62,2 decibéis, atrás apenas do Azera, com 59,9. Em tempos de downsizing (a diminuição dos motores em tamanho e apetite, sem perda de performance), até que se defendeu bem.

Kia Cadenza
O bagageiro é 10 litros menor que o do Azera, com 451 litros Christian Castanho/Quatro Rodas

Na pista, atingiu números de desempenho e consumo próximos aos do Fusion, mas cobra caro (129.900 reais) por um pacote de equipamentos mais simples (auxílio em manobras, piloto automático adaptativo e airbags de joelhos não aparecem sequer como opcionais).

Assim como o Azera, o Cadenza oferece cinco anos de garantia total, contra apenas três do Passat e do Fusion. A Kia é uma das únicas marcas que ainda não trabalha com revisões a preços fixos.

DIREÇÃO, FREIO
E SUSPENSÃO


Continua após a publicidade

É o mais macio da turma. A dianteira raspa fácil em valetas de rua e rampas de edifício.

★★★★

MOTOR E CÂMBIO

O motor (3,5 litros) é maior que o do Azera (3 litros). É pouco, mas suficiente para garantir mais vigor nas acelerações – e no consumo.

★★★★

CARROCERIA

Visual atraente, com menos uso de vincos
e volumes que o Azera.

★★★★☆

VIDA A BORDO

Vendido em versão única, o Cadenza é tão completo quanto o Azera topo de linha.

★★★★

SEGURANÇA

Equivalente em dispositivos a Azera e Passat, mas inferior ao pacote do Fusion.

★★★★☆

SEU BOLSO

O Azera vem caindo de preço e, diferentemente do que se esperava,
a Kia não tem acompanhado essa queda.

★★★☆

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

2° Hyundai Azera V6 3.0

Hyundai Azera V6 3.0
Régua unindo as lanternas é uma marca do Azera Christian Castanho/Quatro Rodas

A diferença para o terceiro lugar, Cadenza, foi tão pequena que dá para considerar um empate técnico entre os coreanos. Ainda que pequena, a vantagem está na “força comercial” do Azera, cuja tendência é sofrer desvalorização menor que a do Cadenza em virtude do maior número de vendas e da rede maior e mais bem estruturada.

Hyundai Azera V6 3.0
Interior claro reforça visual mais jovem Christian Castanho/Quatro Rodas

Outra vantagem está no preço de tabela mais em conta: 108.000 reais a versão de entrada e 127.000 reais a topo de linha. Assim como ocorre com o Passat, é preciso se basear na mais completa, uma vez que a básica fica a anos-luz do Cadenza e principalmente do Fusion no que diz respeito a conteúdo.

Hyundai Azera V6 3.0
O Azera é o modelo que tem o maior espaço Christian Castanho/Quatro Rodas

Montado sobre a mesma plataforma do Cadenza, o Azera tem motor menor por causa do perfil imprimido pela corporação a cada marca: a Kia tem uma clientela mais jovem e chegada a uma dose a mais de esportividade, enquanto a da Hyundai é mais sóbria. O fato é que o V6 do Cadenza é um 3.5 de 290 cv e o do Azera, um 3.0 de 250 cv – o Grupo Caoa, importador oficial, suprimiu a informação de potência do material de divulgação.

Hyundai Azera V6 3.0
Mas para os bancos dianteiros, pois é apertado atrás Christian Castanho/Quatro Rodas

Ao volante, há uma diferença evidente de vigor em relação a todos os rivais. Mas isso não quer dizer que oAzera seja lento – mesmo com 1581 kg, vai de 0 a 100 km/h em 9,9 segundos. A recompensa aparece ao abastecer. Registrando em média 12,8 km/l de gasolina na estrada, o Azera é o mais econômico dos quatro: no consumo urbano, só perdeu para o Passat (7,9 ante 9,1 km/l).

Hyundai Azera V6 3.0
Para acomodar a bagagem, são 461 litros Christian Castanho/Quatro Rodas

O sistema de som da marca Infinity, presente ape- nas no Azera mais caro, é composto de dez altofalantes. O pacote da versão top inclui ainda chave presencial, volante com ajuste elétrico de altura e profundidade, faróis de xenônio, teto solar elétrico e controles de tração e estabilidade, entre outros.

Gêmeos de projeto, Azera e Cadenza se equivalem no espaço interno. Ambos contam com o assoalho à frente do banco traseiro com um degrau baixo, o que permite ao passageiro do meio viajar de maneira mais confortável.

DIREÇÃO, FREIO 
E SUSPENSÃO


A suspensão tem acerto parecido com a do Cadenza, mas os pneus de perfil baixo montados em rodas maiores, aro 18, deixam o rodar menos confortável.

★★★★

MOTOR E CÂMBIO

Em tempos de
redução no consumo
de combustível, o V6 do Azera se saiu muito bem em trechos rodoviários. Média de 12,8 km/l, a melhor do comparativo.

