Clique e assine por apenas 8,90/mês

Rede GM orienta dono de Onix com risco de vazamento a rodar sem conserto

Sem contato das concessionárias, clientes agendam ou levam veículo para conserto por conta. Serviço demora 1h... se houver peça a pronta entrega

Por Leonardo Felix - Atualizado em 22 jan 2020, 14h13 - Publicado em 19 dez 2019, 13h11
Chevrolet Onix Plus LT turbo de Carlos Imagawa, de Londrina (PR), durante o reparo Carlos Imagawa/Quatro Rodas

O “não recall” do vazamento de combustível do Chevrolet Onix tem deixado os clientes confusos.

O boletim interno do fabricante orienta concessionários a contatarem os donos de todas as unidades afetadas para agendar a substituição da tubulação Y conectada ao tanque.

Mas, como são quase 30.000 veículos afetados, boa parte dos proprietários ainda não recebeu a ligação.

A tubulação Y responsável pelo vazamento Carlos Imagawa/Quatro Rodas

Sendo assim, há clientes que estão optando por tomar a iniciativa de procurar a rede da marca da GM por conta própria, ou mesmo levar o carro diretamente a uma autorizada. Mesmo nesses casos, o destino de cada um depende, por assim dizer, da sorte.

Continua após a publicidade

Se a peça estiver disponível a pronta entrega, o reparo é realizado na hora. Foi o que aconteceu com do empresário Carlos Imagawa, de Londrina (PR), que comprou um Onix Plus LT turbo.

No meu caso, vim sem agendamento. Fui me informar no balcão de atendimento e [meu carro] já foi encaminhado para realizar o procedimento”, contou. O serviço, segundo ele, durou cerca de uma hora.

Peça defeituosa fica conectada ao tanque de combustível Arte/Quatro Rodas

Em outros casos, concessionárias pedem de um dia a quase três semanas de espera. Em um grupo do Facebook, um proprietário relata que seu agendamento foi feito para o dia 6 de janeiro de 2020.

QUATRO RODAS usou os canais de contato da GM para simular um agendamento. Primeiro, ligamos ao SAC, que confirmou o risco de vazamento do chassi consultado e nos orientou a fazer o agendamento do reparo direto em uma concessionária.

Continua após a publicidade

Ligamos, então, para duas revendedoras Chevrolet de São Paulo (SP). A primeira tinha peça e horário disponível para o dia seguinte, mas segunda só poderia agendar para daqui a uma semana.

No detalhe, como a tubulação se conecta ao tanque e ao filtro de combustível Reprodução/Quatro Rodas

As recomendações passadas quanto ao uso do carro durante o período de espera também foram conflitantes.

A primeira orientou a utilizar o carro normalmente; a segunda pediu para não rodar com o carro, mas não por causa do risco de vazamento, e sim porque o recall da atualização do software do motor ainda não havia sido efetuado naquele chassi.

Nas redes sociais, outros clientes afirmam que têm recebido a orientação da rede Chevrolet de seguir rodando com seus Onix e Onix Plus normalmente até o reparo da tubulação Y.

Continua após a publicidade
O analista de sistemas Fabio Andrade teve o veículo guinchado após vazamento de combustível Fabio Andrade/Reprodução

Foi exatamente essa a informação repassada ao analista de sistemas Fabio Andrade, de São Paulo capital, em relato já publicado por QUATRO RODAS.

“Nos disseram que era algo simples e poderia continuar a rodar normalmente até voltarem a me ligar em aproximadamente uma semana. Porém, faltando um dia antes do dia combinado, voltando de um shopping para casa, percebemos um forte cheiro de combustível dentro do carro. Ao estacionarmos em casa, notamos que o piso da garagem estava molhado. No dia seguinte, verificamos por baixo do carro e estava vazando muito”, disse o dono de um Onix hatch LT turbo.

 

Procurada, a GM corroborou a orientação do SAC, orientando os consumidores a “fazer o agendamento na concessionária de preferência para otimização do atendimento” caso o contato do vendedor demore.

Continua após a publicidade

Entretanto, não houve resposta sobre se o procedimento das concessionárias de orientar os clientes a seguirem usando o carro mesmo com o risco ainda não solucionado é o adequado.

A principal questão aqui é que, como não se trata de uma campanha formalizada junto a órgãos governamentais, apenas de serviço, os riscos reais inerentes ao vazamento ainda não foram publicamente esclarecidos pela Chevrolet.

Nos últimos dias, o Procon-SP prometeu exigir esclarecimentos do fabricante para julgar se o caso demanda o início de uma campanha oficial ou não. A empresa pode ser multada em até R$ 10 milhões caso seja constatado que negligenciou o recall.

Colaborou Leonardo Barboza.

Publicidade