Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Honda Civic Si usado de 8ª geração anda mais que Pulse Abarth e Polo GTS

Até hoje considerado um dos melhores carros já produzidos no Brasil, o sedã esportivo é uma boa opção para quem quer diversão para toda a família

Por Guilherme Fontana
7 jul 2024, 14h00

O Honda Civic Si foi lançado no Brasil em 2007 com o título de carro mais potente fabricado no país — posto perdido poucos dias depois para o Golf GTI, seu principal concorrente, graças a um artifício da VW: adiantar o ponto de ignição ao ser utilizada gasolina premium, o que elevava a potência de 180 para 193 cavalos, um a mais que o Si.

Mais do que isso, o sedã esportivo da Honda foi considerado o melhor modelo feito nacionalmente na época, superando o rival no comparativo realizado por QUATRO RODAS em abril daquele ano.

Ele chegou por (hoje baratos, desconsiderando os diferentes momentos econômicos) R$ 99.500, preço que cairia para R$ 96.965 dois anos depois por conta da redução de IPI promovida pelo Governo.

Honda Civic Si
Na traseira, aerofólio, ponteira de escapamento cromado e logotipo diferenciam a versão esportiva (arquivo/Quatro Rodas)

Em relação às configurações mais simples do Civic, o Si tem visual até que discreto para um esportivo nato. A grade, além de ser pintada da cor do veículo (passou a ser sempre preta após 2009), leva o logo “Si” na cor vermelha.

Na traseira, além do mesmo logo, o aerofólio e a ponteira cromada do escapamento identificam a versão. Nas laterais, o destaque fica para as rodas de 17 polegadas com desenho exclusivo e a inscrição i-VTEC. Ele era oferecido apenas nas cores vermelho, preto e prata.

Compartilhe essa matéria via:

O domínio da cor vermelha também é visto no interior do modelo. As siglas bordadas nos bancos dianteiros, as costuras aparentes (bancos e apoios de braços laterais e central) e a iluminação do painel e do quadro de instrumentos são da mesma tonalidade. Os pedais são de alumínio. Outra exclusividade é o indicador de proximidade do giro máximo do motor, que emite alertas visuais.

Continua após a publicidade

O motor é um 2.0 i-VTEC de 192 cv e 19,2 kgfm, com seu tradicional apetite por giros altos, sempre acompanhado do câmbio manual de seis marchas, combinação acompanhada de controles de estabilidade e tração (os modelos depois de 2009 possuem airbags laterais).

Honda Civic Si
Principal diferença do interior fica para a iluminação vermelha do painel (arquivo/Quatro Rodas)

Durante os testes de QUATRO RODAS, o sedã foi de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos, mais rápido que os atuais esportivos nacionais, Pulse Abarth e Polo GTS, além de retomadas de 40 a 80/60 a 100/80 a 120 km/h em respectivos 5,6/7,7/11,1 segundos. Tudo isso com boas médias de consumo: 8 km/l em ciclo urbano e 13,1 km/l no rodoviário.

Mais do que os números, porém, o que conta aqui é o comportamento dinâmico exemplar. A direção com assistência elétrica é firme e direta. O câmbio de seis marchas tem engates curtos e precisos, e a suspensão (McPherson na frente e duplo A atrás) garante ótima estabilidade, incluindo um controle de estabilidade com atuação discreta.

Sua vida no Brasil, porém, foi curta: lançado em 2007, saiu de linha em 2011 – a geração seguinte seria vendida por aqui a partir de 2014, com carroceria cupê, mas tornou-se tão raro que preferimos não inclui-lo nesse Guia.

Atualmente, de acordo com a tabela Fipe, um exemplar 2007 sai por aproximadamente R$ 42.000. No entanto, por sua exclusividade, o esportivo quase sempre é vendido por preços acima dos sugeridos pela tabela, principalmente se estiverem em bom estado de conservação e com baixa quilometragem.

Continua após a publicidade
Honda Civic Si
Bancos esportivos oferecem generosos apoios laterais (Marco de Bari/Quatro Rodas)

 

ONDE O BICHO PEGA

Histórico – Por se tratar de um esportivo, é comum que o carro tenha sido utilizado de formas mais extremas, inclusive em pistas. Por isso, vale conferir a procedência com cuidado ainda maior, e fazer inspeções mais rigorosas em toda a estrutura.

Caixa de câmbio – A rigidez do conjunto, ao trafegar por asfaltos de má qualidade, pode ocasionar folgas na caixa de transmissão. O valor para reparo é alto.

Suspensão traseira – Apesar do conjunto resistente, as suspensões têm ajustes rígidos, típicos do Civic. Isso, combinado com o alto desempenho e a direção mais agressiva destinada ao Si, pode acarretar problemas e barulhos indesejados nos amortecedores traseiros.

Seguro nas alturas – Mais um caso específico de versões esportivas. Além da dificuldade em encontrar seguradoras que aceitem o modelo, os preços são altos.

Preparações – Não é fácil encontrar modelos que não passaram por modificações mecânicas. Tais preparações não impedem a compra, mas exigem uma verificação da qualidade do serviço feito e dos demais componentes do veículo, que podem se desgastar mais rápido.

Continua após a publicidade

 

Honda Civic Si
O motor 2.0 i-VTEC de 192 cv e 19,3 mkgf leva o Civic Si de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A VOZ DO DONO

“Esportivo para quem busca custo-benefício e uma excelente plataforma para preparações. Mecânica barata, robusta e moderna que concilia potência e baixo consumo. Peca pela suspensão rígida demais, que tende a apresentar problemas nos amortecedores traseiros, pela caixa de direção, que pode apresentar folgas devido à qualidade das nossas ruas, e no alto valor cobrado pelas seguradoras.” – Elcio Hideki Watanabe, 30 anos, gerente de gestão empresarial, São Paulo (SP)

O que eu adoro: “O Civic Si tem um dos melhores custo-benefício do mercado para quem quer uma pegada esportiva e diversão na hora de dirigir, principalmente por ter câmbio manual — a precisão nas trocas também é um ponto positivo a se destacar. Apesar de parecer alto, é bem acertado de suspensão e faz curva como poucos.” – André Dissat, 30 anos, jornalista, Rio de Janeiro (RJ)

O que eu odeio: “Sempre achei o carro bem duro para o dia a dia. O óleo recomendado pela fabricante baixa com certa frequência, obrigando a antecipação das trocas para um tipo mais viscoso. Os defeitos crônicos na caixa de direção são resultado do acerto duro do carro em conjunto com nosso asfalto de má qualidade. A embreagem é bem dura e o torque para uso cotidiano, principalmente em baixas rotações, não é alto. Outros pontos negativos são a ausência de um computador de bordo digno do carro e função “um toque” apenas para o vidro do motorista.” – Allan Victor Cezarino, 30 anos, técnico de processos, Araraquara (SP)

Preço médio dos usados (FIPE)

Honda Civic Si 2007 2008 2009 2010 2011
Preço médio R$ 67.290 R$ 76.266 R$ 78.173 R$ 80.128 R$ 83.075

NÓS DISSEMOS

Dezembro de 2006: “O texto está quase no fim e eu quase me esqueço: este carro é um sedã (o primeiro em 20 anos de Civic Si mundo afora). Pode ser que leve mais gente além do motorista. Sem problemas.”

Abril de 2007: “No percurso, o Si se saiu melhor [contra o Golf GTI] por ter seis marchas. Ainda que a sexta seja um overdrive, ela joga as outras cinco para baixo. Com isso, o motor está sempre cheio, com torque de sobra. Enquanto as curvas a bordo do Honda eram feitas em terceira marcha, no Golf ficava aquela dúvida: em segunda, a quase 5 000 giros (com o motor gritando), ou em terceira com o motor mais chocho? Essa característica torna o Si mais fácil de se guiar. Você consegue dosar melhor o acelerador no meio das curvas, saindo delas com mais controle sobre o carro. Por sua concepção mais avançada, o Civic Si leva a melhor por ser mais equilibrado e dócil no dia a dia, sem ficar devendo em esportividade quando solicitado. Qualidades que compensam o investimento extra na hora da compra.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.