Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Puma AMV é esportivo raro com peças de Monza, Opala e Gol

Relançado por um entusiasta, o cupê adotou um comportamento mais civilizado, mas sem abrir mão do desempenho típico de GT

Por Felipe Bitu 3 fev 2022, 20h15

Inspirado pelo sucesso de Mustang e Camaro no mercado nacional, o Puma GTB foi um dos esportivos brasileiros mais desejados em razão do seu nível de conforto e da dirigibilidade proporcionada pelo motor de seis cilindros 4.1.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

A carreira do Pumão quase foi encerrada em 1985 com a falência da fábrica, mas ele acabou voltando ao mercado em 1988 como Puma AMV.

Sua história começa em 1986, ano em que o empresário Rubens Maluf funda a Araucária S.A. Indústria de Veículos, em Curitiba (PR), logo após obter o ferramental de produção dos esportivos da Puma.

Puma AMV
Volante Panther era inspirado no clássico Moto-Lita Fernando Pires/Quatro Rodas

Contrariando as expectativas, o negócio não prosperou e os direitos foram transferidos para a Alfa Metais Veículos: a produção ficou a cargo do empresário Nívio de Lima, um entusiasta da Puma.

Baseado no GTB S2 de 1979, o estilo do AMV foi atualizado pela grade, lanternas dianteiras do Chevrolet Monza e para-choques envolventes. A traseira recebeu lanternas do Chevrolet Opala e um aerofólio sobre a tampa do porta-malas.

Apesar das alterações, seu carisma manteve-se inalterado. Sob o capô estava o tradicional motor 4.1 do Opala, com 27,8 kgfm a 2.300 rpm e 126 cv a 4.400 rpm. Queimando gasolina, o motorzão acelerava os cerca de 1.200 kg de 0 a 100 km/h em 10,8 segundos.

PUMA AMV
AMV era um cupê 2+2. Motor de seis cilindros em linha tinha funcionamento suave e livre de vibrações Quatro Rodas/Quatro Rodas

O AMV se mostrou ligeiramente mais veloz, alcançando 175,2 km/h contra 168,3 km/h do antigo GTB. Opcional, o motor movido a etanol entregava 134 cv, mas fez pouco sucesso devido a sua baixa autonomia.

As visitas aos postos de combustível eram mesmo frequentes: o novo tanque de 70 litros era rapidamente esvaziado, com médias de 4,7 km/l na cidade e 8,4 km/l na estrada.

A situação era agravada pela falta de uma quinta marcha, pelo diferencial com relação mais curta que a do Opala (3,08:1 contra 2,73:1) e pelo arrasto dos enormes pneus Pirelli P600 205/60 R15.

PUMA AMV
Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

O conjunto pneus/rodas era responsável pela evolução no comportamento dinâmico, beneficiado pela adoção de barra Panhard e estabilizador no eixo traseiro. Uma válvula equalizadora ajudava a conter o travamento das rodas traseiras em frenagens fortes.

Compartilhe essa matéria via:

O AMV era bem equipado para a época: trazia direção hidráulica, ar-condicionado, bancos Recaro, vidros verdes com acionamento elétrico, coluna de direção com ajuste de altura, revestimento interno de couro, cintos de segurança retráteis de três pontos, faróis de neblina e rádio toca-fitas digital com antena elétrica.

Puma AMV

Os 2,42 metros entre os eixos garantiam sua agilidade em percursos sinuososO novo tanque de combustível (reposicionado na vertical) aumentou a capacidade do porta-malas. Como em todo cupê 2+2, o ideal era transportar a bagagem no limitado banco traseiro.

A baixa altura do teto comprometia o conforto dos bancos dianteiros para adultos com mais de 1,75 metro de altura. Em 1990, teve início a segunda e última fase do Puma AMV, com para-choques redesenhados e pintados na cor da carroceria (assim como o aerofólio).

Os faróis de neblina passaram a ser os do VW Gol e as novas rodas, fornecidas pela Rodão. As lanternas traseiras ganharam lentes fumê e o volante de três raios foi substituído por outro de quatro raios. Foram oferecidas novas tonalidades de pintura e revestimento interno.

PUMA AMV
Retrabalhada, a suspensão traseira melhorou a dinâmica do carro Fernando Pires/Quatro Rodas

Entre as três gerações do Pumão, o AMV é a de menor produção. “Cerca de 180 unidades foram produzidas entre 1988 e 1991 e até o presente momento o Clube do GTB já conseguiu levantar o paradeiro de 145 unidades”, conta o entusiasta Leandro e Pascholatti. “Trata-se de um clássico cada vez mais valorizado”, afirma.

Ficha Técnica –Puma AMV 1988

Motor: diant., long., 6 cil. em linha, 4.093 cm3, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador duplo, 126 cv a 4.400 rpm, 27,8 kgfm a 2.300 rpm
Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
Carroceria: cupê, 2 portas, 4 lugares
Dimensões: comprimento, 429 cm; largura, 184 cm; altura, 124 cm; entre-eixos, 242 cm
Peso: 1.250 kg
Pneus: 205/60 HR 15

Teste – Puma AMV 1988

Quatro Rodas Agosto de 1988
Reprodução/Quatro Rodas

Agosto de 1988
Velocidade Máx. 175,2 km/h
0 a 100 Km/h: 10,8 segundos
Consumo Médio
4,7 km/l cidade /
8,4 km/l estrada
Preço
Cz$ 10.500.000 (1988)
Atualizado*: R$ 247.555

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês