Clique e assine por apenas 5,90/mês

Com morte da Weekend, VW Fox vira o novo ancião dos carros nacionais

Fabricado no país há 17 anos, hatch oferece itens de série dignos, gama enxuta e preços competitivos para seguir no mercado por mais alguns bons anos

Por Gabriel Aguiar - 28 jan 2020, 17h46
VW Fox vendeu 38.487 unidades em 2019 e ficou à frente do Toyota Yaris hatch, por exemplo38.48738.487 Divulgação/Volkswagen

A Fiat Weekend saiu de cena no Brasil.

Mas, além de colocar fim às peruas compactas por aqui, a aposentadoria da veterana – lançada em 1997 – deixou o VW Fox em maus lençóis: feito desde outubro de 2003, o hatch se tornou o automóvel nacional mais antigo à venda.

Aqui vale a observação: quando fala mos em “automóvel”, estamos levando em conta apenas carros de passeio. Sabemos que há comerciais leves como a Fiat Strada.

Há ainda o caso do Suzuki Jimny, comercializado desde 1998, mas este só passou a ser produzido em Itumbiara (GO) em 2012. Antes, vinha importado do Japão.

Projeção do possível SUV (ainda mais) compacto que poderá substituir Gol e Up! Du Oliveira/Quatro Rodas

Portanto, entre os automóveis, o Fox herdou da Weekend o título de maior dinossauro da indústria automotiva nacional. E a marca alemã não parece muito apressada em tirá-lo de linha.

“Me perguntam quando vamos parar de vender o Fox. Sabe quando? No que depender de mim, nunca. Ele vende bem. Enquanto vender e atender as legislações, não há por que tirar das lojas”, disse a QUATRO RODAS Pablo Di Si, presidente da VW na América do Sul e Brasil.

Vale lembrar que, atualmente, a empresa está desenvolvendo um SUV compacto cotado para substituir de uma só vez Gol, Up! e o próprio Fox. O novato será produzido em Taubaté (SP), mas só em 2022.

Até lá, o Fox deve deve seguir firme e forte em oferta, e poderá até mesmo sair ileso da estreia do projeto A0 SUV, visto que é produzido em São José dos Pinhais (PR).

Modelo foi desenvolvido no Brasil e chegou às lojas em 2003 Divulgação/Volkswagen

Prestes a completar 17 anos de mercado, o modelo recebeu duas atualizações ao longo da vida. Na primeira, em 2009, as principais mudanças foram concentradas na dianteira e na cabine. Já na segunda, em 2014, a marca mudou até recortes da carroceria.

Continua após a publicidade

E, como boa parte dos projetos que já estão amortizados pelo tempo, o Fox se apoia na boa relação custo-benefício para seguir relevante no mercado. Além de enxugar a linha, que desde 2017 só tem duas versões (Connect e Xtreme), ele está mais recheado.

“Nós reduzimos a oferta de opções [incluindo versões, pacotes opcionais e cores] em 98%. Isso é bom para o cliente, porque facilita na hora de escolher a configuração. E isso vem em primeiro lugar, mas também é bom para a escala de produção. No fim, é bom para todo mundo”, explica o executivo.

Mesmo na versão de entrada, central multimídia e piloto automático vêm de série Divulgação/Volkswagen

Quer um exemplo? Por R$ 51.990 – na tabela –, a configuração mais barata do hatch já oferece ar-condicionado, central multimídia com tela sensível ao toque de 6,5 polegadas e comandos no volante, piloto automático, sensor de ré e rodas de liga leve aro 15.

O Chevrolet Joy Black, opção mais equipada do modelo de entrada da GM, só inclui ar-condicionado de série – os demais recursos sequer aparecem na lista de opcionais. E a diferença entre eles é de apenas R$ 2.600. No caso do Volkswagen, ainda há vantagem na motorização.

O reflexo de tudo isso: mesmo com tantos anos de vida e reestilizações que pouco alteraram o formato de sua carroceria, o Fox foi responsável por 38.487 emplacamentos no ano passado, segundo a Fenabrave (associação nacional dos concessionários), ocupando um respeitoso 19º lugar no ranking.

Também há versão Xtreme, por R$ 57.290, com detalhes emprestados do finado CrossFox Divulgação/Volkswagen

Sim, o antigo 1.6 8V flex está anos-luz do novo 1.0 TSI, que equipam Up!, Polo e T-Cross, e até do 1.6 16V que já foi utilizado pelo Fox no passado. Só que, mesmo assim, vence em desempenho quando comparado aos concorrentes com conjunto 1.0 aspirado.

É claro que tudo tem seu preço: há apenas airbags frontais obrigatórios, sem bolsas de segurança laterais ou de cortina. Também faltam controles de estabilidade e de tração. Em 2015, conquistou quatro estrelas no Latin NCAP; hoje, seriam no máximo três.

Com protocolo de 2015, menos rígido, o hatch conquistou quatro estrelas no Latin NCAP Divulgação/Volkswagen

“Sempre que há grandes mudanças de legislação, os modelos podem ser adaptados ou sair de linha. E em 2014 [quando airbags e ABS se tornaram obrigatórios nos veículos de passeio vendidos no Brasil], alguns carros até receberam os itens”, explica Di Si.

Essa declaração feita a QUATRO RODAS coincide com as novidades já confirmadas para o Fox (além de Gol, Saveiro e Voyage), que ganhará cinto de três pontos, apoio de cabeça central e Isofix para atender os novos requisitos de segurança para 2020.

Continua após a publicidade
Publicidade