Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dirigir o Renault Twizy é como ir trabalhar só de cueca

Deixar a timidez de lado é essencial antes de pegar a direção desse elétrico: você vira a atração da rua

Por Vitor Matsubara Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 fev 2023, 16h51 - Publicado em 21 nov 2017, 15h28
Renault Twizy
Sem janelas e sem vergonha de aparecer (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Nunca se esqueça de vestir as calças antes de sair de casa. A falta de atenção a esse detalhe provoca o espanto alheio e, no limite, uma prisão.

Andar no Twizy não é ilegal, mas não é permitido rodar com ele em algumas vias expressas. Já a sensação… essa é igual a sair na rua vestindo apenas as roupas de baixo. Eu nunca recebi tantos olhares em tão pouco tempo.

 

Renault Twizy
Por trás dessa cobertura preta existe um pequeno banco (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Ninguém fica indiferente ao carrinho elétrico lançado em 2012. Suas linhas lembram o Guido, aquela empilhadeira do filme Carros. No tamanho também se parecem: o Twizy tem 2,33 m de comprimento e 1,23 m de largura. É pequeno até perto dos 2,70 m e 1,55 m do Smart ForTwo.

Leva algum tempo para se habituar às excentricidades do Twizy. As portas transparentes com abertura para cima economizam espaço e fazem qualquer Lamborghini corar de inveja.

Renault Twizy
Painel do Twizy: pequeno e simples (Leo Sposito/Quatro Rodas)

A experiência começa pela chave. Giro a haste no cilindro e vejo o aviso “Go” no painel. Aí é só soltar o freio de estacionamento e apertar o botão “D”. O Twizy demora para embalar.

Continua após a publicidade

Porém, basta pisar fundo no acelerador e aí você se lembra que está em um carro elétrico. O ágil motor traseiro tem 17 cv e 5,8 mkgf. Logo bato nos 60 km/h – a máxima é de 80 km/h.

Não dá para andar em rodovias, pois o Twizy é homologado só para vias públicas em perímetro urbano. A autonomia vai até 100 km, suficiente para rodar dentro da cidade. Carregar a bateria leva 3 horas numa tomada de 110 V e 20 ampères.

Renault Twizy
Painel digital mostra apenas o essencial (Leo Sposito/Quatro Rodas)

A agilidade do carrinho compensa o peso da direção sem assistência hidráulica. O pedal do freio é duro e não há vigia traseira, mas nada que uma boa esticada de pescoço não resolva. Difícil é se acostumar à calibragem da suspensão, excessivamente dura de forma proposital para dar estabilidade nas curvas.

Continua após a publicidade

Toda irregularidade do asfalto é repassada à cabine, mas nada é pior do que a insegurança de dividir espaço com ônibus, SUVs e até motocicletas grandes. Todos parecem ávidos para esmagar o pequeno Renault.

Renault Twizy
Câmbio por botões e peças de antigos Renault (Leo Sposito/Quatro Rodas)
Renault Twizy
Cabo de recarga foi adaptado para o Brasil (Leo Sposito/Quatro Rodas)

É raro topar com um Twizy por aí. Desde 2014, o carrinho rodava apenas em ambientes fechados, patrulhando parques de Curitiba ou dentro da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Continua após a publicidade

A situação mudou após o Contran classificá-lo como o primeiro (e até agora único) quadriciclo-carro do país. Nessa categoria entram veículos de quatro rodas com até 400 kg (o Twizy pesa 375 kg sem a bateria), cabine fechada, airbag e cintos de segurança. A seguradora Porto Seguro já utiliza 16 unidades na cidade de São Paulo.

Renault Twizy
Apenas dois viajam no Twizy, um atrás do outro (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Produzir o Twizy nem seria tão difícil. Em 2013, a Renault firmou parceria com a Hidrelétrica de Itaipu para fazer 32 unidades em SKD (Semi Knocked Down, montagem local com componentes parcialmente feitos no exterior).

À época, o CEO da marca, Carlos Ghosn, disse que um volume de 50.000 veículos justificaria a produção local. Mas faltam incentivos para vendê-lo a um preço justo: aqui, ele não custaria menos de R$ 50.000.

Continua após a publicidade
Renault Twizy
Leves, as portas se abem para cima no melhor estilo Lamborghini de ser (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Caro demais para um carrinho assim. Mas, como dizia aquele slogan, algumas coisas não têm preço. Desfilar de Twizy por aí é uma delas.

Veredicto

O Twizy não é um carro, e sim uma máquina de fazer amigos. É um imã para a curiosidade alheia. No Brasil, nossas ruas esburacadas castigam o pobre carrinho.

Ficha técnica

Preço: € 8.240 (na Europa)
Motor: elétrico, 13 kW/17 cv, 5,8 mkgf entre 0 e 2.100 rpm
Câmbio: automático, tração traseira
Suspensão: pseudo-McPherson, com molas e amortecedores
Freios: discos sólidos (diant. e tras.)
Direção: mecânica, 6,8 m (diâmetro de giro)
Rodas e pneus: liga leve, 125/80 R13 (diant.) / 145/80 R13 (tras.)
Dimensões: comprimento, 233,8 cm; largura, 123,7 cm; altura, 145,4 cm; entre-eixos, 168,6 cm; peso, 474 kg; autonomia, de 80 a 100 km; porta-malas, não tem

Continua após a publicidade

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.