Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mercedes EQE 350+: andamos no Classe E elétrico que chega ainda em 2022

O Mercedes EQE é o equivalente elétrico do Classe E. Acaba de ser lançado na Europa e chega ao Brasil no segundo semestre

Por Joaquim Oliveira, de Frankfurt (Alemanha) Atualizado em 3 jul 2022, 15h17 - Publicado em 4 jul 2022, 03h00

Pelas fotos, pode ser difícil distinguir o novo sedã elétrico EQE do EQS. Afinal, os dois dividem a plataforma e têm semelhanças na aparência.É o caso da carroceria em forma de arco, da cabine avançada, do estilo dos faróis, do painel negro no lugar da grade frontal e do capô (que só os técnicos da marca alemã conseguem abrir).

Os dois sedãs também partilham as maçanetas rentes à carroceria e o acionamento elétrico de portas, entre outros itens. O EQE está para o Classe E assim como o EQS está para o Classe S. Por isso, é um pouco menor. A distância entre-eixos, de 3,132 m, é 9 cm menor que a do EQS.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022

Eixo traseiro direcional é oferecido como item opcional Divulgação/Quatro Rodas

Feito sobre a plataforma de carros elétricos da Mercedes (MEA), o EQE tem muito mais espaço do que o Classe E. Embora seja apenas 1,1 cm maior no comprimento (4,946 m), o sedã elétrico oferece 18,1 cm a mais na distância entre-eixos.

Além disso, em relação ao Classe E, a novidade tem 2,7 cm a mais de largura na frente e 8 cm adicionais de espaço para pernas no banco traseiro. Atrás, os assentos são 6,5 ​​cm mais altos, por causa da grande bateria no piso.

Só não conte com um porta-malas muito volumoso. São 430 litros, bem menos que os 540 l do Classe E. O sedã estreia na Europa em duas versões: 350+ (com um motor de 292 cv e tração traseira) e 43 4MATIC, com dois motores (um em cada eixo), 476 cv e tração integral.

Ainda estão previstos o EQE 500 4MATIC (408 cv) e o EQE 53 4MATIC (625 cv), ambos com tração nas quatro rodas.

Compartilhe essa matéria via:

A impressão de déjà-vu proporcionada no lado de fora é ainda mais forte no interior, com qualquer das duas configurações do painel. Isso porque é o mesmo sistema do EQS. A Standard tem tela flutuante de 12,9”, além do quadro de instrumentos digital de 12,3”.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022
A central multimídia tem tela OLED de 17,7” Divulgação/Quatro Rodas

Mas há ainda a Hyperscreen, uma hipertela de 1,41 metro de largura, com capacidade de guardar até sete perfis de usuário.

A “maior e mais inteligente” tela digital instalada em um automóvel, como diz a Mercedes, integra o quadro de instrumentos de 12,3”, a tela multimídia OLED de 17,7” e o terceiro monitor de 12,3” à frente do passageiro.  Tudo sob a mesma superfície levemente curvada, formando um único conjunto.

Quando o dedo toca as telas, sente-se uma vibração, graças a um conjunto de 12 atuadores sob a superfície. O passageiro da frente pode assistir a canais de streaming de vídeo ou TV, mas o motorista, não.

Caso o sistema detecte que o condutor está olhando para a tela (há uma câmera para isso), o monitor automaticamente escurece para o motorista.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022
Espaço interno é comparável ao do sedã maior da Classe EQS Divulgação/Quatro Rodas

EQE é fluente em 27 línguas Ainda no capítulo visores, o head-up display (opcional) de 29” projeta uma imagem virtual colorida, que parece flutuar acima do capô a uma distância de 4,5 metros do carro.

Já mencionei os 27 idiomas que o comando de voz entende e responde? Se existe alguém (ou algo) que merece ser considerado poliglota, é o EQE. A lista inclui todas as línguas mais conhecidas e algumas menos faladas.

Para cumprir essas funções, o poder de computação conta com oito CPUs, 24 GB de RAM e uma memória com largura de banda de 46,6 GB por segundo.

Continua após a publicidade

Independentemente da escolha dos painéis, é recomendável que se gaste um tempo para configurá-lo, a fim de evitar informação excessiva e repetida nas várias telas, o que pode distrair e confundir o motorista.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022
Atrás, os assentos estão em posição elevada por conta das baterias Divulgação/Quatro Rodas

Mesmo sendo a versão mais “mansa”, o EQE 350+ é muito rápido nas acelerações, o que não é surpresa num elétrico. Apesar de seus 2.355 kg, ele pode atingir 100 km/h em apenas 6,4 s e alcançar 210 km/h.

A pedido do cliente, a suspensão (independente multibraços em ambos os eixos) pode incluir molas pneumáticas (Airmatic) e amortecedores eletrônicos variáveis ​​que controlam a resposta em cada roda.

