Grandes Brasileiros: Chevrolet Kadett

Com o hatch, a Chevrolet começou a modernizar sua linha num ritmo mais intenso nos anos 90

Chevrolet Kadett Para-brisa rente à lataria e design limpo: modernidade

Para-brisa rente à lataria e design limpo: modernidade (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Desde a chegada do Monza, fazia sete anos que a Chevrolet não lançava um modelo novo de passeio no Brasil. Pela lógica da evolução europeia, onde existia desde 1984, o Kadett 1989 teria de substituir o longevo Chevette, mas não foi o caso.

Aqui ele chegou como um hatch médio compacto com um nível de equipamento comparável ao do Monza, mas de aspecto mais jovem e esportivo.

Se a esportividade de fato cabia à versão GS, a SL e a SL/E ainda dispunham de um visual moderno num mercado sedento por novidades.

As inovações trazidas pelo Kadett incluíam vidros do para-brisa e da tampa traseira rentes à lataria. Nas colunas traseiras ficavam características tomadas de ar.

Disponível com motores a gasolina e a álcool, a versão mais luxuosa do Kadett demonstrava sofisticação mais pelos opcionais que pelo volante regulável, display com luzes de advertência e vidros verdes degradê de série.

Chevrolet Kadett No Brasil, o Kadett teve apenas versão de duas portas

No Brasil, o Kadett teve apenas versão de duas portas (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A lista de opções incluía câmbio automático (só com motor a álcool), ar-condicionado, direção hidráulica, regulagem da altura do banco e da suspensão, rodas de liga e rádio com toca-fitas.

Após o teste com o 2.0 GS, na edição de maio de 1989, era a vez do 1.8 SL/E. O teste comparava a versão a gasolina (com todos os opcionais menos o ar) e a álcool (básico).

“O Kadett a álcool foi mais rápido sobretudo nas retomadas: basta dizer que, para ir de 40 a 100 km/h, levou 27,42 segundos, enquanto o carro a gasolina precisou de 32,73 segundos”, dizia a revista. “Ambos são bastante confortáveis: impressionou o bom nível de acabamento, sugerindo ser o Kadett um carro resistente ao uso prolongado.”

Chevrolet Kadett O motor 1.8 a álcool rendia 95 cv e 15,1 mkgf

O motor 1.8 a álcool rendia 95 cv e 15,1 mkgf (Christian Castanho/Quatro Rodas)

De 1991, o Kadett SL/E das fotos, com interior combinando com a pintura, é carro de família. Pertence ao casal Lucio Silva e Christina Mello, de São Paulo.

O carro foi comprado novo pelo compadre do pai de Christina, depois pelo próprio, até ser adquirido em 2004 por Lucio. “Ele é bem mais confortável que muitos carros, não faz um barulho, é difícil de quebrar”, diz o proprietário.

Chevrolet Kadett A configuração do painel lembrava o do Monza

A configuração do painel lembrava o do Monza (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Chevrolet Kadett Bom nível de acabamento e quadro de instrumentos simples, mas funcional

Bom nível de acabamento e quadro de instrumentos simples, mas funcional (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O modelo 1992 já incorporava injeção monoponto. “O motor tem um desempenho mais regular com seus 3 cv extras”, dizia a QUATRO RODAS de fevereiro de 1992.

A versão a álcool era a primeira no mundo com esse recurso. O GS ganhou injeção multiponto e virou GSi. Em 1994, o 1.8 Lite trouxe um pacote mais acessível de equipamentos, enquanto o GL e o GLS aposentavam o SL e o SL/E, ganhando uma repaginada no quadro de instrumentos.

No fim daquele ano, a Chevrolet passou a trazer da Bélgica o primeiro Astra, opção mais sofisticada ao Kadett. Depois da Série Sport 2.0 de 1995, viria a última reestilização no ano seguinte. Em 1997, GL e GLS ganharam o motor 2.0.

Chevrolet Kadett O espaço era folgado para quem ia na frente

O espaço era folgado para quem ia na frente (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Chevrolet Kadett Os passageiros de trás reclamavam do teto baixo

Os passageiros de trás reclamavam do teto baixo (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Produzido até setembro de 1998, o Kadett rendeu 394.068 unidades. Deu lugar à segunda geração do Astra, também longeva.

“Hoje é difícil manter um Kadett 100% original”, diz Leonardo Bazzan, do KadettClube. “O mercado ainda não o vê como colecionável. Não conseguimos itens de reposição, ainda mais de acabamento interno, e muitas vezes recorremos a peças usadas.”

A julgar pela dificuldade de se garimpar um exemplar original e conservado dos primeiros anos, o Kadett já é digno de coleção.

Veja também

Teste QUATRO RODAS – maio de 1989

 
Aceleração de 0 a 100 km/h 12,22 s
Velocidade máxima 162,5 km/h
Frenagem de 80 km/h a 0 33 m
Consumo urbano 6,69 km/l
Consumo rodoviário 10,59 km/l
Preço (maio de 1989) NCr$ 18.714
Preço (atualizado IPC-SP/FIPE) R$ 87.025

Ficha Técnica – Kadett SL/R 1989 (álcool)

 
Motor transversal, 4 cilindros, 1 796 cm³, carburador duplo, a álcool. Diâmetro x curso: 84,8 x 79,5 mm. Taxa de compressão: 11,7:1. Potência: 95 cv a 5 600 rpm. Torque: 15,1 mkgf a 3 000 rpm
Câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 400 cm; largura, 166 cm; altura, 139 cm; entre-eixos, 252 cm; peso, 980 kg
Suspensão independente, McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
Freios disco ventilado na dianteira e a tambor na traseira com servo
Rodas e pneus aço, 5,5 x13, pneus 165 SR13
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s