Clique e assine por apenas 5,90/mês

VW “Virilha”: sete carros que, como o Nivus, têm nomes com duplo sentido

Alguns automóveis já foram batizados com nomes que têm significados um tanto quanto engraçados; veja lista

Por Redação - Atualizado em 7 dez 2019, 08h00 - Publicado em 7 dez 2019, 07h00
Nivus, ou “virilha”, em estoniano Reprodução/Volkswagen

O novo SUV cupê da VW foi anunciado na última quinta-feira (5) e se chamará Nivus.

A explicação da marca alemã é de que o nome não possui um significado específico, nem em português nem em outra língua. Confira a explicação oficial na íntegra:

“O nome ‘Nivus’ foi desenvolvido com uma agência de criação e posteriormente submetido a uma pesquisa com mais de 500 potenciais clientes de várias regiões do Brasil, Argentina e Colômbia.

A criação desse nome foi inspirada em novas perspectivas de design, estando relacionada com a sensação de algo ‘novo’, ‘moderno’ e ‘confiável’ ao mesmo tempo.”

Esse é o máximo revelado do novo VW Nivus Reprodução/Volkswagen

O CUV será produzido e vendido na Europa, mas pelo menos na Estônia, país do leste do continente, “nivus” não estará, obrigatoriamente, relacionado aos adjetivos colocados pela Volkswagen.

No dialeto local, o termo significa nada mais nada menos que “virilha”.

Esta passou longe de ser a primeira vez que um carro recebeu um nome que, sem querer, tinha duplo sentido. QUATRO RODAS preparou uma lista com mais sete casos. Confira:

1 – Mitsubishi Pajero (1982 em diante)

Pajero é chamada de “Montero” em países de língua espanhola, e o motivo é justo… Divulgação/Mitsubishi

O termo “Pajero” é utilizado em espanhol para designar homens que se masturbam com frequência. Isto porque a masturbação masculina, em diferentes países que falam o idioma ibérico, é conhecida como “paja”.

Para evitar o trocadilho constrangedor, a Mitsubishi decidiu batizar o SUV de “Montero” em países de língua espanhola, tanto na Europa quanto na América Latina.

2 – Mazda Laputa (1999 a 2006)

140724extr-15.jpg
Não é preciso uma explicação detalhada sobre a inclusão do Mazda Laputa na lista divulgação/Mazda

O kei car foi vendido no Japão até meados da década passada. Seu nome é uma referência literária a uma das ilhas fictícias do romance As Viagens de Gulliver, do escritor irlandês Jonathan Swift.

Detalhe: no livro, os moradores da ilha recebem o belíssimo gentílico laputeanos. Por lá o nome passou batido, claro, mas aqui na América do Sul certamente haveria problemas, especialmente os de língua espanhola.

3 – Hyundai Kona (2017 em diante)

Kona, já a venda, traz os traços do Intrado
Kona, ou “Kauai” para os gajos Divulgação/Hyundai

O SUV da marca sul-coreana foi batizado em homenagem à ilha de “Kona”, que faz parte do arquipélago do Havaí (Estados Unidos).

Ocorre que, em Portugal, o termo “cona” é usado para se referir pejorativamente ao órgão genital feminino. A solução encontrada foi batizar os exemplares vendidos na terra de Camões como Kauai – outra ilha do Havaí.

Continua após a publicidade

4 – Opel Ascona (1970-1988)

Dialeto dos lusitanos também fez a Opel renomear o “Ascona” Divulgação/Internet

O uso malicioso da expressão “cona” também gerou problema aos portugueses na hora de vender o sedã Opel Ascona nos anos 1970, em pleno período da ditadura Salazar.

Trata-se, originalmente, do nome de uma cidade suíça.

Solução: o carro foi chamado em Portugal de “1604” e, depois, “1904”. No Brasil, a terceira geração do Ascona foi vendida de 1982 a 1996 como Chevrolet Monza, se lembra?

5 – Ford Pinto (1971-1980) 

Pinto quase entrou na linha da Ford no Brasil Divulgação/Ford

Pinto, pelo menos nos EUA, é o nome de uma raça de cavalos. A Ford então decidiu associar os equinos a uma família de carros médios.

O modelo chegou a ser cogitado no Brasil para complementar as opções oferecidas pelo Ford Corcel, mas os altos custos de adaptação da linha de montagem para produção barraram sua vinda. Ainda bem…

6 – Toyota MR2 (1984 – 2007)

Sigla MR2 gera uma cacofonia bizarra na França GreenGhost74/Wikipedia

O cupê Toyota MR2 recebeu esta nomenclatura por se tratar de um veículo com motor central-traseiro (mid-engined), tração traseira (rear-wheel-drive) e dois assentos (2-seat).

Contudo, a pronúncia rápida da abreviação em francês gerava uma bizarra cacofonia: “merda”. Consequência: nos países francófonos onde o esportivo foi vendido, o nome foi ligeiramente alterado para MR.

7 – Rolls-Royce Silver Mist (nunca lançado)

Robotriot/Wikipedia

Na década de 1960, a Rolls-Royce planejava lançar o luxuoso sedã Silver Shadow sob outra alcunha, Silver Mist (névoa prateada).

No meio do caminho, alguém se atentou ao fato de que “mist”, que em inglês quer dizer “névoa”, em alemão significa esterco. Ou seja, a limusine seria conhecida na Alemanha como “cocô prateado”. Má ideia.

Alguns memorandos aqui e atas de reunião ali depois, ficou decidido que o nome definitivo do modelo seria Silver Shadow (sombra prateada).

Ele foi produzido entre 1965 e 80 no Reino Unido e vendido, entre outros mercados, na Alemanha.

Menção honrosa – Chana

A Chana, marca de carros criada pela fabricante Changan, foi a primeira marca do gigante do Oriente a atuar no Brasil, em 2006, vendendo utilitários de pequeno porte, como vans, furgões e picapes.

Na época, os chineses decidiram adotar o nome Chana, a fim de adaptar “Changan” a algo mais palatável ao entendimento dos brasileiros.

140724extr-01.jpg
O que já se ouviu de piadas sobre a chinesa Chana não está nos anais da indústria automotiva brasileira divulgação

Por razões elementares, a estratégia não vingou e, em 2011, a marca passou a se chamar Changan, sendo pouco depois retirada do mercado. Agora, tem pretensões de regressar, de novo como Changan.

Continua após a publicidade
Publicidade