Clique e assine por apenas 8,90/mês

Renault Kwid elétrico chinês é mais barato que o modelo vendido no Brasil

Visual mais requintado do hatch asiático será base para primeira reestilização do popular

Por Rodrigo Ribeiro - 25 set 2019, 17h58
Visual do K-ZE é exclusivo Divulgação/Renault

A Renault conseguiu alcançar o objetivo de criar um elétrico acessível com o Renault City K-ZE, versão movida a eletricidade do Kwid desenhada no Brasil.

O modelo, que havia sido apresentado no Salão de Xangai, começou a ser vendido na China pelo equivalente a R$ 36.000. Com ar-condicionado e direção assistida de série, o K-ZE custa R$ 3.590 a menos que o Kwid 1.0 Zen, versão mais em conta com esses equipamentos no Brasil.

Outra diferença visual é o uso de rodas com quatro parafusos Divulgação/Renault

Claro que, além da comparação deixar de lado os impostos entre os dois países, é preciso levar em conta o que o Kwid chinês não oferece, por exemplo, os airbags laterais que são de série no modelo nacional.

Para reduzir custos a Dongfeng-Renault, responsável pelo desenvolvimento e produção do K-ZE, também optou por usar um conjunto pequeno de motor e bateria.

Continua após a publicidade
O K-ZE usa um sistema multimídia exclusivo, maior que o Media NAV usado no Brasil Divulgação/Renault

O K-ZE usa um motor de 44 cv, distante dos 70 cv do Kwid nacional com etanol. O conjunto elétrico, porém, naturalmente se destaca quando o assunto é torque: 12,75 mkgf entregues de forma instantânea, enquanto nosso Kwid alcança, no máximo, 9,8 mkgf a 4.250 rpm.

Os conectores para recarga ficam ocultos sob o logotipo dianteiro Divulgação/Renault

A bateria de íon-lítio tem capacidade de 26 kWh; Como referência, o Renault Zoe vendido no Brasil usa um acumulador de 41 kWh nominais.

Segundo a marca, o K-ZE tem autonomia de 271 km, mas o valor considera o ciclo NEDC, menos rigoroso que o WLTP usado pelas fabricantes europeias. Outro limitante é a velocidade máxima de 105 km/h, restringindo o uso do carro apenas para deslocamentos urbanos.

À parte de diferenças no painel, boa parte do interior é similar ao Kwid Divulgação/Renault

Dotado de um conector para recarga rápida — ao contrário do Zoe vendido no Brasil —, o K-ZE precisa de 30 minutos para ir de 30 a 80% de carga da bateria em um carregador de 50 kW.

Continua após a publicidade

Dura realidade

O K-ZE será o único “Kwid” vendido pela Renault na China, já que a versão a combustão não é oferecida por lá Divulgação/Renault

A simplicidade do K-ZE não é garantia que ele seria barato no Brasil. Como referência, o espartano Twizy não sairia por menos de R$ 50.000 no Brasil.

Logo, fica difícil imaginar o K-ZE por menos de R$ 100.000, um valor três vezes maior do que o cobrado pelas versões a gasolina.

Mas, se o Brasil está distante do Kwid elétrico, o mesmo não se pode dizer de seu visual. Flagras recentes revelam que a primeira reestilização do Kwid indiano será inspirada no visual do K-ZE. A tendência é que essa evolução venha para o Brasil, desde que a Renault consiga viabilizar o custo maior da dianteira de quatro faróis do modelo.

Publicidade