Clique e assine por apenas 8,90/mês

Mercedes AMG GT: o rival do Porsche Panamera

O AMG GT 63 S 4 portas é o parceiro ideal: conforto no dia a dia e adrenalina na hora da diversão

Por Péricles Malheros, de Austin (Estados Unidos) - 29 nov 2018, 14h09
As duas tomadas laterais inferiores resfriam os intercoolers Divulgação/Mercedes-Benz

Não dá para negar: o AMG GT com quatro portas é a resposta da Mercedes ao sucesso do Porsche Panamera. QUATRO RODAS foi até o Circuito das Américas, em Austin (Texas), nos Estados Unidos, para conhecer a versão top de linha, 63 S, a mais cotada para ser vendida no Brasil, a partir do Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro – as entregas iniciais, no entanto, só acontecerão no primeiro trimestre de 2019.

O porte impressiona: são 5,05 metros de comprimento, ou seja, 35 cm maior que um Toyota SW4. O Panamera tem os mesmos 5,05 metros – viu como eles são concorrentes? Outro ponto em comum entre os sedãs-cupês alemães de alto desempenho está na solução de estilo da área envidraçada.

Cabine tem clima de carro de corrida Divulgação/Mercedes-Benz

Ambos apresentam um vidro bipartido na porta traseira acompanhado de uma terceira peça, fixada na coluna C. Todo o desenho do perfil, como não poderia deixar de ser, é bastante parecido, com a linha de teto se estendendo da coluna A até a extremidade traseira, incorporando a tampa do porta-malas.

Não espere encontrar neste lançamento da Mercedes uma simples versão quatro portas adaptada do cupê AMG GT. Toda a estrutura foi trabalhada do zero para garantir máxima segurança e, claro, performance invejável.

Continua após a publicidade
Apesar do desempenho colossal, o sedã-cupê é um esportivo fácil de guiar Divulgação/Mercedes-Benz

A busca pelo maior índice de rigidez torcional e ideal distribuição de peso entre os eixos levou a algumas medidas extremas. A cuba traseira que abriga boa parte das centrais eletrônicas do carro e as torres dos amortecedores dianteiros, por exemplo, são de alumínio.

A aplicação do mesmo material na parede estrutural montada atrás do banco traseiro chegou a ser estudada, mas, por conta do peso ainda mais reduzido, a marca optou por uma placa de fibra de carbono. O peso declarado do carro é de 2.045 kg.

Porta-malas tem volume interno de 461 litros Divulgação/Mercedes-Benz

Como não poderia deixar de ser, o AMG GT 63 S tem o melhor powertrain da casa. O V8 4.0 biturbo com injeção direta de combustível e 32 válvulas é uma usina de avassaladores 639 cv de potência e 91,8 mkgf de torque.

De acordo com a Mercedes, o esportivo é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos, podendo atingir 315 km/h de velocidade máxima. Porém, o que mais impressiona não é somente o que ele faz, mas como ele faz.

Continua após a publicidade
Bancos são de couro Divulgação/Mercedes-Benz

Na cola do ex-piloto de Fórmula1 e tricampeão de DTM, Bernd Schneider, tomei contato com o Circuito das Américas, a pista onde é realizada a etapa americana de Fórmula 1. Daríamos quatro voltas: uma de reconhecimento, duas lançadas e mais uma de resfriamento do equipamento e retorno para os boxes.

Felizmente, Schneider estava animado. Antes mesmo do final da primeira volta, pelo rádio, ele me guiava: “A partir de agora, continue acelerando tudo, por três curvas, sem aliviar o pé”. Quem era eu para desobedecer? Foi aí que me senti, de fato, encaixado no carro, como se diz no automobilismo.

Bancos traseiros ficam em posição baixa, por conta do arco do teto Divulgação/Mercedes-Benz

Com o modo Race selecionado, o GT 63 S é comunicativo ao extremo. Reativo, contorna curvas com uma capacidade assustadora. Ao mesmo tempo, transmite uma sensação de segurança que me permitiu, a cada volta, estender meu próprio limite.

Na última volta quente, já estava familiarizado a ponto de brincar com pedais e volante, dando pé nas saídas de curva para, em seguida, girar o volante no sentido oposto.

Continua após a publicidade

Câmbio de nove marchas

Lógico que toda essa diversão não é mérito apenas do motorzão V8 com potência e torque brutais. O sistema de transmissão é baseado numa caixa automática de nove marchas, com distribuição de tração nas quatro rodas.

Rápida e assistida eletronicamente, ela funciona com absurda precisão independentemente do modo de condução do motorista. Pise leve e as marchas são trocadas em torno de 1.500 rpm, com foco no silêncio e na economia de combustível.

Iluminação de porta, painel e console: várias opções de cor Divulgação/Mercedes-Benz

Ative o modo Race e entenda o que é ter nas mãos um AMG de sangue quente. Motor, câmbio, controle de estabilidade, direção, suspensão e distribuição de tração passam a ser gerenciados eletronicamente de modo a priorizar a alta performance.

Ao gosto do cliente

A suspensão pneumática, geralmente preterida para o uso na pista por conta das reações mais lentas, trabalha com excelência. Amortecedores com ajuste de carga e molas pneumáticas entregam o melhor de dois mundos opostos. Suave e confortável nos modos mais pacatos e rígida e instantânea sob tocada esportiva.

Continua após a publicidade

Só depois de retornar aos boxes, lembrei que, além do exterior e do aspecto técnico, o AMG GT quatro portas – assim como qualquer outro carro – tem também a parte de dentro. E quanta beleza interior!

Na função Drift, mais tração para o eixo traseiro Divulgação/Mercedes-Benz

Equipamentos analógicos não tiveram vez neste projeto. Tudo é digital. Você até pode optar por um layout com ponteiros, mas os mostradores serão representados em uma das duas telas de alta definição.

A configuração do pacote Brasil de equipamentos é bastante generosa, o que significa que o nosso AMG GT quatro portas será bem parecido com o modelo testado em Austin e que ilustra esta matéria.

Botões no volante: navegação facilitada Divulgação/Mercedes-Benz

No painel, um aplique de fibra de carbono esconde um sistema de iluminação por leds coloridos: calma, o roxo que aparece nas fotos é apenas uma das cores disponíveis. Os difusores de ventilação (quatro centrais e um em cada extremo do painel) também são iluminados.

Continua após a publicidade

Foco na pista

O volante com base reta eleva o conceito de multifuncionalidade ao extremo: praticamente todos os sistemas do AMG GT podem ser configurados sem que o piloto desvie a atenção da pista. No console central, uma base sensível ao toque também permite a operação pelos principais recursos do carro.

V8 biturbo: 639 cv de potência Divulgação/Mercedes-Benz

Os bancos são tão versáteis quanto o carro em si. Em nenhum momento do test-drive na pista de corrida senti falta de apoio lateral e, ainda assim, são tão confortáveis e repletos de ajustes quanto o banco de uma classe executiva de avião.

Atrás, o nível de espaço é menor do que o esperado para um carro desse porte. Por conta da longa queda da linha do teto, o banco fica em posição baixa e um tanto avançada em direção ao centro. Advinhe? O Panamera sofre da mesma limitação.

Se você vai visitar o Salão do Automóvel, em novembro, e não quer ser pego de surpresa, já sabe: reserve R$ 1.084.900 e bom negócio.

Continua após a publicidade

Veredicto

Refinado e confortável como um Mercedes, insano e instigante como um AMG. A carroceria quatro portas dá à marca condição de encarar a Porsche e seu Panamera. Ou seja, tem briga boa se aproximando do Brasil.

Ficha técnica – Mercedes AMG GT 63 S 4 portas

  • Preço: R$ 1.084.900
  • Motores: gasolina, dianteiro, longitudinal, V8, 3.982 cm3, 32V, biturbo, 639 cv a 5.500 rpm, 91,8 mkgf a 2.500 rpm
  • Câmbio: automático, 9 marchas, tração integral 
  • Suspensão: duplo A (dianteira), multilink (traseira), com amortecedores ajustáveis e molas pneumáticas 
  • Freios: disco vent. e perfurado (diant./tras.)
  • Direção: elétrica, 12,6 m (diâmetro de giro)
  • Pneus: 265/40 R20 (diant.), 295/35 R20 (tras.)
  • Dimensões: comprimento, 505,4 cm; largura, 187,1 cm; altura, 144,7 cm; entre-eixos, 295,1 cm; peso, 2.045 kg; porta-malas, 461 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 3,2 s; velocidade máx., 315 km/h
Publicidade