Clique e assine por apenas 8,90/mês

VW alerta: carros a combustão ficarão mais caros para bancar os elétricos

Parte do custo dos veículos elétricos será paga pelos modelos convencionais. O pior vem agora: quanto mais barato for o modelo, maior deve ser a alta

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 23 jan 2019, 14h20 - Publicado em 23 jan 2019, 14h19
Carros mais baratos da Volkswagen terão os maiores aumentos de preço no futuro Divulgação/Volkswagen

Cumprir regras de emissões cada vez mais rigorosas (e difíceis de burlar, diga-se) e desenvolver carros elétricos e autônomos tem custo elevado, e isso já começa a tirar o sono dos fabricantes.

Entre eles está a Volkswagen, que já avisou: seus carros ficarão mais caros. Principalmente seus carros a combustão mais baratos, o que pode afetar diretamente modelos vendidos no Brasil.

Christian Dahlheim, chefe global de vendas da VW, disse em teleconferência com repórteres que “a Volkswagen está usando vários recursos para neutralizar os custos crescentes. No entanto, é claro que não será possível compensar completamente os custos mais elevados de matéria-prima.”

Dahlheim ainda disse que os modelos mais baratos terão, proporcionalmente, os maiores aumentos nos preços a médio prazo, relata o site da agência Bloomberg.

Faz sentido. Um motor turbo com injeção direta, por exemplo, custa proporcionalmente mais caro em um Up! TSI do que em um Golf, um carro de maiores dimensões e com maior valor agregado.

A demanda por carros mais eficientes vem exigindo que os fabricantes levem suas tecnologias mais novas – e caras – aos carros baratos mais rapidamente. Antes mesmo de seu custo de desenvolvimento começar a ser pago por modelos mais caros.

Continua após a publicidade
O e-Golf é um dos elétricos que a Volkswagen já vende lá fora Volkswagen/Divulgação

Há outra questão. O custo de desenvolvimento de carros elétricos é elevadíssimo e sua produção, ainda incipiente, não é suficiente para bancar o carro.

Quem vai pagar a conta será você que comprou um Gol 1.0 MPI aqui no Brasil, o alemão que comprou um Golf R de 400 cv, o estadunidense que comprou um Atlas e o chinês que escolheu um dos 12 sedãs que a Volkswagen vende por lá.

A Volkswagen vendeu 100.000 veículos elétricos ou híbridos plug-in (que podem ser carregados na tomada) ao redor do mundo em 2018. Parece bom, mas isso representa apenas 1% de sua produção.

As vendas permanecem em uma fração do total de entregas, e a infraestrutura de carregamento deficiente impede que os consumidores mudem para carros de bateria. A Volkswagen vendeu 100.000 veículos plug-in e de bateria no ano passado, menos de 1% do total.

O grupo VW vendeu 10,8 milhões de veículos em 2018, um aumento de 0,9%. A Porsche teve o melhor resultado, com crescimento de 4%, enquanto a Audi fechou o ano com vendas 2,5% piores.

É grande a expectativa da Volks sobre o T-Cross, que estreia no Brasil em abril Divulgação/Volkswagen

Apesar de prevêr algumas dificuldades pela frente envolvendo tensões entre países, queda nas vendas de automóveis na China e testes de emissões mais rigorosos, a VW está otimista. Sua expectativa recai no bom desempenho de VW T-Cross, Seat Tarraco e na nova geração do Audi Q3.

É um futuro complicado para os fãs da Volkswagen, que precisarão torcer para que SUVs e elétricos vendam cada vez mais. Afinal, o Gol mais barato já custa R$ 46.320 e o Golf GTI não sai por menos de R$ 143.790.

Continua após a publicidade
Publicidade