Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fim de uma era: Volkswagen Fox sai de linha após 18 anos

Após cerca de 1,8 milhão de unidades produzidas em 18 anos, o espaçoso "hatch altinho" que tentou substituir o Gol se despede

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 abr 2024, 14h37 - Publicado em 6 out 2021, 17h53
último volkswagen Fox 2021
Último VW Fox é da versão Xtreme na cor vermelho tornado (Divulgação/Volkswagen)

A Volkswagen tentou encobrir, mas acabou cedendo. Dias após supostas imagens da última unidade do Fox produzida na fábrica de São José dos Pinhais (SP) ganharem as redes sociais e após muito desconversar, a fabricante alemã confirmou o fim do hatch altinho.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

O sindicato dos metalúrgicos local também tentou encobrir que o VW Fox saiu de linha em setembro, mas fornecedoras locais, como a Faurecia e Aethra, já haviam encerrado o fornecimento de componentes para a VW. Esta última, inclusive, fechou a fábrica no Paraná após o término do contrato de fornecimento de peças do Fox.

De acordo com o sindicato, os funcionários envolvidos com a produção do Fox serão realocados na produção do T-Cross, que acaba de alcançar a marca das 200.000 unidades fabricadas.

Foto da última unidade ainda na linha de montagem
Foto da última unidade ainda na linha de montagem (Reprodução/Internet)

O último exemplar produzido foi um VW Fox Xtreme na cor vermelha, que será preservado, passando a fazer parte do acervo da Volkswagen do Brasil. 

Lançado há exatamente 18 anos, em outubro de 2003, o Volkswagen Fox foi majoritariamente produzido na fábrica paranaense. Mas também chegou a ser fabricado em São Bernardo do Campo (SP) em meados dos anos 2000 e foi fabricado na Argentina entre 2008 e 2010.

Continua após a publicidade

Mas foi a partir do Brasil que o hatch ganhou diversos países vizinhos e também a Europa, onde foi o carro mais barato da Volks de 2005, quando o Lupo saiu de linha, até o lançamento do Up!. Era exportado, inclusive, com motores exclusivos: o 1.2 TDI de três cilindros e 55 cv e o 1.4 a gasolina de 80 cv (que posteriormente equipou a Kombi). 

Quase 1,3 milhão de unidades do Fox foram vendidas no mercado brasileiro e cerca de 500 mil unidades foram destinadas à exportação.

Era para custar mais barato

Fox 1.6 traseira
Fox 1.6 Sportline (Marcelo Spatafora/Quatro Rodas)

O custo benefício das últimas unidades do VW Fox era imbatível, sendo um hatch 1.6 completo (ou quase, porque as últimas unidades saíram sem a central multimídia) pelo preço de um Gol 1.0. Mas nem sempre foi assim.

O Volkswagen Fox foi concebido para substituir o Gol e nunca conseguiu. Na verdade, o mercado não deixou. Conta-se que o Fox seria lançado com preço abaixo do pedido pelo Gol, um projeto mais antigo e que não seria atualizado profundamente tão cedo, mas pesquisas com clientes revelaram que o consumidor estava disposto a pagar mais caro por aquele hatch com teto altinho.

Traseira VW Fox 1.6 Sportline
(Marcelo Spatafora/Quatro Rodas)

O Fox tinha características interessantes em um momento que as vendas de carros populares eram expressivas. Também tinha características interessantes, como o banco traseiro corrediço (que mais tarde motivaria recall), volante multifuncional e possibilidade de rádio integrado ao painel.

Continua após a publicidade
Interior do Fox 1.6 Sportline
(Marcelo Spatafora/Quatro Rodas)

Também impressionava o espaço interno. Nem tanto pelas dimensões, próximas do Gol da época (3,83 metros de comprimento, 1,64 m de largura, 1,54 m de altura e 2,46 m de distância entre-eixos), mas pelo teto alto e pela sensação de espaço proporcionada pelo para-brisas bem recuado do motorista. 

Bancos Traseiros Fox 1.6
(Marcelo Spatafora/Quatro Rodas)

O Fox foi lançado nas versões City, Plus e Sportline, com motor 1.0 de 72 cv de potência e 9,2 kgfm de torque. Era um hatch duas portas, mas com o tempo ganhou quatro portas e, em 2004, o motor 1.6, de 103 cv de potência e 14,5 kgfm de torque. Convertido a flex, este mesmo motor seguiu até o fim. 

Volkswagen Fox Route 2008
Volkswagen Fox Route 2008 (Divulgação/Volkswagen)

No meio tempo, o VW Fox ainda chegou a usar os motores da família EA211, nomeadamente o 1.0 de 3 cilindros com 82 cv e o 1.6 16V de 120 cv, que podia ser combinado a um exclusivo câmbio automatizado I-Motion de seis marchas.

Volkswagen BlackFox 2011
Volkswagen BlackFox 2011 (Divulgação/Volkswagen)

Foram três atualizações visuais. Em 2007, ganhou para-choque frontal redesenhado se antecipando ao primeiro facelift profundo, lançado em outubro de 2009. A segunda – e última – reestilização profunda estreou em agosto de 2014.

Quando a família cresceu

O Volkswagen Fox nasceu do projeto Tupi. O próprio nome entrega que era um projeto brasileiro, mas com plataforma avançada, a PQ24 que estreou no Brasil um ano antes com o hatch premium Polo. Especulava-se que a família aumentaria a ponto de ganhar uma versão sedã, mas esta nunca existiu.

Continua após a publicidade
spacefox
Derivada do Fox, a SpaceFox era uma perua – menos para a VW, que inventou o termo sportvan (Volkswagen/Divulgação)

A única variação de carroceria foi a perua SpaceFox, fabricada na Argentina entre 2006 e 2018, sempre com motores 1.6. Foi atualizada em 2010 e 2015, acompanhando o estilo do hatch.

VW Space Cross
Space Cross é 3 cm mais alta que a Spacefox (Acervo/Quatro Rodas)

Mas, talvez, o derivado do Fox de maior sucesso tenha sido o CrossFox. A suspensão mais alta (com buchas das bandejas reforçadas que praticamente todo dono de Volks usa), o rack no teto, os para-choques sem pintura e o icônico estepe pendurado na traseira marcaram esteve na moda por pelo menos uma década.

CrossFox
(Acervo/Quatro Rodas)

Mostrado ainda como um protótipo de duas portas no lançamento do Fox, o CrossFox foi lançado em 2005. Ganhou reestilizações em 2009 e 2014, e se despediu custando uma fábula em 2017. O carro que nasceu para enfrentar o Ford EcoSport não resistiu à ofensiva dos SUVs compactos. E não dá para esquecer da SpaceCross, vendida entre 2011 e 2017.

No facelift de 2010, perdeu quebra-mato e faróis de milha
No facelift de 2010, perdeu quebra-mato e faróis de milha (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

CAPA quatro rodas setembro edição 749

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.