Clique e assine com até 75% de desconto

Com preços próximos ao Polo, VW Gol automático encalha nas vendas

Quase dois anos após o lançamento, versão 1.6 MSI com caixa de seis marchas nunca emplacou. Ficar perto demais do Polo talvez seja a explicação

Por Leonardo Felix Atualizado em 24 jun 2020, 13h41 - Publicado em 25 jun 2020, 07h00
O Gol fechou 2018 como o quarto carro mais vendido do país Divulgação/Volkswagen

Em julho de 2018, o Volkswagen Gol abandonou a caixa automatizada monoembragem i-Motion para estrear uma versão dotada do motor 1.6 MSI (16V flex) de 120 cv acoplada ao câmbio automático de seis marchas da Aisin.

Junto a isso, o hatch de entrada da marca adotou como padrão a dianteira já usada pela extinta versão Rallye e pela picapinha Saveiro, com grade alargada, conferindo um aspecto visual mais robusto.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Parecia, àquela altura, o maior salto evolutivo do subcompacto desde a chegada da terceira geração, lançada 2008 e vendida até hoje em nosso mercado, com três facelifts no meio do caminho.

No entanto, passados dois anos já se pode afirmar que o Gol 1.6 automático não vingou, acumulando desempenhos para lá de discretos (para não dizer fracos) em vendas.

VW Gol
Gol automático usa motor 1.6 MSI 16V de 120 cv, e não o velho 8V de 104 cv do manual Christian Castanho/Quatro Rodas

E olha que o subcompacto ainda tem apelo no mercado, tendo sido o quinto modelo mais emplacado no país nos cinco primeiros meses de 2020, segundo dados da Fenabrave (associação nacional dos fabricantes).

Só que em abril e maio, por exemplo, quando o Gol foi responsável por 1.648 e 1.616 unidades comercializadas, respectivamente, a versão automático respondeu por menos de 5% dos emplacamentos. Os dados são da Mobiauto, plataforma de venda digital de veículos.

Em abril, o Gol 1.6 automático registrou 80 exemplares comercializados, o equivalente a 4,85% do total. Em maio, os números caíram para 56 ou 3,46%.

Alavanca de câmbio é compartilhada com Polo e Virtus Divulgação/Volkswagen

Assim, temos um raro caso de um carro que não ficou mais atrativo ao ganhar câmbio automático (de verdade). O que explica o fenômeno?

Poderíamos falar que o maior foco do velho Gol está nas vendas diretas, o que é verdade, mas nos últimos meses o mercado o subcompacto foi responsável por emplacar mais unidades no varejo do que para frotistas.

Continua após a publicidade

E mesmo na comparação com a versão 1.6 8V manual, que tem motor mais antigo e menos potente, o desempenho do 1.6 automático é pífio.

Em abril e maio, por exemplo, o Gol 1.6 manual respondeu por 31,7% e 19,3% das vendas totais do modelo, quase seis vezes o volume da configuração automática.

Para deixar o Gol 1.6 automático completinho é preciso desembolsar quase R$ 70.000 Divulgação/Volkswagen

Ou seja: a questão está mesmo na falta de apelo da versão, apesar do conforto da caixa com conversor de torque de seis marchas da Aisin e do motor MSI mais moderno e potente.

Talvez a questão esteja no preço. Um Gol 1.6 automático parte de R$ 61.390 e chega a R$ 68.590 com todos os opcionais mais pintura metálica.

Por R$ 65.990 já é possível comprar um Polo 1.6 MSI automático, dotado do mesmíssimo trem de força. E o primo maior chega a R$ 70.715 com todos os itens possíveis nessa versão, uma diferença de apenas R$ 2.125.

Polo MSI automático custa quase o mesmo de um Gol Divulgação/Volkswagen

Se o cliente fizer um esforço um pouco maior, leva um Polo Comfortline 200 TSI por R$ 74.450.

Assim, o que tem atravancado o sucesso do Gol automático é o seu posicionamento na faixa dos R$ 60.000, o que permite ao comprador alçar voos mais altos com um carro maior e mais moderno oferecido pela própria VW.

Para o velho Gol, resta o consolo de continuar a se dar muito bem na versão única com motor 1.0 três-cilindros e câmbio manual: esta acumulou 64,4% e 77,2% de todas as vendas do modelo nos últimos dois meses.

É bem mais do que o Polo 1.0 MPI consegue alcançar.

  • Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade