Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Déficit de atenção

Por Redação 25 nov 2010, 14h49

33611 km

O recall da mangueira de combustível do Agile foi feito, após duas semanas de espera a partir do prazo inicial que a GM estabeleceu, em 13 de setembro. Como o carro também tinha diversos pequenos problemas para resolver, como um vazamento no reservatório do óleo da direção hidráulica, freios baixos (apesar das novas pastilhas) e um alinhamento que insiste em nos fazer
coçar a cabeça, deixamos o hatch na Itacolomy, em São Paulo, com a lista de itens que deveriam ser verificados. Nenhum deles foi sanado, fora o recall em si.

Fomos encaminhados a um box de atendimento cujo responsável estava em férias. Acabamos atendidos por outro consultor. “Atendidos” talvez seja um exagero. Ele pareceu nos ouvir, mas sem muito interesse. Recebeu o carro e não fez nenhuma checagem de suas condições. Por via das dúvidas, deixamos com ele uma “cola” com tudo o que gostaríamos que fosse verificado. Saímos com a promessa de que ele nos ligaria para avisar quando os serviços estivessem terminados. O que poderia ocorrer no mesmo dia.

No fim do dia seguinte, sem resposta nenhuma, ligamos para o consultor. Ele se limitou a dizer que o carro estava pronto. Questionado sobre os problemas que apontamos, afirmou que o vazamento na direção hidráulica é normal (a tampa tem um respiro que deixa o fluido escapar), que o freio não tinha problema – as pastilhas estavam novas – e que o alinhamento estava correto. Retiramos o carro no mesmo dia.

Continua após a publicidade

Como a checagem dos problemas terá de ficar para uma próxima visita a outra autorizada, resolvemos verificar o alinhamento por nossa conta. Visitamos a Quadrelli, oficina especializada em suspensão, em São Paulo, e recebemos um diagnóstico preocupante: mesmo após uma revisão com tão pouco tempo, na qual foi feito alinhamento e balanceamento, a cambagem da roda traseira esquerda do Agile estava fora do padrão de fábrica. Esperamos que essa seja a explicação para a cantoria do carro em curvas para a direita.

A boa notícia, para a GM e para o consumidor, ficou por conta das palhetas do limpador de para-brisa. Ressecadas, exigiam troca imediata. Pesquisamos em lojas independentes e o preço que encontramos, pelo par dianteiro genérico, foi de 39,90 reais. Na autorizada Carrera da Vila Leopoldina, o par original saía por 40,07. Obviamente, optamos pelo original.

Consumo

No mês (37% na cidade): Álcool – 7,5 km/l

Desde mar/10 (31,8% na cidade): Álcool – 7,9 km/l

Continua após a publicidade

Publicidade