Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novo Chevrolet Tracker não terá injeção direta e será mais fraco que atual

Versão mais potente de novo motor 1.2 três cilindros turbo terá menos de 140 cv; por outro lado, SUV compacto pode perder até 200 kg

Por Henrique Rodriguez - 25 nov 2019, 19h43
Nova geração do SUV será mais fraca, porém mais leve que a atual Divulgação/Chevrolet

A nova geração do Chevrolet Tracker será bem diferente. Além de nova plataforma, terá dimensões maiores, novos motores e, muito provavelmente, um novo posicionamento de mercado.

Sua mecânica exigirá isso. Seus motores 1.0 e 1.2 três cilindros turbo, embora sejam mais modernos, serão mais fracos que o atual 1.4 turbo com injeção direta de 153 cv.

Sem injeção direta

A responsabilidade de mover o novo Tracker recairá sobre os novos motores de três cilindros da família CSS (cuja sigla interna recebe o nome comercial Ecotec), montados em Joinville (SC).

Entre-eixos passou de 255 cm para 257 cm Divulgação/Chevrolet

As versões mais baratas usarão o mesmo motor 1.0 turbo de 116 cv e 16,8 mkgf de torque das versões mais caras do Onix. Terá opção de câmbio manual ou automático, ambos de seis marchas.

Continua após a publicidade

O Tracker Premier, por sua vez, estreará no Brasil o novo motor 1.2 turbo de três cilindros derivado do 1.2 aspirado de 90 cv que será usado pelo Onix em outros mercados latino-americanos.

Nosso Onix não terá esse motor, mas ele será usado pelo modelo no México (onde começa a ser produzido em 2020) e nos Emirados Árabes Unidos. Por lá, divulgam 132 cv e 19,1 mkgf para a versão a gasolina.

Interior segue estilo semelhante ao do novo Onix Divulgação/Chevrolet

Vale lembrar que o 1.0 turbo não tem diferença de potência entre as versões flex e gasolina. Assim como o 1.0 turbo, este 1.2 tem injeção multiponto convencional, e não injeção direta, como o atual 1.4.

SUV circula em todo o estado de São Paulo em testes Roney Duarte Botelho/Quatro Rodas

A Chevrolet chegou a divulgar os números de desempenho do Onix para as arábias. Enquanto o 1.0 vai de 0 a 100 km/h em 11,1 s, o 1.2 cumpre o mesmo em 9,3 s.

Continua após a publicidade

Alívio de peso

Usar motor menor pode ser algo delicado, principalmente quando se trata de um SUV. Mas o Tracker tem o trunfo de poder ficar muito mais leve nesta nova geração, graças à plataforma GEM.

Roney Duarte Botelho/Quatro Rodas

Acontece que hoje o Tracker é muito pesado: tem 1.413 kg na versão Premier. Ele pode perder cerca de 200 kg, considerando que a versão chinesa tem 1.205 kg.

Isso mesmo sendo sensivelmente maior. Tem 2,57 m de entre-eixos (+2 cm), 4,27 m de comprimento (+1,5 cm), 1,79 m de largura (+1,5 cm) e 1,60 m de altura (-0,7 cm).

Luis Carlos de Martin/Quatro Rodas

Com essa redução de peso, a potência menor pode não influenciar tanto no desempenho, mas certamente ajudará a reduzir o consumo e o preço, tornando-o um modelo mais acessível.

Continua após a publicidade

Hoje o Tracker importado do México é caro: tem preço inicial de R$ 94.990 na versão LT.

Eandres Aguiar/Quatro Rodas

Se no passado o fato de ser importado foi uma barreira para seu sucesso, agora, com produção em São Caetano do Sul (SP), o SUV compacto terá a chance de ter volume de vendas e preços competitivos. Para isso, basta seguir os passos do Onix.

De acordo com o site Autos Segredos, a produção do SUV compacto terá início em janeiro de 2020. O lançamento, porém, deverá acontecer até abril, já como linha 2021.

Fotografou um segredo? Mande seu flagra para nós: 55 11 99975-9245

Publicidade