Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

VW SpaceFox enfim sai do catálogo e é mais uma perua a morrer no Brasil

Modelo já havia deixado de ser produzido na Argentina no início deste ano, mas ainda restavam unidades em estoque até setembro

Por Leonardo Felix Atualizado em 16 out 2019, 18h02 - Publicado em 16 out 2019, 10h24
SpaceFox vinha sendo vendida em apenas uma versão Divulgação/Volkswagen

Não há mais Volkswagen SpaceFox à venda no Brasil, pelo menos no mercado de zero-quilômetro.

A morte da perua compacta foi consumada com a retirada do modelo do configurador de veículos novos no site oficial da fabricante. Procurada por QUATRO RODAS, a assessoria da fabricante confirmou a informação.

A perda não chega a ser inesperada, visto que a produção do modelo na Argentina já havia sido encerrada no início deste ano, para dar lugar ao SUV intermediário Tarek (cujo lançamento deve ocorrer em 2020).

Traseira da SpaceFox Divulgação/Volkswagen

Na verdade, chegou até a surpreender a resistência da SpaceFox no catálogo de carros novos da marca durante tantos meses.

Isso foi fruto da formação de um estoque que demorou a ser esgotado nas concessionárias brasileiras.

Nos nove primeiros meses de 2019 a pequena perua teve 1.736 unidades emplacadas, segundo a Fenabrave (associação nacional dos concessionários). Entretanto, apenas 21 exemplares foram vendidos em agosto e três em setembro, o que indica o fim dos estoques.

Em seus últimos meses de vida, a SpaceFox vinha sendo vendida em uma única versão, Trendline, equipada com o velho motor 1.6 8V de 104 cv e câmbio manual. O preço era de R$ 66.190.

História

Top Hits dos ladrões 2012
5º lugar – Volkswagen SpaceFox – Quantidade de roubados/furtados em 2012: 810; Frota em 2012: 82.048; Frequência de roubos/furtos: 0,987% divulgação/Volkswagen

A SpaceFox nasceu em 2006 como perua do primeiro Fox. Chegou a ser vendida em outros mercados e com nomes diferentes, como Suran (Argentina) e Sportvan (México).

Continua após a publicidade

Fabricada sempre em General Pacheco, Argentina, com motor 1.6 de oito válvulas, com opções de câmbio manual ou automatizado i-Motion, notabilizava-se pelo bom porta-malas de 440 litros. Chegou a ser produzida em São José dos Pinhais (PR), junto com Fox.

A primeira reestilização veio em 2010 Divulgação/Volkswagen

Em 2010, acompanhou o facelift já aplicado ao irmão hatch, com arestas menos arredondadas nos faróis e grade horizontalizada, integrando o conjunto óptico.

Um ano mais tarde, ganhou a configuração aventureira SpaceCross, aguardada havia cinco anos, já que fora apresentada como conceito no Salão de São Paulo de 2006. Ela trazia mais equipamentos e apliques plásticos que conferiam maior apelo visual.

Aventureiros urbanos
Perua aventureira SpaceCross ganhou vida em 2011 Marco de Bari e Chris Castanho

No ano de 2015, veio mais uma reestilização do Fox e da SpaceFox: faróis mais espichados, grade ainda mais afilada e um rearranjo no desenho do para-choque dianteiro.

A versão de topo Highline e a SpaceCross ganharam também motor 1.6 MSI 16V de 120 cv, aliado a câmbio manual de seis marchas ou i-Motion.

Nas opções mais caras também chegou a haver itens como controle eletrônico de estabilidade, controlador de velocidade de cruzeiro e luzes de conversão estática nos faróis de neblina.

Entre 2017 e 18, o preço de uma SpaceCross completa chegou a flertar com a casa de R$ 100.000.

No entanto, o modelo começou a perder espaço para os SUVs e teve suas vendas (e suas versões) desidratadas até o inevitável encerramento da produção.

Atualizada às 18h02.

Continua após a publicidade

Publicidade