Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Para Carlos Ghosn, da Renault-Nissan, errar é fundamental

"Aprendemos mais com a borracha que com o lápis", diz Carlos Ghosn, presidente da Aliança Renault-Nissan

Por Barbara Ladeia, de <a href=" http://exame.abril.com.br">Exame.com</a> Atualizado em 9 nov 2016, 12h30 - Publicado em 20 jun 2013, 10h30
fabricantes

Os melhores presidentes de empresa do mundo são aqueles que erram. Essa é a essência do exercício de gestão, segundo o presidente da Aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn.

Considerado um dos executivos mais admirados do mundo, Ghosn é conhecido por ter tirado a Nissan de uma das maiores crises da sua história. O brasileiro – naturalizado francês e radicado no Líbano – vê no erro uma das principais ferramentas de desenvolvimento de um gestor. “Desde pequenos, nós aprendemos mais com a borracha que com o lápis.”

Perguntado sobre qual teria sido seu principal erro como gestor, Ghosn não nega. “Erro o tempo todo. Eu aprendo porque eu erro”, diz, no entanto, sem citar um equívoco que lhe tenha marcado a memória. “A vida de administrador é um eterno tentar, conferir os resultados e aprender. Gestão é um artesanato.”

“O gestor maduro não é aquele que não erra, mas aquele que sente e descobre o erro antes de todos”, diz Ghosn. Ele defende que os erros da equipe, por sua vez, são a principal matéria-prima do alto escalão da empresa. Para ele, resolver problemas é a função primordial de um presidente de empresa. “Tem gente que se queixa dos problemas, mas o board executivo está aqui exatamente para encontrar soluções”, diz.

MulheresConsiderado um dos presidentes de empresa mais relevantes nas discussões sobre equidade de gênero, Ghosn foi um dos palestrantes convidados para o Women’s Forum Brazil 2013, evento que discutiu o assunto no começo desta semana.

O executivo defende a política de cotas para mulheres em todos os escalões das empresas. Para ele, é muito difícil mudar uma cultura sem a obrigatoriedade inicial de se cumprir metas. “O que você não pode medir, você não pode fazer”, diz.

Ele defende, ainda, que os jovens de hoje formam a primeira geração que larga em pé de igualdade entre homens e mulheres. Com três irmãs e três filhas, Ghosn aposta que o empoderamento da mulher pode ser feito com programas de mentoria e desenvolvimento. “É uma questão de dar confiança. A pessoa que mais desconfia do potencial da mulher é ela própria.”

Para alcançar o topo da companhia, Ghosn recomenda às mulheres expor sempre o perfil de alta performance. “Sempre que pegarem uma tarefa, exponham os resultados.”

Continua após a publicidade

Publicidade