Grandes Brasileiros: VW Gol (2ª geração)

Na segunda geração, o Gol mostrou que reunia muitas virtudes e poucos defeitos para se manter líder de mercado

VW Gol (2ª geração) As formas arredondadas marcavam a ruptura com o desenho da primeira geração, dos anos 80

As formas arredondadas marcavam a ruptura com o desenho da primeira geração, dos anos 80 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Poucos automóveis causaram tanto alvoroço no Brasil quanto o Chevrolet Corsa, no início de 1994. Filas de espera se formaram, disparando a cobrança do ágio.

O vice-presidente da GM, André Beer, apareceu em rede nacional pedindo calma: a produção do carrinho arredondado logo atenderia à demanda de um mercado saturado de linhas retas.

A GM não escondia seu alvo: lançado em 1980, o VW Gol beirava 1,4 milhão de unidades em 14 anos, ocupando a liderança por sete anos seguidos.

Sozinho, respondia por 60% das vendas da marca, já com deficiências de projeto e uma carroceria de estilo quadrado dos anos 80.

Para não perder essa supremacia, a VW investiu US$ 400 milhões na segunda geração do Gol, denominada AB9. Ele não seria atualizado só como produto: robôs passaram a ser adotados na fábrica de Taubaté (SP), o que permitiu diminuir as variações das medidas do novo carro.

Os primeiros protótipos foram vistos em 1992. Mesmo camuflados, já era possível prever a aerodinâmica testada no túnel de vento da matriz, com coeficiente de 0,34 graças às linhas arredondadas, frente em cunha e supressão dos quebra-ventos e calhas no teto.

VW Gol (2ª geração) Mudanças na suspensão traseira o deixaram mais estável em curvas

Mudanças na suspensão traseira o deixaram mais estável em curvas (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Em meados de 1994, foi lançada a versão final. Era nítida a inspiração do Golf de terceira geração, como maçanetas, lanternas e faróis ovalados.

Também era perceptível o ganho em comprimento, largura e altura. Apelidado de Papa Corsa, o Gol renascia das cinzas.

A gênese do projeto foi uma pesquisa com os donos: todos apreciavam o desempenho, a robustez e a confiabilidade, mas criticavam o para-brisa muito próximo dos ocupantes, o banco traseiro apertado e o pequeno porta-malas, prejudicado pelo estepe na vertical. Finalizado em tempo recorde, o projeto levou 36 meses do modelo de argila ao carro final.

Conhecido como Bolinha, o novo Gol estreou como modelo 1995. A versão básica era a 1000i, com motor de 1 litro e comando de válvulas no bloco de origem Ford, fruto da joint venture Autolatina.

Acima, havia a CLi e a GLi com os tradicionais motores AP de 1,6 e 1,8 litro. Todos permaneciam na posição longitudinal e recebiam injeção eletrônica. O topo de linha era a GTi, com o mesmo AP 2.0 da primeira geração.

Os 11 cm a mais no entre-eixos resultaram em melhor espaço interno, mas o painel envolvente tipo cockpit não mascarava a rigidez dos plásticos e o volante deslocado à direita, herança do projeto original.

Para melhorar a segurança, o tanque de combustível estava à frente do eixo traseiro e o porta-malas saltava de 146 para 269 litros, graças ao estepe horizontal embutido no assoalho.

VW Gol (2ª geração) O painel envolvente tipo cockpit não escondia o acabamento simples

O painel envolvente tipo cockpit não escondia o acabamento simples (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Mecanicamente, o Gol mostrava a garra de sempre: o câmbio mantinha engates curtos, precisos e macios, enquanto ganhava direção hidráulica como opcional.

A estabilidade melhorava com o novo eixo traseiro autoestabilizante: fazia curvas com segurança mesmo apoiado em três rodas. Faltou apenas o freio a disco ventilado, exclusivo do GTi.

Com apenas 50 000 km rodados, o GLi 1996 das fotos pertence ao advogado Fernando Marques. “Por ter sido fabricado em 1995, é possível ver o logotipo da Autolatina e da Ford nos vidros e em algumas peças”, diz.

Integrado à frota de Longa Duração, o Gol se mostrou rápido e confiável, mas o acabamento e a rede autorizada deixavam a desejar.

Ao fim do teste, a dificuldade de revenda derrubou o mito da liquidez no mercado, mas ainda assim a fábrica não atendia à demanda.

Ele chegou a ser importado da Argentina em 1998, quando a versão de quatro portas chegou ao mercado. Atualizado, o projeto AB9 também serviu de base para as gerações III (1999) e IV (2004).

Veja também

Teste QUATRO RODAS – novembro de 1994

 
VW Gol GLi 1.8 (álcool)
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,5 s
Velocidade máxima 178,9 km/h
Consumo médio 11,06 km/l
Preço (outubro de 1994) R$ 14.659
Preço (atualizado IPC-A / IBGE) R$ 76.149

Ficha técnica

 
Motor longitudinal, 4 cilindros em linha
Cilindrada 1.781 cm³, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote, injeção eletrônica monoponto
Potência 90,6 cv a 5.500 rpm
Torque 14,3 mkgf a 3.500 rpm
Câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 380 cm; largura, 159 cm; altura, 150 cm; entre-eixos, 247 cm
Peso 974 kg
Pneus 175/70 SR 13 radiais
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s