A suspensão mantém a distância ao solo constante, independentemente da carga do veículo, mas permite variações. No modo Sport, a altura da carroceria é reduzida em 20 mm acima de 120 km/h, para melhorar a aerodinâmica e a estabilidade.

Em velocidades de até 40 km/h, ela pode subir 25 mm, uma conveniência em estradas esburacadas ou para entrar e sair do estacionamento.

O eixo traseiro direcional (outro opcional) está disponível em duas possibilidades: com esterçamento de 4,5 graus ou 10 graus. Neste último caso, o diâmetro de giro é de 10,7 m, bem menos que os 12,5 m no modelo com eixo fixo. Com o sistema de 4,5 graus, o diâmetro é de 11,6 m.

A direção é muito direta (2,1 voltas de batente a batente) e permite sentir bem a estrada, tornando-se mais pesada à medida que mudamos dos modos Eco e Comfort para o Sport.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022
Frisos azuis nas rodas lembram que o modelo é um veículo elétrico puro Divulgação/Quatro Rodas

Algo semelhante pode ser dito em relação ao desempenho da suspensão em função do modo de dirigir: Comfort proporciona melhor “isolamento ósseo”, enquanto o modo Sport foi capaz de conter com eficiência o rolamento da carroceria.

As pesadas baterias (cerca de 600 kg) na parte inferior do carro ajudam a baixar o centro de gravidade.

Acima de 120 km/h deu para notar o efeito do isolamento acústico que os engenheiros da Mercedes-Benz adotaram, considerando que não há ruído do motor de combustão para esconder eventuais barulhos dos pneus ou do vento percorrendo a carroceria.

Borboletas no volante permitem alternar entre três níveis de frenagem regenerativa (D+, D e D-).

O nível mais fraco (D-) deixa o carro rolar como se estivesse em ponto morto, enquanto o mais forte (D+) permite dirigir quase sem tocar no pedal esquerdo, o que tem três vantagens claras: recarrega a bateria, torna a forma de dirigir mais suave (a desaceleração é antecipada e demora mais tempo) e permite que o motorista não tenha de lidar com o pedal do freio.

Falando nisso, a Mercedes ainda não conseguiu dar uma resposta progressiva a ele (o primeiro terço do curso do pedal produz pouca desaceleração). Há ainda a opção DAuto, que altera automaticamente a retenção com base em variáveis ​​como a presença de veículos à frente ou a diferença entre a velocidade do carro e o limite legal da via.

The new Mercedes-Benz EQE: Press Test Drive, Frankfurt 2022
Recarga rápida leva 32 minutos em um sistema DC de 170 kW Divulgação/Quatro Rodas

A capacidade máxima de carregamento em corrente contínua (DC) é de 170 kW, com a qual se pode obter autonomia de 250 km em 15 minutos. Ao contrário de Porsche e Hyundai/Kia, que empregam sistema de 800 V, a Mercedes decidiu ficar nos 400 V, mas investiu no sistema de gestão de temperatura para aproveitar a potência de carregamento disponível.

Ao usar corrente alternada (AC), o carregamento pode ser feito com 11 ou 22 kW. Nesse caso, a carga completa levará 8h25min ou 4h25min, respectivamente. A garantia da bateria é de dez anos ou 250.000 km.

Na Europa, o EQE 350+ custa 73.800 euros (4.000 euros a mais que o Classe E 300e), enquanto o EQE 43 4MATIC teve preço fixado em 105.650 euros. No Brasil, até agora, os únicos representantes da família EQ são o EQC 400 4MATIC  (R$ 629.000) e o  AMG EQS 53 de R$ 1.350.000, mas a marca deve trazer o EQE no segundo semestre.

Veredicto Quatro Rodas

O EQE está para o sedã da Classe E assim como o EQS está para o Classe S. Ou seja: mesmo requinte e tecnologia em um carro com porte menor, a um custo proporcional.

Ficha Técnica – Mercedes EQE 350+

Preço: 73.800 euros
Motor: elétrico, traseiro, 292 cv, 57,6 kgfm; baterias de íons de lítio, 90 kWh
Câmbio: 1 marcha, tração traseira
Direção: elétrica
Suspensão: quatro braços (diant.), multibraços (tras.)
Freios: disco ventilado nas quatro rodas
Pneus: 225/45 R19
Dimensões: compr., 494,6 cm; larg., 196,1 cm; altura, 151,2 cm; entre-eixos, 313 cm; peso, 2.355 kg; porta-malas, 430 l
Desempenho: 0 a 100 km/h, 6,4 segundos; velocidade máxima de 210 km/h; consumo, 18,7 a 15,9 kWh/100 km; carregamento: AC 11 kW, 8h25; AC 22 kW, 4h25; DC 170 kW, 32 min; autonomia de 567 a 654 km

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês