Segredo: VW Nivus terá um motor e três versões, uma delas para PcD

Com gama enxuta, SUV cupê derivado do Polo trará também câmbio automático atualizado e deve custar entre R$ 70.000 e R$ 85.000

Lanterna traseira está integrada a uma faixa preta, mas aparentemente não é contínua

Lanterna traseira está integrada a uma faixa preta, mas aparentemente não é contínua (Reprodução/Volkswagen)

O Volkswagen Nivus, SUV cupê derivado do Polo e antes conhecido no seio popular como T-Sport, chegará ao mercado brasileiro no segundo trimestre do ano que vem, conforme já apontado por QUATRO RODAS.

Embora ainda faltem alguns meses até seu lançamento, a fabricante já tem tudo praticamente preparado para o início das vendas. Inclusive as versões de acabamento.

Conforme apurado por nossa reportagem, são duas as configurações inicialmente programadas para serem disponibilizadas nas concessionárias: Comfortline e Highline.

É assim que você verá o Nivus sem óculos se tiver miopia

É assim que você verá o Nivus sem óculos se tiver miopia (Reprodução/Volkswagen)

Cerca de 80 unidades pré-série do modelo, todas dessas duas versões, já passaram pela produção de São Bernardo do Campo (SP) durante o trabalho incipiente de ajuste as linhas.

Ambas devem vir equipadas com o motor 200 TSI de Polo, Virtus e T-Cross, um 1.0 três-cilindros turbo flex de 128 cv de potência com gasolina e 20,4 mkgf de torque com qualquer combustível.

Protótipos já indicam que as rodas do Nivus terão desenho exclusivo

Protótipos já indicam que as rodas do Nivus terão desenho exclusivo (Danilo Dalla de Almeida/Quatro Rodas)

Acoplado a ele estará o já conhecido câmbio automático de seis marchas da Aisin, porém com atualizações na calibragem a fim de sanar pequenos “coices” ao arrancar com o carro na fase fria do motor.

Os engenheiros tentam ainda solucionar os trancos sentidos nas reduções para marchas mais baixas, em especial primeira e segunda, problema sentido por nossa equipe durante quase toda a trajetória do Virtus de Longa Duração.

Motor 1.0 TSI flex deve ser o único a compor a gama do Nivus

Motor 1.0 TSI flex deve ser o único a compor a gama do Nivus (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Itens de série devem ser bastante similares aos de Polo, Virtus e T-Cross, incluindo quatro ou seis airbags, faróis e lanternas com guias de led, faróis de neblina com luzes de conversão estáticas, ar-condicionado com saída para a fileira traseira e central multimídia com projeção de celulares, entre outros itens.

Na versão de topo, pelo menos como opcional, serão oferecidos quadro de instrumentos 100% digital, frenagem automática pós-colisão e um novo sistema de entretenimento que, segundo fontes, será mais moderno que o dos irmãos de plataforma e promete ter funções “revolucionárias”.

O preço da versão Comfortline deve ficar na faixa de R$ 75.000 a R$ 80.000, enquanto o da Highline será posicionado entre R$ 80.000 e R$ 85.000.

Lanterna traseira está integrada a uma faixa preta, mas não é contínua

Lanterna traseira está integrada a uma faixa preta, mas não é contínua (Reprodução/Volkswagen)

Para mais adiante, provavelmente no fim de 2020, a Volkswagen planeja lançar o Nivus Sense, versão voltada a clientes PcD.

O conjunto mecânico deve ser o mesmo das demais versões, porém com perda de itens de série para posicioná-lo dentro do teto de R$ 70.000.

Derivado diretamente do Polo, tal qual o Honda WR-V em relação ao Fit, ou o Caoa Chery Tiggo 2 no comparativo com o Celer, o Nivus compartilhará muitos componentes com o hatch, externa e internamente.

Detalhe mostra como o para-choque frontal será muito diferente dos outros VW com plataforma MQB

Detalhe mostra como o para-choque frontal será muito diferente dos outros VW com plataforma MQB (Reprodução/Volkswagen)

Além de motorização, suspensões (com calibragem diferente) e da distância entre-eixos em 2,56 metros, diversos elementos da carroceria, como portas, colunas A e B, caixas de roda e, talvez, até capô e para-lamas dianteiros serão os mesmos.

O mesmo vale para peças de acabamento interno.

Já as partes que compõem os balanços dianteiro e traseiro serão exclusivas. A parte de trás espichada, aliás, dará ao CUV um volume de porta-malas bem maior do que os 300 litros do Polo, talvez acima de 400 l.

Vale lembrar que o projeto é de origem brasileira, mas será produzido também em Navarra (Espanha), com foco na comercialização para o mercado europeu.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Larissa Fonseca

    Que lindo!!!

    Tem gente que nem sabe que tem direito a comprar como PCD… nesse link eles falam uma lista de doenças que dão direito a descontos enormes nos carros, além de não pagar IPVA! http://bit.ly/voutercarrosemimpostos

    Eu não posso, mas achei interessante divulgar. Aproveitem!!!

  2. Robbin Manchester City Tröja OYGLato Mandy