★★★★

CARROCERIA

O volume nos para- lamas traseiros é uma conexão de estilo com a bem-sucedida geração anterior.

★★★★☆

VIDA A BORDO

Materiais de boa qualidade e muitos equipamentos recebem motorista e seus convidados com estilo e conforto.

Continua após a publicidade

★★★★

SEGURANÇA

Esqueça a versão
de entrada, na qual controles de tração e estabilidade e luzes de xenônio ficam de fora.

★★★★☆

SEU BOLSO

O preço deu uma leve queda, suficiente para estabelecer uma pequena vantagem diante do Cadenza.

★★★★

1° Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi

Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi
Traseira alta e curta simula design de cupê Christian Castanho/Quatro Rodas

Por chegar depois, o estreante carrega uma cobrança natural por vitória em comparativos. O que não se esperava era uma vitória tão fácil. No posto de combustível, foi alvo de um comentário inusitado de um frentista: “Os donos de Fusion antigo vão ficar malucos”. Sábias palavras.

Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi

Fusion tem tecnologia digna de um Mercedes intermediárioNotei alguns deles alucinados para emparelhar comigo no trânsito: apontavam, sorriam, faziam cara de aprovação. A maior parte estava a bordo do quatro-cilindros 2.5 e provavelmente vai se decepcionar com a estratégia da Ford de iniciar as vendas pela versão mais cara, a Titanium 2.0 turbo 4×4, de 112 900 reais, que substitui a antiga V6 3.0.

Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi
O Fusion é o que oferece o maior espaço Christian Castanho/Quatro Rodas

Enquanto o novo Fusion 2.5 – que será flex e brigará com VW Jetta, Hyundai Sonata e Kia Optima – não vem, o topo de linha Titanium vai dando conta dos rivais maiores. Além do desenho de efeito mais magnético, o Fusion impressiona pela tecnologia.

Ao estacionar, ele avisa se cabe na vaga e esterça o volante para você. Se o sono bater e o carro começar a sair da faixa, ele vibra o volante para alertá-lo. Se a barbeiragem persistir, um aviso surge no painel.

Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi
Principalmente para os passageiros do banco traseiro Christian Castanho/Quatro Rodas

Na cidade, se o radar perceber uma rota de colisão, a linha hidráulica é pressurizada automaticamente, oferecendo capacidade máxima de frenagem. A Mercedes-Benz, cujos carros de entrada custam bem mais que os 112.990 reais do Fusion, só oferece tecnologia similar a partir das versões intermediárias.

Um Passat completo, igual ao Fusion, sai por 146.021 reais – Cadenza e Azera sequer contam com essa tecnologia. Mas o Ford dá lá suas escorregadas: faróis com xenônio e leds, nem como opcional. O motor EcoBoost 2.0 mostrou atributos para aposentar o V6 do antigo Fusion, porém é menos eficiente que o 2.0 do Passat.

Ford Fusion Titanium 2.0 GTDi
Porta-malas tem capacidade para 453 litros Christian Castanho/Quatro Rodas

Mas o teste de pista deixa claro: o Fusion encara com vantagens os V6 3.0 e 3.5 de Azera e Cadenza. Por custar menos, oferecer mais e transpirar novidade, o Fusion não deu chance aos rivais. Agora é esperar par aver se as versões mais simples mantêm a nota alta do escalão superior.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

O acerto de suspensão do Fusion fica no meio- termo entre a suavidade confortável do Cadenza e a rigidez esportiva do Passat.

Continua após a publicidade

★★★★

MOTOR E CÂMBIO

Um câmbio com dupla embreagem, como o
do Passat, estaria em melhor sintonia com a modernidade do Fusion.

★★★★

CARROCERIA

A boca enorme e o perfil cupê são os belos presentes que sobraram do casamento da Ford com a Aston Martin.

★★★★☆

VIDA A BORDO

Quem gosta de tecnologia terá na cabine do Fusion um parque
de diversões repleto
de atrações.

★★★★

SEGURANÇA

O pacote é completo, com airbag de joelhos para os ocupantes da frente, sistema de monitoramento de pressão dos pneus e alerta de presença de veículos em pontos cegos dos retrovisores externos.

★★★★☆

SEU BOLSO

A versão topo de linha nunca vendeu bem, mas a nova geração chega com uma relação custo-benefício capaz de mudar esse jogo.

★★★★

VEREDICTO

Continua após a publicidade

O Passat tem
o visual mais discreto e é o mais caro quando equipado como os outros rivais. Cadenza e Azera fizeram uma disputa apertada, com vantagem do sedã da Hyundai por vender bem mais e oferecer uma rede autorizada maior. Assim, o Fusion venceu de lavada, por ter um motor eficiente e ainda ser superior em itens de série, tecnologia e design, tudo por um preço mais atraente.

Publicidade